segunda-feira, 30 de maio de 2016

Barbosa faz convocação para as Olimpíadas amanhã

O técnico da Seleção Brasileira Adulta Feminina, Antonio Carlos Barbosa, convoca nesta terça-feira (dia 31), às 11h de Brasília, as jogadoras que iniciarão os treinamentos para os Jogos Olímpicos Rio 2016. A coletiva de imprensa será realizada no auditório da Federação Paulista de Basketball (Rua Frei Caneca, 1407/4º andar). Barbosa estará acompanhado da Coordenadora de Seleções Femininas, Adriana Santos, campeã do Mundial da Austrália (1994) e medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta (1996).

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Brasil 94 x 75 Venezuela






A Seleção Brasileira Adulta Feminina conquistou pela 26ª vez o título invicto do Campeonato Sul-Americano da Venezuela. Desde a competição de 1986, o Brasil acumula 84 vitórias em 84 jogos e chega ao 16º título invicto seguido. Nesta quinta-feira (dia 26), na partida final do Sul-Americano da Venezuela, disputado no Domo Bolivariano, na cidade de Barquisimeto, as brasileiras ganharam das anfitriãs por 94 a 75 (55 a 25 no primeiro tempo), com 20 pontos, dois rebotes, quatro assistências e uma recuperação de bola da cestinha Iziane Marques, que foi escolhida a MVP da competição.


“Sabíamos que era muito importante começar a partida jogando bem porque o ginásio estava lotado e a Venezuela ia jogar com o apoio da torcida. Mas entramos determinadas e mostrando desde o início nossa superioridade. Não demos chance para as venezuelanas e construímos uma vantagem desde o primeiro quarto. Estou muito feliz por ter ajudado ao Brasil a manter a hegemonia continental. Vimos nesse Sul-Americano uma grande evolução de outras seleções e já não é tão fácil ganhar. Mas conseguimos com nosso trabalho superar os adversários”, comentou a ala Iziane.



Outros destaques da equipe nacional foram a pivô Kelly Santos (19 pontos, quatro rebotes, uma assistência e duas recuperações de bola); a pivô Nádia Colhado com um Duplo-Duplo de 13 pontos e 12 rebotes, além de uma recuperação de bola; a pivô Karina Jacob (dez pontos, sete rebotes, três assistências e uma recuperação de bola); a ala Palmira Marçal (dez pontos, dois rebotes, três assistências e três recuperações de bola); e a ala Tatiane Nascimento (dez pontos, um rebote, duas assistências e uma recuperação de bola).



“Essa competição foi muito importante para a nossa preparação para os Jogos Olímpicos. O time está de parabéns por mais uma campanha vitoriosa. Desde o primeiro jogo a equipe mostrou concentração e muito foco em busca do único objetivo que era o título. Agora vamos voltar para o Brasil e a partir da próxima semana iniciar os treinos para a Olimpíada”, disse a pivô Nádia Colhado.



Aos 71 anos, o técnico Antonio Carlos Barbosa sagrou-se campeão sul-americano adulto pela nona vez invicto em dez competições disputadas, e soma 57 vitórias em 58 partidas.



“Fizemos um primeiro tempo perfeito e abrimos 30 pontos (55 a 25). As jogadoras se empenharam bastante, fomos muito felizes ofensivamente, jogamos um basquete de precisão, aproveitamos os contra-ataques, soubemos variar as jogadas no ataque. Mas é muito difícil você manter o mesmo ritmo e intensidade os 40 minutos. No segundo tempo permitimos que a Venezuela crescesse no jogo e méritos para elas por essa evolução. Mas já era uma situação consolidada e novamente as 12 jogadoras tiveram a oportunidade de atuar. O mais importante foi ser campeão e esse meu nono título sul-americano é muito gratificante. É uma nova emoção, é sempre honroso para mim fazer parte da seleção brasileira e ser reconhecido”, analisou Barbosa. 



O Campeonato Sul-Americano da Venezuela classificou os quatro primeiros colocados (Brasil, Venezuela, Colômbia e Argentina) para a Copa América / Pré-Mundial de 2017, que irá garantir três países no Campeonato Mundial da FIBA de 2018.



A Seleção Brasileira Adulta Feminina tem o apoio do Governo Federal por meio do convênio com o Ministério do Esporte.



Os 26 Títulos do Brasil



1954 – 1958 – 1965 – 1967 – 1968 – 1970 – 1972 – 1974 – 1978 – 1981 – 1986 – 1989 – 1991 – 1993 – 1995 – 1997 – 1999 – 2001 – 2003 – 2005 – 2006 – 2008 – 2010 – 2013 – 2014 - 2016
OBS: O Brasil não participou da edição de 1948.



BRASIL (28 + 27 + 20 + 19 = 94) 
Joice Rodrigues (11assist, 3reb e 1recup de bola), Palmira Marçal (10pts, 2reb, 3assist e 3recup de bola), Iziane Marques (20pts, 2reb, 4assist e 1recup de bola), Karina Jacob (10pts, 7reb, 3assist e 1recup de bola) e Nádia Colhado (13pts, 12reb e 1recup de bola). Entraram: Kelly Santos Muller (19pts, 4reb, 1assist e 2recup de bola), Gilmara Justino (4pts e 2reb), Jaqueline Silvestre (2pts e 3assist), Tatiane Nascimento (10pts, 1reb, 2assist e 1recup de bola), Tainá Paixão (3pts, 2reb e 2assist), Patrícia Ribeiro (0) e Êga Garvão (3pts, 1reb e 2assist). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

São José vence na estreia do Paulista Feminino ao superar o Divino

Notícias

 
O São José Basketball abriu a sua participação no Campeonato Paulista Feminino – 2016 com vitória sobre o Divino/Jundiaí, ocorrida na noite desta sexta-feira (25 de maio), por 66 a 63 (25 a 30 no primeiro tempo), em partida disputada no ginásio Municipal Cidade Jardim, na cidade de São José dos Campos (SP).
O duelo foi marcado pelo equilíbrio, com os dois times lutando pelo resultado positivo e se alternando várias vezes no comando do marcador. Com esse panorama, o representante de Jundiaí esteve melhor nos dois quartos iniciais – 12 a 13 (primeiro quarto) e 13 a 17 (segundo quarto).
No segundo tempo, no entanto, o time da casa cresceu de produção e fez valer o seu mando de quadra, conseguindo a virada para vencer na estreia – 26 a 17 (terceiro quarto) e 15 a 16 (quarto final).
Os principais nomes da partida foram Maíra Andrade (16 pontos e 07 rebotes) e Maria Fernanda Nascimento (14 pontos, 11 rebotes, 01 assistência e 01 bola recuperada – double-double), pelo time do Vale do Paraíba; Susan Cortes (15 pontos, 04 rebotes e 01 bola recuperada) e Gabriela de Paula (14 pontos, 07 rebotes, 02 assistências, 01 bola recuperada e 01 bloqueio), em favor da equipe do Interior. A estatística completa da partida pode ser conferida neste link: http://www.fibalivestats.com/u/CPB/292396/#ASFSK
“Foi uma boa estreia, em um jogo de muitos erros, mas conseguimos levar a partida equilibrada, apesar do pouco tempo de treinamento”, comenta o técnico Carlos Lima, do São José Basketball.
O Campeonato Paulista Feminino – 2016 tem sequencia no dia 02 de junho (quinta-feira), ás 20h00 (de Brasília), no ginásio da UNIESP, em Presidente Venceslau (SP), com a partida entre Top Therm/Unimed/Grupo Leonardo/Sicredi /Presidente Venceslau e ADC São Bernardo.
 
Fonte: FPB - Assessoria

Brasil 73 x 57 Argentina


A Seleção Brasileira Adulta Feminina está na final do 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que está sendo disputado no Domo Bolivariano, na cidade de Barquisimeto. Nesta quarta-feira (dia 25), pela fase semifinal, o Brasil venceu a Argentina por 73 a 57 (34 a 25 no primeiro tempo), com 19 pontos, duas assistências e três recuperações de bola da cestinha Iziane Marques. A principal pontuadora argentina foi a pivô Gisela Vega, com 14 pontos, seis rebotes e duas assistências. O adversário das brasileiras na final desta quinta-feira (26), às 20h de Brasília, será a Venezuela que derrotou a Colômbia por 67 a 59.

“O time começou bem defensivamente, mas o ataque não conseguiu fluir. A partir do segundo quarto conseguimos ajustar a parte ofensiva e abrimos uma vantagem para fechar o primeiro tempo em 34 a 25. Voltamos para a etapa final um pouco dispersas. No terceiro período as argentinas melhoraram a defesa e nós não conseguimos levar vantagem. Foi aí que elas igualaram o placar. Nos últimos dez minutos encaixamos o nosso jogo, passamos a dominar a partida e abrimos no marcador até fechar em 73 a 57. A vitória foi importante para mostrar a nossa superioridade e recobrar a confiança do Brasil. É o momento de nós acreditarmos mais no nosso valor e construir isso em direção aos Jogos Olímpicos. Agora é focar na final e buscar o título”, analisou Iziane.

Outros destaques da equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa foram Palmira Marçal (18 pontos, cinco rebotes, uma assistência e duas recuperações de bola), Nádia Colhado com um Duplo-Duplo de 13 pontos e 12 rebotes, e Karina Jacob (sete pontos, 11 rebotes, quatro assistênciase uma recuperação de bola).

“Mais uma final de Sul-Americano e continuo invicto contra a Argentina. Sabíamos que seria um jogo nervoso, tenso, já que elas vinham para o tudo ou nada. Infelizmente por mais que a gente motive e prepare, a jogadora ainda vem com aquele trauma da última derrota. E um trauma que ainda deixa elas assustadas. E por conta disso não começamos o jogo bem, errando bolas fáceis, lance-livre. A Argentina foi gostando do jogo, pegou moral e tirou duas vezes a diferença de nove pontos. Empatou em 51 a 51. Mas no último quarto nós melhoramos na defesa, alternamos zona e individual. Vencemos o período por 22 a 6 e o jogo por 16 pontos de diferença. Mas ainda temos muito o que trabalhar”, analisou Barbosa.

Brasil x Venezuela

Brasil e Venezuela fazem uma final inédita no Campeonato Sul-Americano e é a primeira vez que as venezuelanas decidem o título. As duas seleções se enfrentaram 15 vezes na história da competição e as brasileiras nunca foram derrotadas. O primeiro confronto foi disputado no Sul-Americano do Equador, em 1970, e o Brasil ganhou 108 a 46, enquanto o último foi também no Sul-Americano do Equador, em 2014, e a equipe nacional venceu por 84 a 65. 

O Campeonato Sul-Americano da Venezuela classificou os quatro primeiros colocados (Brasil, Venezuela, Argentina e Colômbia) para a Copa América / Pré-Mundial de 2017, que irá garantir três países no Campeonato Mundial da FIBA de 2018.

A Seleção Brasileira Adulta Feminina tem o apoio do Governo Federal por meio do convênio com o Ministério do Esporte.

BRASIL (18 + 16 + 17 + 22 = 73) 

Joice Rodrigues (6pts, 1reb, 7assist e 1recup de bola), Palmira Marçal (18pts, 5reb, 1assist e 2recup de bola), Iziane Marques (19pts, 2assist e 3recup de bola), Karina Jacob (7pts, 11reb, 4assist e 1recup de bola) e Nádia Colhado (13pts e 12reb). Entraram: Kelly Santos Muller (4pts, 2reb e 1assist), Tainá Paixão (3pts, 1reb, 3assist e 2recup de bola), Gilmara Justino (0), Êga Garvão (2reb e 1assist), Jaqueline Silvestre (2reb) e Tatiane Nascimento (3pts, 1reb e 1assist). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Com Luana, Bia e Mônica, São José estréia hoje no Paulista Adulto

O São José Basketball faz a sua estreia no Campeonato Paulista Feminino – 2016, nesta quarta-feira (25 de maio), às 19h00 (de Brasília), enfrentando o Divino/Jundiaí, no ginásio Municipal Cidade Jardim, na cidade de São José dos Campos (SP).

O time joseense, comandado pelo técnico Carlos Lima, terá um elenco de base jovem, com várias atletas formadas em sua base, contando com o retorno de algumas jogadoras que estavam atuando em outras equipes. Os destaques são estes: a ala Luana de Souza (ex-Maranhão Basquete), a ala/pivô Vitória Marcelino (ex-Barretos), a ala Kiara Soares (ex-XV de Piracicaba) e a ala Estela Soares.

“É uma equipe bem caseira, que conta com atletas da cidade, reforçada com três jogadoras de fora: Luana, Bia e Mônica. A nossa intenção é a participação no estadual e para esta estreia, esperamos jogar dentro do conseguimos trabalhar durante as três semanas de preparação”, comenta Lima.

Já a equipe jundiaiense, dirigida pelo técnico Luis Claudio Tarallo, busca o segundo resultado positivo, visto que superou o Top Therm/Unimed/Grupo Leonardi/Sicredi/Presidente Venceslau em sua estreia, jogando ao lado de sua torcida (72 a 59). 

“Nos preparamos para ganhar, fazendo o nosso melhor dentro da quadra e, se Deus permitir, voltar com a vitória. Já joguei contra o São José alguns anos atrás, mas nessa temporada ainda não enfrentei este adversário”, comenta a pivô Gabriela Guimarães, do Divino/Jundiaí.

“Estamos focados na busca de um resultado positivo, mas cientes da força da equipe de São José dos Campos, principalmente jogando na sua casa”, finaliza Tarallo.

Fonte: FPB

Brasil e Argentina se enfrentam nas semifinais do Sul Americano


As seleções do Brasil (1º A) e da Argentina (2º B) se enfrentam, nesta quarta-feira (dia 25), às 17h45 de Brasília, pela fase semifinal do 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que está sendo disputado no Domo Bolivariano, na cidade de Barquisimeto. A outra semifinal, às 20h, colocará frente a frente Venezuela (1º B) e Colômbia (2º A). Os ganhadores decidem o título na quinta-feira (26), às 20h, enquanto os perdedores disputam o terceiro lugar, às 17h45.

A equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa terminou na liderança invicta do grupo “A”, com oito pontos (quatro vitórias), enquanto a Argentina foi a segunda colocada na chave “B”, com cinco (duas vitórias e uma derrota para a Venezuela por 71 a 67). Brasileiras e argentinas se enfrentaram 38 vezes na história da competição, com 36 vitórias do Brasil e apenas duas da Argentina. Na final do Sul-Americano do Equador, em 2014, vitória brazuca por 59 a 47, resultado que garantiu o 25º título continental e o 15º seguido invicto.

Brasil 128 x 35 Paraguai



A Seleção Brasileira encerrou sua participação na fase de classificação, nesta terça-feira (24), com uma vitória centenária sobre o Paraguai por 128 a 35 (71 a 23 no primeiro tempo), com 19 pontos, um rebote, duas assistências e duas recuperações de bola da cestinha Patrícia Ribeiro. O Brasil teve também como destaque Palmira Marçal (17 pontos, quatro rebotes, sete assistências e cinco recuperações de bola), Nádia Colhado (17 pontos, nove rebotes e duas assistências) e Kelly Santos Muller, que marcou um Duplo-Duplo de 17 pontos e 11 rebotes, além de duas assistências e três recuperações de bola.


“Sempre que você ganhar por um placar elevado e uma boa diferença de pontos tem dois aspectos: capitalizar para a fragilidade do adversário ou virtudes da sua equipe. Mas fizemos uma boa partida, com um bom aproveitamento de arremessos e sem precisar fazer marcação pressão. Nós marcamos bem, fluiu bem os contra-ataques, tivemos um bom aproveitamento de três pontos. Claro que existe uma diferença técnica muito grande, de estatura e força física. Mas as vezes tem uma diferença dessa e não se consegue traduzir em pontos. E nós conseguimos”, destacou Barbosa.

“Agora na semifinal começa uma outra competição. Vamos enfrentar a Argentina que vem numa situação desconfortável após a derrota inédita para a Venezuela. Eu já tinha alertado sobre o crescimento da Venezuela que vinha de excursão na Ásia e na Espanha. Então vamos ter mais um jogo difícil e cercado de rivalidade, já que a Argentina vem com o moral alto pelas duas vitórias contra nós no ano passado. Eu acredito que se jogarmos bem temos tudo para ganhar mesmo com pouco tempo de treinamento, mas com méritos para as jogadoras que assimilaram a nossa proposta de jogo”, completou o treinador. 

O Campeonato Sul-Americano da Venezuela classificou os quatro primeiros colocados (Brasil, Venezuela, Argentina e Colômbia) para a Copa América / Pré-Mundial de 2017, que irá garantir três países no Campeonato Mundial da FIBA de 2018.

A Seleção Brasileira Adulta Feminina tem o apoio do Governo Federal por meio do convênio com o Ministério do Esporte.

BRASIL (39 + 32 + 28 + 29 = 128) 

Joice Rodrigues (2pts, 6reb, 15assist e 2recup de bola), Palmira Marçal (17pts, 4reb, 7assist e 5recup de bola), Iziane Marques (15pts, 2reb e 3assist), Karina Jacob (7pts, 10reb e 3assist) e Nádia Colhado (17pts, 9reb e 2assist). Entraram: Tatiane Nascimento (11pts, 5reb, 1assist e 3recup de bola), Kelly Santos Muller (17pts, 11reb, 2assist e 3recup de bola), Gilmara Justino (15pts, 4reb, 5assist e 1recup de bola), Jaqueline Silvestre (8pts, 1reb, 1assist e 1recup de bola), Êga Garvão (2reb, 2assist e 1recup de bola) e Patrícia Ribeiro (19pts, 1reb, 2assist e 2recup de bola). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

domingo, 22 de maio de 2016

Brasil 76 x 55 Colômbia






A Seleção Brasileira Adulta Feminina está classificada para a fase semifinal do 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que está sendo disputado no Domo Bolivariano, na cidade de Barquisimeto. Com 22 pontos, cinco rebotes, uma assistência e uma recuperação de bola da cestinha Iziane Marques, o Brasil ganhou da Colômbia por 76 a 55 (35 a 22 no primeiro tempo) e garantiu o primeiro lugar do grupo “A”. A principal pontuadora colombiana foi a pivô Narlyn Mosquera com 12 pontos.

“Eu acho que foi uma partida muito boa. Sabíamos que seria um confronto mais difícil, um jogo mais duro. È uma equipe que joga organizada com um sistema tático e faz um bom trabalho com as pivôs. Soubemos construir o placar quarto a quarto porque não dava para abrir vantagem de uma só vez. Tivemos algumas fragilidades durante a partida porque enfrentamos um adversário mais forte, mas conseguimos nos acertar e construir a vantagem final de 21 pontos. Mas o mais importante foi a vitória e seguimos no nosso objetivo que é o título”, comentou Iziane.

O Brasil encerra sua participação na primeira fase do Sul-Americano na próxima terça-feira (24), às 20h de Brasília, contra o Paraguai. As duas seleções se enfrentaram 20 vezes na história da competição, com 18 vitórias brasileiras e duas paraguaias.

Outros destaques da equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa na vitória sobre a Colômbia foram as pivôs Nádia Colhado, com um Duplo-Duplo de 15 pontos e 11 rebotes, além de uma assistência; e Kelly Santos Muller, com 14 pontos, oito rebotes e uma assistência. 

“Como era esperado desde o início, foi o jogo mais complicado da primeira fase. É uma seleção com quatro laterais boas que arremessam bem, é forte ofensivamente o que dificulta o jogo interno, fizeram uma marcação muito dura e até exageraram nas faltas. Isso nos dificultou, mas não é desculpa. Não fizemos uma grande partida, mas mesmo assim conseguimos fazer um bom jogo porque soubemos aproveitar os bons momentos que nos deram a vantagem no placar e asseguraram a vitória. O ponto positivo foi a defesa que mesmo contra um adversário mais forte se mostrou ainda mais eficiente. Foi um excelente teste e mostrou o crescimento da nossa equipe”, avaliou Barbosa.

A quarta rodada será disputada, nesta segunda-feira (23), com quatro jogos: Uruguai x Chile (12h30), Equador x Peru (14h45), Paraguai x Colômbia (17h45) e Venezuela x Argentina (20h)

Joice Rodrigues (5pts, 3reb e 2assist), Palmira Marçal (3pts, 6reb e 2assist), Iziane Marques (22pts, 5reb, 1assist e 1recup de bola), Karina Jacob (4pts, 3reb e 1recup de bola) e Nádia Colhado (15pts, 11reb e 1assist). Entraram: Êga Garvão (2reb e 2assist), Kelly Santos Muller (14pts, 8reb e 1assist), Tainá Paixão (5pts, 2reb e 2recup de bola), Tatiane Nascimento (3pts, 2assist e 2recup de bola), Gilmara Justino (5pts, 5reb e 3assist), Jaqueline Silvestre (1reb) e Patrícia Ribeiro (1assist). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

Brasil 104 x 54 Chile





Barquisimeto, Venezuela – A Seleção Brasileira Adulta Feminina conquistou sua segunda vitória centenária no grupo “A” do 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que está sendo disputado no Domo Bolivariano, na cidade de Barquisimeto. Neste sábado (dia 21), o Brasil ganhou do Chile por uma diferença de 50 pontos: 104 a 54 (48 a 25 no primeiro tempo). A cestinha do jogo foi a chilena Bárbara Cousiño, com 19 pontos, quatro rebotes e duas assistências, enquanto a principal pontuadora brasileira foi a ala Iziane Marques, com 16 pontos, três rebotes, quatro assistências e três recuperações de bola.

“Eu acho que foi uma boa partida e mostramos evolução em relação ao jogo contra o Uruguai. Melhoramos no setor defensivo e estamos subindo de degrau em degrau na competição. Contra a Colômbia vai ser o jogo mais difícil e já começamos a nossa preparação contra o Chile se preocupando com a nossa forma de atuar e fazer as jogadas. O importante é que vamos melhorar a cada dia”, disse Iziane.

Outros destaques da equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa foram Kelly Santos Muller (14 pontos, sete rebotes, duas assistências e uma recuperação de bola), Nádia Colhado (14 pontos, nove rebotes, uma assistência e duas recuperações de bola), Tainá Paixão (13 pontos, quatro rebotes, quatro assistências e duas recuperações de bola) e Patrícia Ribeiro (dez pontos, três assistências e uma recuperação de bola).

“Nós mantivemos o mesmo padrão do jogo de estreia. A equipe do Chile tem um nível melhor do que a do Uruguai, mas nem por isso nós deixamos de impor o nosso ritmo e a filosofia de jogo que temos treinado. Me agradou novamente a equipe, taticamente bem ajustada, com constância no volume de jogo, utilizai novamente as 12 jogadoras numa rotação que não deixa o time cair muito de rendimento. Acho que o caminho é esse”, avaliou Barbosa. 

O Brasil volta à quadra, neste domingo (22), às 14h45 de Brasília, para jogar contra a Colômbia. As duas seleções se enfrentaram 21 vezes na história da competição, com 20 vitórias brasileiras e apenas uma das colombianas. A terceira rodada terá ainda Chile x Paraguai (12h30), Argentina x Peru (17h45) e Equador x Venezuela (20h).

BRASIL (26 + 22 + 29 + 27 = 104) 

Joice Rodrigues (6pts, 4reb, 7assist e 1recup de bola), Palmira Marçal (10pts, 5assist e 1recup de bola), Iziane Marques (16pts, 3reb, 4assist e 3recup de bola), Karina Jacob (1pt, 5reb e 3recup de bola) e Nádia Colhado (14pts, 9reb, 1assist e 2recup de bola). Entraram: Jaqueline Silvestre (6pts, 2reb, 1assist e 1recup de bola), Tatiane Nascimento (4pts, 2reb, 2assist e 2recup de bola), Tainá Paixão (13pts, 4reb, 4assist e 2recup de bola), Patrícia Ribeiro (10pts, 3assist e 1recup de bola), Êga Garvão (4pts, 4reb e 5assist), Kelly Santos (14pts, 7reb, 2assist e 1recup de bola) e Gilmara Justino (6pts e 4reb). Técnico: Antonio Carlos Barbosa. 

Brasil 112 x 45 Uruguai







A Seleção Brasileira Adulta Feminina estreou com vitória no 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que está sendo disputado no Domo Bolivariano, na cidade de Barquisimeto. Com 21 pontos, nove rebotes, seis assistências e duas recuperações de bola da cestinha Nádia Colhado, o Brasil venceu o Uruguai por 115 a 42 (57 a 20 no primeiro tempo). Na preliminar, também pelo grupo “A”, a Colômbia derrotou o Chile por 79 a 38.

“De um modo geral começamos bem a competição. A equipe começou a partida um pouco ansiosa, mas aos poucos foi se soltando e as jogadas foram acontecendo naturalmente. Abrimos uma boa vantagem já no primeiro quarto (30 a 6) e depois administramos o placar, mas sem perder a concentração. Para amanhã contra o Chile vamos tentar fazer uma defesa mais eficiente e melhorar o coletivo. As chilenas não fizeram uma boa apresentação na estreia, mas é uma seleção com boas jogadoras e merece nosso respeito”, disse Nádia. 

Outros destaques da equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa foram Patrícia Ribeiro (19 pontos, uma assistência e três recuperações de bola), Iziane Marques (15 pontos, dois rebotes, uma assistência e duas recuperações de bola), Tainá Paixão (14 pontos, três rebotes, duas assistências e três recuperações debola) e Jaqueline Silvestre (13 pontos, dois rebotes, duas assistências e uma recuperação de bola). 

“A nossa estreia foi dentro daquilo que podíamos esperar e buscar. Jogamos com seriedade, buscando melhorar as nossas movimentações ofensivas, muita atenção e agressividade na defesa já pensando nos jogos mais difíceis como contra a Colômbia. Posso garantir que me agradou a postura da equipe. Tivemos um bom aproveitamento nos arremessos, 63% nos dois pontos, 93% nos lances-livres e razoável nos três pontos com 38%. É claro que temos que entender a nossa vantagem no jogo interior em relação a baixa estatura das uruguaias. É importante destacar que as 12 jogadoras tiveram quase que o mesmo tempo de quadra. Isso mostra que não estamos com um grupo de 5 ou 6, e sim de 12. A tendência é ajustar e melhorar a cada jogo”, analisou Barbosa.

Joice Rodrigues (3pts, 5reb2assist e 4recup de bola), Palmira Marçal (2pts, 4reb e 2assist), Iziane Marques (15pts, 2reb, 1assist e 2recup de bola), Karina Jacob (6pts, 1reb, 1assist e 1recup de bola) e Nádia Colhado (21pts, 9reb, 6assist e 2recup de bola). Entraram: Jaqueline Silvestre (13pts, 2reb, 2assist e 1recup de bola), Tatiane Nascimento (5pts, 6reb, 3assist e 1recup de bola), Tainá Paixão (14pts, 3reb, 2assist e 3recup de bola), Patrícia Ribeiro (19pts, 1assist e 3recup de bola), Êga Garvão (6pts, 3reb e 2assist), Kelly Santos (9pts, 8reb e 1assist) e Gilmara Justino (2pts, 2reb e 1assist). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Brasil estreia hoje contra Ururguai no Sul Americano



A Seleção Brasileira Adulta Feminina estreia, nesta sexta-feira (dia 20), às 18h45 de Brasília, no 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que será disputado na cidade de Barquisimeto. O primeiro adversário da equipe nacional é o Uruguai. O Brasil, que está no grupo “A”, terá ainda como adversários na primeira fase Chile (sábado, 21), Colômbia (domingo, 22) e Paraguai (terça, 24). Na chave “B” estão Argentina, Equador, Peru e Venezuela.

O técnico Antonio Carlos Barbosa comanda a Seleção Brasileira pela décima vez no Campeonato Sul-Americano. Barbosa acumula oito títulos invictos e uma medalha de prata, com 51 vitórias e apenas uma derrota. O experiente treinador analisa o grupo do Brasil na Venezuela.

“O Uruguai voltou a disputar competições internacionais nas categorias de base, mas não possui uma competição forte em seu país. É a equipe mais jovem e inexperiente da competição. O Chile teve bons momentos, é uma equipe jovem, vive em constante renovação e investe em técnicos estrangeiros. A Colômbia não participou das últimas competições, mas é um país que tem ótimas jogadoras e um biótipo privilegiado. Talvez se tivesse uma frequência maior nos campeonatos estaria entre as favoritas para a Copa América 2017. O Paraguai está sem sua grande estrela, conta com um time de meninas jovens com a característica de arremessos de três e muita precisão. Jogam um basquete muito rápido, com infiltrações e buscando sempre as bolas de fora”, avaliou Barbosa. “Dessa forma não vejo grandes dificuldades para o Brasil na primeira fase. Efetivamente o campeonato começa na semifinal, já que duas forças caíram no outro grupo, Argentina e Venezuela”, concluiu.

A ala-armadora Palmira Marçal voltou à Seleção Brasileira na temporada 2016 e tem na bagagem dois títulos continentais: no Paraguai, em 2006, e no Chile, em 2010. A paranaense da cidade de Reserva tem uma motivação a mais na partida de estreia no Sul-Americano, já que completa 32 anos.

“A expectativa é a melhor possível e estrear no dia do aniversário é muito legal. Quero muito a vitória porque vai ser o meu presente. Estamos preparadas para começar o Sul-Americano contra um adversário que não tem muita tradição, mas temos que ter consciência que todas as seleções evoluíram. Não vai ter jogo fácil e precisamos ter atenção e tranquilidade. Os três amistosos contra Cuba foram importantes para dar ritmo de jogo, melhorar o entrosamento e acertar alguns detalhes. Agora é começar com o pé direito”, disse Palmira.

Brasil e Uruguai se enfrentaram cinco vezes na história da competição, com cinco vitórias brasileiras. O primeiro confronto foi no Sul-Americano do Paraguai, em 1962, e a equipe verde-amarela ganhou por 81 a 21. O último jogo entre as duas seleções aconteceu no Sul-Americano do Equador, em 2014, e o Brasil ganhou por 95 a 30.

O Campeonato Sul-Americano da Venezuela irá classificar os quatro primeiros colocados para a Copa América / Pré-Mundial de 2017, que irá garantir três países no Campeonato Mundial da FIBA de 2018.

A Seleção Brasileira Adulta Feminina tem o apoio do Governo Federal por meio do convênio com o Ministério do Esporte.

Os 25 Títulos do Brasil
1954 – 1958 – 1965 – 1967 – 1968 – 1970 – 1972 – 1974 – 1978 – 1981 – 1986 – 1989 – 1991 – 1993 – 1995 – 1997 – 1999 – 2001 – 2003 – 2005 – 2006 – 2008 – 2010 – 2013 – 2014
OBS: O Brasil não participou da edição de 1948.

Forma de Disputa do Sul-Americano

As nove seleções foram divididas em dois grupos e na primeira fase jogam entre si nas suas respectivas chaves. As duas primeiras colocadas de cada grupo se classificam para a fase semifinal, nos seguintes cruzamentos: 1º A x 2º B e 1º B x 2º A. Os ganhadores disputam o título, enquanto os perdedores decidem o terceiro lugar.

35º Campeonato Sul-Americano Feminino
Data: 20 a 26 de maio
Local: Barquisimeto / Venezuela

Grupos:
“A”: Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai e Uruguai
“B”: Argentina, Equador, Peru e Venezuela

1ª rodada – Dia 20 de maio
Chile x Colômbia (16h30) e Uruguai x Brasil (18h45)

2ª rodada – Dia 21 de maio
Paraguai x Uruguai (13h30), Argentina x Equador (15h45), Brasil x Chile (18h45) e Peru x Venezuela (21h)

3ª rodada – Dia 22 de maio
Chile x Paraguai (13h30), Colômbia x Brasil (15h45), Argentina x Peru (15845) e Equador x Venezuela (21h)

4ª rodada – Dia 23 de maio
Uruguai x Chile (13h30), Equador x Peru (15h45), Paraguai x Colômbia (18h45) e Venezuela x Argentina (21h)

5ª rodada – Dia 24 de maio
Colômbia x Uruguai (18h45) e Brasil x Paraguai (21h)

Dia 25 de maio
Disputa de 5º e 6º lugares: 3º A x 3º B (16h30)
Fase Semifinal
1º A x 2º B (18h45) e 1º B x 2º A (21h)

Rodada Final – Dia 26 de maio
18h45 – Disputa de 3º e 4º lugares – Perdedores da Semifinal
21h00 – Disputa de 1º e 2º lugares – Vencedores da Semifinal
OBS: Horário de Brasília.

SELEÇÃO BRASILEIRA ADULTA FEMININA
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – UF


4. Patrícia Teixeira Ribeiro – Ala – 25 anos – 1,76m – Maranhão Basquete (MA) – SP
5. Tainá Mayara da Paixão – Armadora – 24 anos – 1,72m – Uninassau / América (PE) – SP
6. Joice Cristina de Souza Rodrigues – Armadora – 29 anos – 1,76m – Corinthians / Americana (SP) – SP
7. Palmira Cristina Marçal – Ala –31 anos – 1,78m –Sampaio Basquete (MA) – SP
8. Iziane Castro Marques – Ala – 34 anos – 1,82m – Sampaio Basquete (MA) – MA
9. Jaqueline de Paula Silvestre – Ala – 30 anos – 1,79m – Basketball Santo André (SP) – SP
10. Tatiane Pacheco Nascimento – Ala – 25 anos – 1,81m – Uninassau / América (PE) – SP
11. Soeli Garvão Zakrzeski (Êga) – Pivô – 38 anos – 1,88m – Maranhão Basquete (MA) – PR
12. Karina da Silva Jacob – Pivô – 30 anos – 1,85m – Sampaio Basquete (MA) – RJ
13. Nádia Gomes Colhado – Pivô – 27 anos – 1,95m – Sampaio Basquete (MA) – SP
14. Gilmara Justino – Pivô – 35 anos – 1,83m – Corinthians / Americana (SP) – SP
15. Kelly Santos Muller – Pivô – 36 anos – 1,93m – Uninassau / América (PE) – SP
Média de Idade: 30,2 anos
Média de Altura: 1,81m

Comissão Técnica
Administrador: Bruno Gomes de Valentin
Coordenadora de Seleções: Adriana dos Santos Lopez
Técnico: Antonio Carlos Barbosa
Assistentes técnicos: Cristiano Cedra e Júlio César Patrício
Preparador Físico: Clóvis Roberto Rossi Haddad 'Vita'
Fisiologista: Rafael Júlio de Freitas Guina Fachina
Médico: Dr. Jorge Luiz Fernandes Oliva Junior
Fisioterapeutas: Milena Perroni, Paula Hensel e Tatiana dos Santos Cardoso
Nutricionista: Mirtes Stancanelli
Massagista: Joyce Aparecida Tozetto

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Foz é campeão Sulbrasileiro Sub-19 de Basquete Feminino

 
Parece notícia repetida, mas não é: a equipe de basquete feminino de Foz do Iguaçu se tornou Campeã Sul Brasileira Sub-19, repetindo o feito da equipe sub-15, que havia conquistado a mesma conquistado o mesmo título no mês passado. Mas com um detalhe especial:  o título foi conquistado em casa, diante da torcida que compareceu em bom número em todos os dias de jogos ao Ginásio do Flamengo Esporte Clube.
Para se tornar campeãs invictas, as meninas iguaçuenses derrotaram as todas as adversárias: Club Social Área 4 (que substituiu a equipe gaúcha de última hora), Cornélio Procórpio (outra representante do Paraná, que tem como base as atletas de Londrina) e a atual campeã catarinense sub-19 Sociedade Ginástico/Joinville. Na estreia um jogo tranquilo contra Área 4, que terminou em 83x28. Contra a equipe de Cornélio, no sábado, um jogo mais disputado mas que terminou com vantagem de 56x36 pra equipe da fronteira. E nesse domingo um jogo disputado até o intervalo e que a partir da segunda metade só deu Foz do Iguaçu: 65x38, pra alegria da torcida que vibrou muito do início ao fim da partida.
"- A equipe precisava desse título para provar a todos que temos condições de em breve ter uma equipe adulta competitiva formada por atletas reveladas em Foz. Essas meninas vem conquistando todos os títulos que disputa desde a categoria sub-14 dentro do Paraná, mas precisava de um título de relevância nacional." Comemora o técnico Claudio Lisboa.
A equipe ainda teve a atleta cestinha da competição: Monia Passareli com 57 pontos em 3 jogos (média de 19 por partida).
Participaram da conquista (na foto): Douglas Amancio (auxiliar), Maximiano Duarte (preparador físico), Claudio Lisboa (técnico), Mpnia Passareli, Camila Rodrigues, Tayen Miranda, Jéssica Sorensen, Milena Chefer, Milena Rocha, Jhuli Alves, Mariela Vargas, Vanessa Costa, Beatriz Benites, Chaiane Furmann e Pamela Silva.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

SUB-19 FEMININO
1. Coc/Smel/Foz do Iguaçu (PR)
2. UTFPR/Cornélio Procórpio (PR)
3. Sociedade Ginástico/Joinville (SC)
4. Club Social Área 4 (PY)
 

terça-feira, 17 de maio de 2016

Anne Sabatini convoca seleção sub-17 para o Mundial da categoria



A técnica da Seleção Brasileira Sub-17 Feminina, Anne Freitas Sabatini, convocou, nesta terça-feira (dia 17), as 14 jogadoras que iniciarão os treinos para o Campeonato Mundial da categoria, de 22 de junho a 2 de julho, em Zaragoza, na Espanha. A apresentação está marcada para o próximo dia 29, às 13h de Brasília, na Arena Olímpica de São Sebastião do Paraíso, no interior de Minas Gerais, local de treinamento até a data do embarque no dia 19 de junho.

O Brasil caiu no grupo “D” do Mundial e irá enfrentar na primeira fase as seleções de Mali (22), Portugal (24) e Espanha (25). A chave “A” é formada por Canadá, Japão, Letônia e Nigéria. Na “B” estão Austrália, China, França e México. O grupo “C” é composto por Coreia, Estados Unidos, Itália e República Tcheca.

"Nosso primeiro objetivo é conquistar a melhor posição possível na primeira fase. A Seleção Sub-17 do Brasil é formada um bom grupo e possui boas jogadoras em cada posição. Qualquer vitória será importante para conquistarmos nosso objetivo que é estar na reta final", analisou Anne.

Na segunda fase, no dia 27 de junho, a Seleção Brasileira terá como adversário uma das quatro seleções do grupo “C”: Coreia, Estados Unidos, Itália e República Tcheca. A partir dessa fase, somente os vencedores continuam na disputa por medalhas e pelo título.

Os grupos

“A”: Nigéria, Letônia, Japão e Canadá
“B”: Austrália, França, China e México
“C”: Estados Unidos, Itália, República Tcheca e Coreia
“D”: Espanha, Brasil, Mali e Portugal

Forma de Disputa

De acordo com o regulamento, na primeira fase, as equipes se enfrentam nos seus respectivos grupos. Todas as seleções se classificam para as oitavas de final, que terá eliminação simples. Nessa fase, as seleções de “A" jogam contra as de "B" e as de "C" com as de "D". Os vencedores disputam as quartas de final (1º a 8º lugares) e os perdedores de 9º a 16º lugares. Nesse formato todas seleções irão disputar sete jogos durante o Mundial.

SELEÇÃO BRASILEIRA SUB-17 FEMININA
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – UF


Brenda Barros da Silva – Pivô – 16 anos – 1,84m – Instituto Mangueira do Futuro (RJ) – RJ
Clarissa Fernandes Carneiro – Armadora – 16 anos – 1,78m – Presidente Venceslau (SP) – SP
Emanuely de Oliveira – Ala – 16 anos – 1,80m – Criciúma Basquete Clube (SC) – SC
Gabriela Sales Ferreira Alves – Ala – 16 anos – 1,80m – ADC Bradesco (SP) – SP
Geassamyne Germano – Ala-Pivô – 17 anos – 1,81m – Carolina Waves (EUA) – SP
Geovana Fonseca Lopes – Pivô – 17 anos – 1,89m – Presidente Venceslau (SP) – SP
Isadora Alves Cardoso Souza – Armadora – 15 anos – 1,70m – ADC Bradesco (SP) – SP
Izabel França Varejão de Angelo – Pivô – 16 anos – 1,90m – Carolina Waves (EUA) – ES
Izabela Nicoletti Leite – Ala-Armadora – 16 anos – 1,80m – Carolina Waves (EUA) – SP
Júlia Zandonai Schmauch – Ala – 16 anos – 1,80m – ADC Bradesco (SP) – SC
Licinara Rodrigues Bispo – Pivô – 16 anos – 1,84m – São José Desportivo (SP) – SP
Obalunanma Beatriz de Angelo Chukwmaeze Ugwu – Pivô – 17 anos – 1,83m – Carolina Waves (EUA) – SP
Raphaella Marciano da Silva – Pivô – 17 anos – 1,86m – Basketball Santo André (SP) – RJ
Sara Lúcia Carvalho de Souza Rodrigues – Ala-Pivô – 16 anos – 1,90m – Apage Bask Fig Guarulhos (SP) – SP
Média de idade: 16,2 anos
Média de altura: 1,82m

Comissão Técnica
Diretor: Vanderlei Mazzuchini
Coordenadora de Seleções: Adriana dos Santos Lopez
Administrador: Guilherme Lotufo
Técnica: Anne de Freitas Sabatini
Assistente Técnica: Vânia Paulette
Preparadora Física: Priscila Moreira de Souza
Médica: Dra. Lenita Machado Glass
Fisioterapeuta: Thayse de Melo Lins

Iziane será a capitã da seleção no Sul-Americano da Venezuela


A Seleção Brasileira Adulta Feminina já está de malas prontas para o 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, que começa na próxima sexta-feira (dia 20) e vai até o dia 26. O embarque da delegação nacional para Barquisimeto está marcado para esta quarta-feira (dia 18), às 7h40 de Brasília, no Aeroporto Internacional de Guarulhos (voo LATAM 8066). As brasileiras comandadas pelo técnico Antonio Carlos Barbosa vão em busca do 26º título continental e o 16º consecutivo invicto. Depois de quinze dias de preparação e três vitórias nos três confrontos contra Cuba, a Seleção Brasileira capitaneada pela ala Iziane Marques está pronta para a estreia na competição.

“A equipe evoluiu muito nesse tempo de preparação que tivemos. E isso é muito positivo, pois conseguimos assimilar o comando do técnico bem rapidamente, já colocando uma cara no grupo e desempenhando uma desenvoltura que não é típica em tão pouco tempo de preparação. As meninas, principalmente as mais novas, já conseguiram também entender essa filosofia do Barbosa que é bem diferente do que elas vêm acostumadas dos últimos anos. E todos esses fatores são muito importantes para a primeira fase visando o Campeonato Sul-Americano”, analisou a ala Iziane Castro Marques, de 34 anos e 1,82m.

Escolhida para ser a capitã da equipe nacional, Iziane é uma das atletas de maior confiança do técnico Antonio Carlos Barbosa.

“Assumo tranquilamente esse papel. Dentro de quadra preciso ser a voz do meu técnico e eu possuo um convívio muito tranquilo com ele. Eu e Barbosa nos damos muito bem e nos entendemos. É fácil transmitir alguma coisa quando você está na mesma sintonia. Acho até mesmo que é por isso que é uma situação muito tranquila para mim. Um líder dentro de quadra precisa conduzir a equipe. Eu acho que sou boa nisso no sentido de que estou ali dando meu melhor, que quero vencer e ser campeã sempre. Isso eu sempre transpareço. É dessa forma que tento liderar e trazer elas para esse sentimento”, disse a jogadora campeã e MVP (jogadora mais valiosa) da última edição da LBF com o time do Sampaio Corrêa (MA).

Iziane possui um vasto currículo em quase duas décadas nas quadras. Com a Seleção Feminina Adulta, a jogadora já esteve em edições dos Jogos Olímpicos (Grécia/2004), dos Jogos Pan-Americanos (México/2011), de três Campeonatos Mundiais (China/2002, Brasil/2006 e Republica Tcheca/2010), além de Copa América / Pré-Mundial (Brasil/2001), Torneio Pré-Olímpico das Américas (Canadá/2015) e Torneio Pré-Olímpico Mundial (Espanha/2008). Mas seguindo o sentido contrário da maioria das atletas, a jogadora titular absoluta da Seleção Brasileira e uma referência da sua geração nunca disputou uma edição do Campeonato Sul-Americano Adulto.

“Acredito que vai ser mais fácil do que as outras estreias que tive. Consegui fazer a ordem mais difícil que foi jogar competições de nível mais forte e deixar o Sul-Americano por último. Sabemos que as equipes sul-americanas possuem uma limitação diferente das que jogam Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. É uma competição mais tranquila para nós que há muito anos conseguimos nos manter na hegemonia. Para mim esses jogos servirão perfeitamente como uma etapa importante de preparação visando o nosso objetivo maior que são os Jogos Rio 2016, em agosto. Vencer também é treinamento e temos que construir uma equipe vencedora desde agora”, pontuou a jogadora.

Uma das principais missões de Iziane na Seleção Brasileira é ajudar o Brasil a recuperar o lugar no pódio, o que não acontece desde a conquista da medalha de bronze nos Jogos de Sydney 2000.

“Precisamos utilizar esses jogos que faremos durante o Campeonato Sul-Americano para encaixar ainda mais a equipe para darmos início a próxima fase de preparação para os Jogos Olímpicos, com a equipe em outro patamar. Tenho uma mentalidade muito positiva a algum tempo e acho que ela vem se concretizando com essas fases de treinamento, onde realmente podermos ver e tirar as nossas conclusões e análises. Acredito que o Brasil possui um grupo de jogadoras com potencial individual, mas que está se construindo também como um grupo que pode chegar muito além das expectativas. Essa fase já está demonstrando isso passo a passo”.

Desde o início da preparação, a ala vem anunciando que se aposentará das quadras após a disputa dos Jogos Olímpicos do Rio.

“Não quero que o basquete me deixe. Não quero chegar na quadra e não poder fazer mais aquilo que eu fazia tão bem. Quero sair por cima. É uma escolha minha. Quero sair enquanto ainda posso brilhar e ser a Iziane que sempre fui. Quero sair da melhor forma sendo campeã brasileira e medalhista olímpica”, finalizou Iziane.

Clarissa irá defender campeão da EuroCopa após temporada da WNBA


A temporada da WNBA ainda está no início, mas Clarissa dos Santos, pivô brasileira, já tem destino certo, após o termino da Liga Norte-Americana de Basquete. A jogadora fará parte do elenco do Tango Bourges Basket, time francês, e disputará a Liga Francesa e a Euro Liga, de outubro a maio. Antes disso, vive a expectativa de defender o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Um dos fortes times da Europa, o Tango Bourges é o atual campeão da Euro Copa. A equipe soma três títulos da Euro Liga, mas sua última conquista foi em 2001. Esta será a estreia da brasileira em uma equipe francesa. No início de 2016 Clarissa teve uma breve passagem pela liga turca, defendendo a equipe de Orduspor.

- Fiquei muito feliz com a oportunidade de jogar na França. Foi mais uma chance de crescimento que surgiu em meio a uma turbulência e prova, mais uma vez, que Deus sempre tem o melhor reservado para nós. A expectativa é a melhor possível. Vou aprender em uma nova escola de basquete, a europeia, que é diferente da sul-americana e da norte-americana. Tenho muita coisa para aprender e acho que poderei evoluir bastante, com o nível altíssimo de jogo praticado na Europa. Agora é só alegria. Ainda tenho um caminho longo para percorrer, até chegar lá e tenho que ficar focada nas coisas que estão acontecendo. Agora que estamos aqui, (no início da temporada na WNBA), vamos fazer um bom trabalho e depois pensar no futuro – comentou Clarissa dos Santos.

O site do Tango Bourges deu destaque para a contratação de Clarissa e a treinadora Valéria Garnier comentou: “Como todos os jogadores brasileiros, Clarissa é uma jogadora generosa, que vai nos trazer a sua agressividade e presença em todos os momentos”. Veja aqui a matéria.

Chicago Sky, de Clarissa, busca segunda vitória em casa na WNBA

O Chicago Sky, time da pívô Clarissa dos Santos, venceu seu jogo de estreia na Liga Norte-Americana de Basquete - WNBA, no último sábado (14/05), por 93 a 70 o Connecticut Sun e se prepara para enfrentar o Minessota Lynx, na tarde desta quarta-feira (18/05), às 13h30, no horário de Brasília. O confronto será na AllState Arena, casa do Chicago.

- Amanhã será o dia de continuar a subir essa escada, que nos levará a atingir nossa meta e chegar ao topo. Sabemos que temos que subir um degrau de cada vez, para chegar na final e pensar em título. O mais importante agora é o jogo de amanhã. Sabemos a importância desta partida, contra a atual campeã da WNBA. Não vai ser um jogo fácil, mas sabemos o que precisamos aplicar para continuar tendo sucesso. Vamos focar bastante na defesa, porque se fizermos bem feito, podemos conquistar um bom resultado – Comentou Clarissa.

Na primeira partida, a jogadora brasileira marcou sete pontos e conquistou cinco rebotes, em 20 minutos e 40 segundos jogados.

- O primeiro jogo foi muito importante e é sempre bom começar bem. Conseguimos impor nosso ritmo de jogo. Mesmo com o desfalque da Elena (Delle Done – MVP de 2015) e os erros de começo de temporada, conseguimos manter o foco e jogamos bem. A apresentação, de ônibus dentro da quadra, foi incrível e fazer parte do show é muito bom – completou Clarissa.

domingo, 15 de maio de 2016

Paula diz que seleção feminina de basquete atual é inexperiente

Link: aqui!

Barbosa define elenco para o Sul-Americano

Joice Rodrigues e Tainá Paixão (armadoras), Iziane Marques, Jaqueline Silvestre, Palmira Marçal, Patrícia Ribeiro e Tatiane Nascimento (alas), Êga Garvão, Gilmara Justino, Karina Jacob, Kelly Santos e Nádia Colhado (pivôs). Essa é a Seleção Brasileira definida pelo técnico Antonio Carlos Barbosa para a disputa do 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, de 20 a 26 deste mês. O Brasil vai em busca do 26º título continental e o 16º consecutivo invicto. 

“Conseguimos formar um grupo com jogadoras mais experientes, que acabaram dando estrutura para que as mais jovens tenham uma condição de jogo mais equilibrada até se personalizarem mais. Por isso, essa equipe que vai disputar o Sul-Americano tem condições de manter a hegemonia brasileira, embora seja uma grande responsabilidade porque não se admite o Brasil perder a competição. Mas não é um campeonato fácil e vamos ter que jogar bem. Basta lembrar que a Argentina venceu o Brasil duas vezes no ano passado e vai disputar o Pré-Olímpico Mundial no mês que vem”, avaliou Barbosa.

O treinador brasileiro também analisou a equipe nacional que ganhou os três confrontos contra Cuba, que está classificada para o Torneio Pré-Olímpico Mundial.

“Pelo pouco tempo de trabalho e de treinamento, a equipe ainda está buscando seu equilíbrio, constância de jogadas e intensidade, o que é perfeitamente normal. Mas estou satisfeito com a evolução que elas mostraram nesses dias. Com exceção do primeiro tempo do jogo deste sábado, que não fomos bem, conseguimos apresentar um bom rendimento na etapa final e também nas outras duas partidas, a primeira em Recife e a terceira hoje (domingo), aqui em Campinas. De um modo geral essas partidas me deixaram satisfeitos com a performance da equipe”, concluiu Barbosa.

São Bernardo Santo André estreiam com vitórias sobre Franca no Paulista


A ADC São Bernardo abriu participação no Campeonato Paulista Feminino – 2016 com uma vitória sobre o ‘caçula’ Franca BC/FEAC, ocorrida neste sábado (14 de maio), por 76 a 39 (41 a 20 no primeiro tempo), em partida realizada no CREC Ubaldo Lago (Baetinha), na cidade de São Bernardo do Campo (SP).

O primeiro tempo foi totalmente dominado pelo time da casa, que começou em vantagem e logo abriu uma boa diferença no quarto inicial (25 a 12), mas no período seguinte o ritmo caiu um pouco, porém, a equipe da casa ainda assim esteve na frente (16 a 08). Já no segundo tempo, o panorama seguiu o mesmo e a agremiação comandada pelo técnico Márcio Beliccieri fez a vantagem crescer para estrear favoravelmente no estadual – 16 a 08 (terceiro) e 19 a 11 (quarto).

Os destaques da partida foram Julia Carvalho (21 pontos, 07 rebotes, 02 assistências, 01 bola recuperada e 01 bloqueio) e Lais Tobias (16 pontos, 03 rebotes, 06 assistências e 04 bolas recuperadas), pela equipe da casa; Lidiane de Assis (18 pontos, 12 rebotes, 01 assistência e 01 bola recuperada – double-double), Patrícia Paulo (07 pontos, 01 rebote, 01 assistência e 01 bola recuperada) e Flavia Andrade (07 pontos, 06 rebotes e 01 bolas recuperadas), em favor do visitante. Estatística completa da partida: http://www.fibalivestats.com/u/CPB/292393/#ASFSK.

“Foi uma estreia acima da expectativa, pois iniciamos bem a partida, em ritmo forte, apesar do pouco tempo de preparação e de não realizarmos amistosos. Em função da base que mantivemos da última temporada, aliado a incorporação da Júlia, que é uma atleta muito interessante, creio que foi possível conseguir este rendimento favorável logo neste primeiro jogo”, analisa Bellicieri.

“Nosso jogo foi bom, apesar das falhas e da falta de entrosamento ainda, conseguimos trabalhar a bola e achar as melhores opções. Nossa bola caiu e isso nos ajudou bastante, mas temos que trabalhar duro ainda, pois está no inicio do campeonato”, complementa a armadora Cacá Martins, da ADC São Bernardo.


O Basketball Santo André/APABA estreou no Campeonato Paulista Feminino – 2016 com uma vitória sobre o ‘caçula’ Franca BC/FEAC, neste domingo (15 de maio), por 76 a 46 (39 a 30 no primeiro tempo), atuando no ginásio Municipal Pedro Dell’Antonnia, na cidade de Santo André (SP), dando prosseguimento ao turno da fase inicial.

Depois de um primeiro quarto equilibrado nos acertos e erros (17 a 15), o time da casa cresceu de produção e abriu vantagem nos dois períodos seguintes, quando a equipe fez valer a sua maior experiência, que ficou mais evidenciada em quadra (22 a 15 e 17 a 09). Nos dez minutos finais, o desenho da partida foi o mesmo, porém e o time andreense apertou o ritmo, fazendo a diferença crescer para abrir a sua participação no campeonato com uma boa vitória (20 a 07).

Os principais nomes da partida foram Tassia Carcavalli (17 pontos, 03 rebotes e 03 assistências) e Sassa Gonçalves (16 pontos, 05 rebotes, 01 assistência, 01 bola recuperada e 02 bloqueios), pelo time do Grande ABC; Lidiane Assis (20 pontos, 09 rebotes, 02 assistências e 02 bolas recuperadas) e Patrícia Paulo (12 pontos, 05 rebotes, 03 assistências, 03 bolas recuperadas e 01 bloqueio), em favor da equipe do Interior. A estatística completa da partida pode ser conferida neste link: http://www.fibalivestats.com/u/CPB/292394/#ASFSK

O Campeonato Paulista Feminino – 2016 segue no dia 25 de maio (quarta-feira), às 19h00 (de Brasília), no ginásio Cidade Jardim, na cidade de São José dos Campos (SP), com a partida entre o São José Basketball e o Divino/Jundiaí.

Comunicado oficial do Atlanta Dream atribui ausência de Damiris à preparação olímpica


Clarissa e Érika estreiam com vitória na temporada regular da WNBA



Jogando em casa, o Chicago Sky estreou com vitória na temporada da WNBA contra o Sun (93-70).

Sem Elena Delle Donne, a cestinha foi Courtney Vandersloot, com 14 pontos.

Érika começou como titular e em quase 18 minutos, registrou 6 pontos, 5 rebotes, 3 faltas, 2 erros, 2 tocos e 1 recuperação.

Clarissa veio do banco e jogou um pouco mais (próximo a 21 minutos), somando 7 pontos, 5 rebotes, 2 faltas e 1 erro.

Brasil encerra série contra Cuba com mais uma vitória



Campinas, SP – Três jogos e três vitórias. Esse foi o saldo da Seleção Brasileira Adulta Feminina nos três amistosos contra Cuba. Neste domingo (dia 15), no terceiro e último confronto, o Brasil ganhou por 76 a 54 (29 a 23 no primeiro tempo), na Arena Concórdia, em Campinas (SP). As cestinhas do jogo foram a brasileira Tatiane Nascimento (13 pontos e três rebotes) e as cubanas Anisleidys Martinez (13 pontos, cinco rebotes e três assistências) e Arlenis Moinelo (13 pontos, dois rebotes e uma assistência).

“Conseguimos fazer um jogo bem melhor do que o de sábado porque acertamos a marcação defensiva e o ataque fluiu mais, já que soubemos escolher as bolas para o arremesso no momento certo”, disse Tatiane. “Esses três amistosos contra Cuba foram importantes na nossa preparação para o Sul-Americano. No primeiro em Recife fizemos um bom jogo e Cuba teve uma atuação bem abaixo do que costuma fazer. A segunda partida foi mais complicada porque elas vieram com uma atitude mais dura, às vezes até batendo. Além disso, nós também estávamos um pouco mais relaxadas pela diferença de mais de 30 pontos. Hoje colocamos mais em prática o que treinamos e o que o Barbosa pediu. Ainda temos condições de evoluir um pouco mais para fazer uma boa campanha no Sul-Americano e conquistar o título”, completou a ala. 

Outros destaques da equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa foram a ala-armadora Palmira Marçal (12 pontos, quatro rebotes e duas assistências), a ala Patrícia Teixeira (12 pontos, seis assistências e dois rebotes), a armadora Tainá Paixão (11 pontos, cinco assistências e três rebotes), a pivô Nádia Colhado (11 pontos e nove rebotes) e a pivô Kelly Santos (11 pontos, três rebotes e uma assistência). 

A delegação brasileira viaja na próxima quarta-feira (18) para a disputa do 35º Campeonato Sul-Americano, que será disputado na cidade venezuelana de Barquisimeto. O Brasil está no grupo “A” e terá como adversários na primeira fase Uruguai (20), Chile (21), Colômbia (22) e Paraguai (24). Na outra chave estão Argentina, Equador, Peru e Venezuela.

BRASIL (15 + 14 + 26 + 21 = 76) 
Joice Rodrigues (1reb e 2assist), Palmira Marçal (12pts, 4reb e 2assist), Iziane Marques (2pts, 3assist e 1reb), Karina Jacob (3reb) e Nádia Colhado (11pts e 9reb). Entraram: Kelly Santos (11pts, 3reb e 1assist), Êga Garvão (4reb), Patrícia Ribeiro (12pts, 6assist e 2reb), Tainá Paixão (11pts, 5assist e 3reb), Tatiane Nascimento (13pts e 3reb), Gilmara Justino (4pts e 4reb) e Bárbara Honório (3reb e 2assist). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

CUBA (15 + 08 + 17 + 14 = 54) 
Anisleidys Martinez (13pts), Arlenis Moinelo (13), Lisdeivis Valdes (6), Arlety Chacon (6) e Marlene Valle (4). Entraram: Francys Izquierdo (0), Dayris Millan (0), Anay Pozo (0), Leydis Valdes (10) e Edith Zulueta (2). Técnico: Alberto Zabala.


No segundo jogo, Brasil bate Cuba na prorrogação



E deu Brasil novamente. A Seleção Brasileira Adulta Feminina superou a de Cuba por 69 a 68 na prorrogação (59 a 59 no tempo normal e 21 a 26 no primeiro tempo), neste sábado (dia 14), na Arrena Concórdia, em Campinas (SP), na segunda das três partidas amistosas entre as duas seleções. A cestinha do jogo foi a ala Iziane com um Duplo-Duplo de 24 pontos e 11 rebotes. A principal pontuadora cubana foi Arlenis Moinelo com 23 pontos, dois rebotes e duas assistências.

“Começamos muito mal, principalmente na parte ofensiva. Sabemos que Cuba marca entre 50 e 60 pontos, mas o nosso ataque foi muito abaixo da média e só fizemos 21 pontos no primeiro tempo. Então tivemos que vir para a etapa final buscando recuperar a autoestima que você perde num jogo quando pontua muito pouco. Mas essa mudança de atitude que a gente teve é o que vamos levar de positivo desse jogo porque é muito importante construir as coisas quando não estão dando certo. Por isso a equipe está de parabéns pela construção hoje e a vitória”, analisou Iziane.

Outros destaques da equipe nacional comandada pelo técnico Antonio Carlos Barbosa foram a pivô Kelly Santos com um Duplo-Duplo de 16 pontos e dez rebotes, a pivô Nádia Colhado (12 pontos e cinco rebotes) e a armadora Joice Rodrigues (dez pontos, quatro rebotes e quatro assistências).

BRASIL (12 + 09 + 20 + 18 + 10 = 69) 
Joice Rodrigues (10pts, 4reb e 4assist), Palmira Marçal (1reb e 1assist), Iziane Marques (24pts e 11reb), Karina Jacob (1reb) e Nádia Colhado (12pts e 5reb). Entraram: Kelly Santos (16pts e 10reb), Êga Garvão (1reb e 1assist), Jaqueline Silvestre (0), Patrícia Ribeiro (0), Tatiane Nascimento (3pts, 3reb e 1assist), Gilmara Justino (4pts, 2reb e 2assist) e Bárbara Honório (0). Técnico: Antonio Carlos Barbosa.

CUBA (10 + 16 + 16 + 09 = 68) 
Francys Izquierdo (9), Arlenis Moinelo (23), Leydis Valdes (8), Lisdeivis Valdes (0) e Marlene Valle (13). Entraram: Anisleidys Martinez (14), Dayris Millan (0), Arlety Chacon (0), Anay Pozo (0) e Edith Zulueta (1). Técnico: Alberto Zabala.


sexta-feira, 13 de maio de 2016

Por "motivos particulares", Damiris cancela participação na temporada da WNBA

Em breve comunicado em sua página no Facebook a ala-pivô Damiris Dantas confirmou sua ausência na atual temporada da WNBA.

Veja a íntegra da nota:

"Há alguns dias, eu havia anunciado a minha ida para mais uma temporada na WNBA, onde eu defenderia o Atlanta Dream. Infelizmente, por motivos particulares, de saúde familiar, eu tive de abrir mão da atual temporada para que eu pudesse estar mais próxima da minha família neste momento delicado. Não está sendo fácil, mas tenho certeza que dará tudo certo. Agradeço a compreensão e o carinho de sempre! Bjos".

Com Cacá e Kátia Denise de volta, São Bernardo estreia no Paulista

A ADC São Bernardo estreia no Campeonato Paulista Feminino – 2016, neste sábado (14 de maio), às 17h00 (de Brasília), enfrentando o ‘caçula’ Franca BC/FEAC, em partida que acontece no CREC Ubaldo Lago (Baetinha), na cidade de São Bernardo do Campo (SP).

O time do Grande ABC, que é comandado pelo experiente técnico Márcio Beliccieri, manteve a base da última temporada, com a chegada de alguns reforços: ala Júlia Carvalho (ex-XV de Piracicaba), a ala/pivô Milena Santos (ex-Coimbra/Portugal), a armadora Cacá Martins (ex-Sampaio Corrêa), a pivô Kátia Denise (ex-Corinthians/Americana). 

“Estreia com muito respeito ao Franca BC, uma equipe jovem e bem trabalhada pelo incansável Alexandre Borges, que está de parabéns pelo desafio assumido de participar do Paulista Feminino. O nosso time é praticamente o mesmo e foi completado esta semana, com a chegada da Cacá Martins, Kátia Denise e Milena (já estavam na equipe ano passado e jogaram a Liga de Basquete Feminino), mais Laís Tobias, Lore Honório e somando-se ao grupo a experiente Júlia Carvalho e as jovens sub-19: Lays Silva, Milena Rodrigues, Luana da Silva, Ana Julia Passos, Paloma de Lima, Bia de Oliveira e Evelyn Silva. Estamos na fase inicial de treinamento com todo o elenco e esperamos realizar um bom jogo em nossa estreia, mas entendendo também o pouco tempo do grupo”, analisa Beliccieri.

Já a equipe francana, dirigida pelo técnico Alexandre Borges, terá mais um duelo difícil nesta temporada de retorno a elite do basquete paulista. Na estreia, o ‘caçula’ do estadual foi superado pelo Top Therm/Unimed/Grupo Leonardi/Sicredi/Presidente Venceslau, mesmo atuando em casa.

“Conheço pouco o time de São Bernardo do Campo, mas estamos cientes que será um duelo complicado, fora de casa, porém levamos uma pequena vantagem por já termos estreado e o nosso adversário ainda não. Vamos tentar fazer uma partida melhor do que foi na primeira partida, uma vez que acabou aquela coisa da ansiedade, por isso, a expectativa é que nos apresentemos melhor”, comenta Borges.

Maristela Owergoor, a Panta, é condutora da tocha olímpica em Dourados (MS)

Link: aqui!

A história de Maria Helena Cardoso, mito do basquete brasileiro

Em sua passagem por Campinas para o Jogo das Estrelas, o Fábio Balassiano trouxe esse emocionante documentário sobre a incrível Maria Helena Cardoso!



Imperdível!












AMISTOSO INTERNACIONAL BASKET FEMININO - BRASIL X CUBA

Cubana Casanova é reforço do América para a próxima temporada

Link: aqui!

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Com rotura do menisco, Ramona está fora do Sul-Americano

A ala Isabela Ramona, de 21 anos, está fora do 35º Campeonato Sul-Americano da Venezuela, de 20 a 26 deste mês. A atleta se apresentou no início de maio reclamando já com dores, mas que não a impediam de treinar. Depois da avaliação da comissão médica, a jogadora foi diagnosticada com uma rotura do menisco e será necessário realizar uma cirurgia. A CBB, em parceria com o COB, estão trabalhando em conjunto para que a atleta retorne o mais rápido possível às quadras. 

“A Isabela já tinha uma dor crônica no joelho pelo menos há dois anos, com quadro de melhora e piora. Mas isso nunca a impediu de jogar ou treinar. Quando ela se apresentou para a Seleção Brasileira no início de maio, chegou dizendo que a dor havia piorado depois dos jogos finais da LBF, impedindo-a inclusive de esticar o joelho. Examinamos e fizemos alguns testes no joelho que deram resultados compatíveis com uma possível lesão de menisco. A partir daí optamos por fazer um exame de ressonância magnética. Ela conseguiu fazer as finais da LBF sem treinar, mas com algumas limitações. A ressonância mostrou que a atleta está com uma rotura do menisco com um fragmento do menisco deslocado dentro do joelho, o que causa essa perda de movimento ou a extensão completa. Diante do diagnóstico, o tratamento é eminentemente cirúrgico e está programado inicialmente uma artroscopia com provável meniscectomia parcial. Teoricamente não é uma cirurgia complicada, com pequeno período de recuperação. Caso tudo ocorra como esperado, acreditamos que dentro de 30 a 45 dias ela poderá estar dentro de quadra treinando”, analisou o médico da Seleção Brasileira Feminina, Dr. Jorge Oliva.

Amistoso - Brasil 88 x 49 Cuba

Brasil e Cuba se enfrentam essa noite em Recife. Será o primeiro de uma série de amistosos preparatórios para as Olimpiadas do Rio.

Assim como a seleção brasileira, as cubanas se apresentam sem importantes jogadoras: Noblet, Casanova e Gelis não tiveram tempo hábil para nova autorização para retornar ao nosso pais.

O quinteto inicial do Brasil é quase 100% Sampaio: Iziane, Palmira, Jacob, Nadia e a armação com Joice.

Apesar dos 2 primeiros minutos com muitos erros de finalização de ambas as equipes, logo os times se acertaram e concluíram o 1o quarto com o placar de 18 x 12 para o Brasil, com boa atuação de Joice dando muita velocidade a equipe.

Faltando 2min27 do segundo quarto, Brasil vai vencendo por 28 x 23.

Na volta para o segundo tempo, a seleção brasileira inicia com Joice, Palmira, Iziane, Karina Jacob e Kelly.

A seleção brasileira apresenta uma boa defesa e apresenta um ataque com boa movimentação das atletas.

Kelly tem dominado o garrafão, enquanto que Joice tem cumprido bem com sua função na armação das jogadas.

No último quarto, a seleção brasileira apresenta bom aproveitamento nas bolas de três pontos e abre vantagem no placar: 74 x 49, faltando 06min48.

Final de jogo e a seleção brasileira vence Cuba por 88 a 49.