segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

O que quer, o que pode essa Liga?

Enfim começou.

Depois de uma longa espera, a "nova" LBF começou.

São apenas dez dias desde o início da temporada, mas o começo é animador.

A competição conseguiu atrair nove equipes, segunda maior marca desde a temporada de estreia, igualando o número de times do torneio de 2011, e abaixo da marca recorde de dez times, em 2014.

Conseguiu algo inédito: a transmissão de jogos em tv aberta, na rede Gazeta, viabilizou a transmissão dos jogos via web _ outra iniciativa bastante ousada e melhorou bastante a divulgação do torneio nas redes sociais.

Realmente chama a atenção o trabalho comandado por Ricardo Molina na entidade, ainda mais quando se considera o cenário de crise da modalidade no país, agravado pelo fracasso na classificação para o Mundial da categoria e por uma incômoda inércia da nova administração da CBB na gestão do feminino.


Havia uma expectativa em função do aumento de equipes e do êxodo de atletas que o torneio fosse (bem) fraco. Mas até o momento não aconteceu nada que não tenhamos visto nos anos anteriores. 




São ainda poucos jogos realizados, uma das equipes (Blumenau) ainda não estreou e é precipitado qualquer exercício de adivinhação. 

Mas os movimentos iniciais sugerem uma disputa equilibrada, mas polarizada entre duas equipes: o Vera Cruz/Campinas e o Sampaio Basquete.

A equipe campineira dá continuidade ao trabalho de Americana, maior vencedor da LBF, e foi alçada à condição de favorita com a surpreendente contratação de Ariadna. A cubana vem perdendo precisão e explosão nos últimos anos, mas ainda é uma atleta diferenciada no ambiente doméstico. Com a argentina Melissa Gretter, a experiente Babi e as alas Patty e Jeanne, o time tem concentrado seu jogo nesse setor. Nesses primeiros jogos, nota-se uma dose de inibição no bom trio de pivôs (Fabi, Aline e Mônica), um grupo menos acostumado ao protagonismo.



Última equipe a definir o elenco, o Sampaio é uma boa surpresa do começo da temporada. O francês Virgil tinha no currículo como técnico principal uma passagem algo confusa em Americana. Mas contratou com competência e parece ter feito uma escolha acertadíssima com a destemida armadora  americana Briahanna Jackson. Mesmo com elenco reduzido, o treinador tem movimentado bastante as atletas e arrancado atuações sólidas de Joice Coelho e Vitória Marcelino. Comenta-se que o poder de fogo do clube pode subir bastante com a chegada de mais um (misterioso) reforço no próximo mês. Entre os nomes especulados está o de Damiris, que certamente colocaria a equipe maranhense em uma situação privilegiada.

Numa situação um pouco abaixo está a tradicional equipe de Santo André. Vista como potencial favorita às vésperas do início da Liga, o time viu suas expectativas serem reduzidas quando Ariadna desertou. Ainda assim o time tem uma organização correta sob o comando do técnico Bruno Guidorizzi, na melhor tradição "lais-elênica" de arrancar leite de pedra. Uma nova contratação (que no momento parece improvável) pode aumentar a cotação do clube na competição.



Se esses três primeiros clubes tem uma organização tática que favorece o trabalho das jogadoras, os outros dois clubes começaram a competição mal pela mão pesada de seus treinadores.

O Funvic/Ituano conta com um quarto da última seleção olímpica (Kelly, Joice e Palmira). Tem boas revelações (como Maira e Licinara) e boas opções no banco (Aruzha e Milena). No entanto sob o comando do eterno Antônio Carlos Barbosa, os ingredientes ainda não renderam um bom prato. O time jogou suas duas partidas de maneira desorganizada e antiquada e enxerga no horizonte uma dura primeira temporada.

Outro técnico que lida mal com seus ingredientes é Roberto Dornelas, do Uninassau Basquete. Até o momento o que se vê é uma dependência enorme das individualidades de Casanova e Gil, a apatia de Tássia e uma porção de jovens (e talentosas) jogadoras desorientadas. Só vejo chance de salvação, caso uma dessas novas atletas consiga se firmar, repetindo o milagre de Raphaella Monteiro na temporada passada. 



Entre o trio que parece nesse início menos bem acabado, há o xodó da temporada: o São Bernardo/Unip/Brazolin. É um exercício muito agradável ver um amontoado de meninas jovens e ignoradas pelo mercado dando sinais evidentes do que podem. Ontem foi possível assistir uma atuação incrível de Thayná (30 pontos, maior marca da competição até o momento), uma jogadora de 21 anos que no ano passado estava relegada à disputa de uma competição amadora. Acompanhar essas meninas e a euforia do técnico Marcio Bellicieri com a primeira vitória já valeu essa liga. Vida longa ao São Bernardo!

O time de Presidente Venceslau experimenta alguma melhora com a chegada de suas argentinas, mas que me parece insuficiente dentro do cenário de acomodação técnica e física da maioria de seu plantel. 

Por fim, a equipe do Poty/Bax/ Catanduva veio para a batalha com um elenco muito limitado, mas que ainda assim transparece as boas intenções da técnica Fernanda Hartwig. A recuperação da armadora Thaissa pode eventualmente tornar o cenário menos dramático.  

Vale a pena ficar de olho!


quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

No "Clássico do Nordeste", Sampaio Basquete supera Uninassau na LBF 2018


A versão 2018 do Sampaio Basquete vem para brigar. Com uma atuação bastante eficiente e gritos da torcida de que “O campeão voltou”, a equipe maranhense começou a LBF CAIXA com a vitória por 87 a 73 sobre a Uninassau. A ala-pivô Vitória Marcelino foi o principal destaque da partida, vindo do banco para registrar 20 pontos, 6 rebotes e 77% de aproveitamento. A maior pontuadora da partida foi Ineidis Casanova, com 26 pontos, que também adicionou 6 assistências e 3 rebotes.

Após um primeiro período bastante igual, que terminou empatado a 16 pontos, a superioridade das donas da casa apareceu no segundo quarto da partida, quando registrou parcial 31×15. Sampaio também dominou um terceiro quarto acirrado (23×21) e até pode perder o último período (17×21) que a vantagem ainda assim permaneceu.

A equipe maranhense foi bastante eficiente, com 61,7% nos arremessos gerais e 58% da linha dos três pontos. Além da ótima atuação de Vitória, a ala Joice Coelho, que também veio do banco, fez 12 pontos com um perfeito 100% de aproveitamento. A armadora norte-americana Briahanna Jackson, que chegou ontem ao Brasil, já pareceu estar muito a vontade no novo país – contribuiu com 17 pontos e 3 rebotes antes de sair de quadra sentindo dores musculares. Pelo lado do Uninassau, além de Casanova, a ala/pivô Gil se destacou anotando 22 pontos.

Destaque do Sampaio, Vitória Marcelino creditou sua boa atuação à equipe. “Todo mundo marcou bem, atacou, passou as bolas que eu consegui converter. Pra estreia, a gente fez um ótimo trabalho, oscilou poucas vezes. Começar com o pé direito é muito importante, falou a ala-pivô.

“O time, apesar de pouco tempo de treino, fez uma ótima estreia. Jogamos de forma bem coletiva, tanto ofensiva quanto defensivamente. As meninas vão crescer mais ainda. Estou muito feliz com essa estreia. Foi uma grata surpresa.”, disse Virgil Lopez.

Maior pontuadora do jogo, Casanova já pensa no próximo compromisso da equipe. “Sentimos um pouco o primeiro jogo, a estreia, fora de casa e com um time muito renovado. A tendência é que a gente já apresente um desempenho melhor no domingo. Mas esperamos o ginásio cheio para nos ajudar contra o time do Campinas. Será um jogo complicado, mas tenho certeza que a torcida fará a diferença em nosso favor”, disse a cubana.

O próximo compromisso de ambos é no próximo domingo. Sampaio recebe o Funvic/Ituano, ás 11h, enquanto a Uninassau encara o Vera Cruz Campinas ás 18h, ambos com transmissão pela LBF LIVE.

Entrevista - Karina Rodrigues (Pick and Roll)

Entrevista bastante completa com a pivô argentina naturalizada brasileira Karina Rodrigues.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Final de semana das brasileiras no exterior


No final de semana, as brasileiras que jogam no exterior entraram em quadra, com exceção de Clarissa, porque o Campeonato Francês fez um intervalo para dar início ao returno no próximo final de semana e Damiris, ausente das últimas duas rodadas na Liga Coreana. Destaque para o confronto entre Nádia e Erika, o recorde de pontos de Ramona na Espanha e o duplo duplo de Tainá em Portugal, líder em média de assistências da Liga Portuguesa.

Espanha

Primeira Divisão

Star CityLift Girona 61 x 66 Perfumarias Avenidas
Nádia: 19 pontos, 11 rebotes e 21 de eficiência
Érika: 7 pontos e 3 rebotes

Segunda Divisão

Ascensores Tresan 55 x 74 Patatas Hijolusa
Izabella Sangalli: 21 pontos, 6 rebotes, 4 assistências e 23 de eficiência

Valência 70 x 49 Ciudad de los Adelantados
Ramona: 24 pontos (5/9 – 3 pts – 56%), 4 rebotes, 3 recuperações, 3 assistências e 21 de eficiência

Portugal

Rodada 13/01

União Sportiva 72 x 65 Barreiro
Letícia: 16 pontos e 4 rebotes
Raphaella: 12 pontos e 5 rebotes

Quinta dos Lombos 85 x 57 Olivais Coimbra
Rafona: 3 pontos e 1 rebote em 8 minutos
Tainá: 9 pontos e 5 assistências

Rodada 14/01

União Sportiva 71 x 54 Sport Benfica
Raphaella: 16 pontos, 14 rebotes e 25,5 de eficiência
Letícia não jogou

Quinta dos Lombos 56 x 45 CAB Madeira
Rafona: 6 pontos e 3 rebote em 11 minutos

Olivais Coimbra 74 x 54 Algés
Tainá: 19 pontos, 12 assistências e 29,5 de eficiência


Resultados da 1.ª rodada da LBF 2018

Santo André 74 x 51 São Bernardo

Santo André: Silvinha 22 pontos e 5 assistências, Jaqueline 13 pontos, Erika e Domick 12 pontos
São Bernardo: Geovanna 12 pontos e 7 rebotes, Lays 8 pontos e 3 assistências, Thayná 8 pontos, Milena 7 pontos

Catanduva 58 x 63 Presidente Venceslau

Catanduva: Natália 26 pontos e 3 assistências, Ornela Bacchini 13 pontos, Tati Castro 9 pontos
Venceslau: Izabela 15 pontos e 7 rebotes, Augustiva Leiva 13 pontos e 8 rebotes, Karen 13 pontos

Vera Cruz Campinas 80 x 51  Funvic Ituano

Campinas: Gretter 19 pontos e 5 assistências, Ariadna 15 pontos e 8 rebotes, Jeanne 11 pontos, Patty 10 pontos
Ituano: Palmira 12 pontos, Kelly 10 pontos e 6 rebotes, Leide 9 pontos e 4 rebotes, Maira 6 pontos, Joice 6 pontos

Vera Cruz Campinas x Funvic Ituano - Liga de Basquete Feminino (14/01/18...

domingo, 14 de janeiro de 2018

Basquete Feminino na TV aberta

Depois de muitos anos, o basquete feminino volta ter uma partida transmitida pela TV aberta.

Para quem não tem a TV Gazeta, é possível assistir o jogo pelo site da emissora: www.tvgazeta.com.br/aovivo


Vamos prestigiar a volta do basquete feminino na tv aberta!

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

São Bernardo enfrenta Santo André na abertura da LBF 2018 - hoje às 20h


O São Bernardo abre participação na Liga de Basquete Feminino (LBF CAIXA) – 2018 em disputa com o Basketball Santo André/APABA, nesta sexta-feira (12), às 20h, no ginásio Municipal Pedro Dell’Antonnia, em Santo André. O clássico regional dá início a competição nacional.

O representante de São Bernardo disputa a primeira LBF com elenco jovem mesclado com jogadoras mais experientes. “Acreditamos na juventude do grupo, esse foi o objetivo maior de montar esse elenco; temos o caso da Thayná, que tem um potencial maravilhoso – me chamou muito a atenção no vídeo do jogo da seleção de base – e fiquei sabendo que ela estava parada no Rio de Janeiro. Além das jogadoras mais novas que vieram de Jundiaí, todas com passagens pelos selecionados de base, que também possuem um potencial excelente”, comentou o técnico Márcio Bellicieri.

“Esperamos, com esse grupo, conseguir surpreender e trabalhar a importante e necessária renovação do basquete feminino brasileiro”, completou Bellicieri.

A lateral Júlia Carvalho acredita que pode ajudar o grupo. “Cheguei para agregar, tenho muito a ensinar às minhas companheiras, mas também tenho muito a aprender, vim para ser uma líder, incentivar e ajudar, além de dar o meu melhor”, relatou.

“A equipe está bem preparada e estou bastante confiante. Vamos surpreender nesse campeonato”, sintetizou a pivô Ana Júlia Passos.

Já o gestor André Brazolin está feliz com a chegada da equipe a competição nacional. “Trata-se de um sonho o Instituto Brazolin fazer parte da Liga de Basquete Feminino (LBF)”, comentou.

ELENCO

Armadoras: Paloma Lima  e Lays da Silva

Laterais: Milena Rodrigues, Gabriela Soares, Mariane Vargas, Lu Ariescha, Júlia Carvalho e Manu Silveira

Ala/Pivô: Thayná Silva, e Ana Júlia Passos

Pivô: Geovana Fonseca e Lorena Silva

A partida será transmitida ao vivo pela web através da página da LBF.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Liga Portuguesa

Acadêmico 54 x 71 União Sportiva (líder invicto)

Letícia - 12 pontos e 10 rebotes
Raphaella Monteiro - 12 pontos, 6 rebotes e 2 assistências

Lombos (terceiro colocado) 71 x 46 Vagos
Rafona - 4 pontos, 5 rebotes

Benfica 67 x 61 Olivais (oitavo colocado)
Tainá - 5 pontos, 8 rebotes e 5 assistências

Espanha - Resultados

1a. Divisão

Avenida (líder) 74 x 65 Extremadura
Érika: 8 pontos, 7 rebotes em 22'.

Girona (vice-líder) 91x47 Estudiantes
Nádia 8 pontos, 5 rebotes em 16'.

2a. Divisão

Gijon (décimo primeiro colocado do Grupo A) 57 x 71 Arxil
Izabella Sangalli - 19 pontos, 7 rebotes, 4 assistências

Claret 51 x 67 Valencia (quinto colocado do Grupo B)
Ramona: 14 pontos

Clarissa vence na EuroCopa e na Liga Francesa



Na manhã de domingo, dia 07/01, a brasileira ajudou sua equipe, Flammes Carolo, a vencer o líder do campeonato, Tango Bourges, por 75 a 70.

Jogando em casa, em Charleville, com o apoio da torcida, o time de Clarissa enfrentou dificuldades, mas faltando poucos minutos para o termino da partida voltou à liderança e venceu. A brasileira marcou 10 pontos e recuperou cinco rebotes, em pouco mais de meia hora em quadra.

- Foi uma ótima vitória, contra o time que está na liderança da competição e têm melhor defesa e melhor ataque. Foi importante voltar a vencer em casa, traz mais confiança para as próximas partidas – comentou Clarissa dos Santos.

Na primeira partida do “round 16” da EuroCup de Basquete feminino, realizada na Polônia, na tarde da útima quarta-feira (dia 03/01), em 35 minutos e meio de atuação e duplo-duplo, de 21 pontos e 18 rebotes, Clarissa dos Santos foi destaque na vitória do Flammes Carolo sobre o Artego Bydgoszcz, pelo placar de 83 a 62. A brasileira foi a atleta mais eficiente da partida, com 28 pontos em eficiência. 

- Nosso objetivo principal era ganhar e conquistamos uma ótima vitória. Mesmo com a quantidade de erros na partida, 23 ao todo, que é um ponto que temos que melhorar, conseguimos manter diferença larga no placar. Agora é continuar trabalhando para acertar os detalhes e executar melhor o que for pedido pelo treinador. Sabemos ainda teremos fortes jogos e temos que estar preparadas - comentou Clarissa dos Santos.

A segunda partida será na cidade francesa de Charleville, casa do Flammes, na próxima quarta-feira, dia 10/01.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Vera Cruz Campinas anuncia a contratação de Ariadna para a LBF 2018



A cubana Ariadna foi anunciada hoje como novo reforço da equipe do Vera Cruz Campinas. Campeã Paulista jogando por Santo André, ela já estava listada no elenco da equipe do ABC para jogar a LBF 2018, o que leva a crer que foi uma negociação fechada de última hora.

Ariadna é a maior cestinha da história da LBF com 2303 pontos acumulados. Ela já foi campeã e MVP jogando por Santo André em 2011 e também jogando por Americana em 2014, que é a base da equipe transferida para a cidade de Campinas no ano passado.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Desempenho das brasileiras no exterior - Dezembro/2017



As jogadoras brasileiras que atuam no exterior tiveram bom desempenho no mês de dezembro, antes do recesso de final de ano.

Espanha

Primeira Divisão 

Rodada 16/12 

Perfumarias Avenidas 77 x 65 Embutidos Bembirre
Érika: 17 pontos e 7 rebotes (cestinha do Avenidas)

Star CityLift Girona 74 x 59 Man Filter
Nádia: 18 pontos, 10 rebotes, 5 tocos e 30 de eficiência (MVP da rodada)

Rodada de 23/12

Star CityLift Girona 74 x 59 Queso El Pastor
Nádia: 22 pontos, 12 rebotes e 38 de eficiência (MVP da rodada)

Erika não jogou a última rodada da Liga Espanhola

Segunda Divisão

Última Rodada – 16/12

Ascensores Tresan 64 x 84 Durán Maquinaria 
Izabella Sangalli: 16 pontos, 6 rebotes, 4 assistências.

Valência 70 x 49 Corral y Vargas
Ramona: 7 pontos, 5 recuperações e 4 assistências


Terceira Divisão

Rodada 09/12

Tirso Igualatorio 72-53 Instituto Rosalía

Joice Coelho: 16 pontos (cestinha do jogo)

A brasileira, que foi anunciada como reforço do Sampaio Correia para a LBF, não a última rodada do dia 16/12 (última de 2017).

França


Rodada: 17/12

Flammes Carolo 60 x 69 Tarbes

Clarissa: 14 pontos e 8 rebotes

Portugal

Rodada 16/12

União Sportiva 68 x 59 Vitória Guimarães

Letícia: 10 pontos e 9 rebotes

Raphaella: 15 pontos, 5 rebotes e 4 assistências

Olivais Coimbra 44 x 66 Gdessa Barreiro

Tainá: 12 pontos, 4 assistências e 5 rebotes

Rodada 19/12

União Sportiva 63 x 61 Vitória Boa Viagem

Letícia: 19 pontos, 14 rebotes e 24 de eficiência

Raphaella: 13 pontos, 6 rebotes e 4 assistências


Olivais Coimbra 80 x 55 CAB Madeira

Tainá: 30 pontos, 10 assistências, 8 rebotes e 43,5 de eficiência (MVP da rodada)

Coréia do Sul

Damiris não teve descanço devido ao calendário coreano ser diferente do ocidental.

Jogo das Estrelas – 24/12

Pink Star 100 x 100 Blue Star

Damiris: 13 pontos

Rodada 28/12

KB Stars 69 x 66 Banco Shinhan
Damiris: 29 pontos e 12 rebotes 

Rodada 31/12

KB Star 71 x 56 KDB Life

Damiris: 15 pontos


quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Clarissa busca Top 8 da EuroCup com equipe francesa

Após breve pausa para o recesso, o Flammes Carolo, time da brasileira Clarissa dos Santos, está na Polônia onde enfrentará o Artego Bydgoszcz, nesta quarta-feira, 04/01, a partir das 15h (horário de Brasília). Este será o primeiro confronto do “round 16” da EuroCup de Basquete feminino. A competição que reuniu 40 equipes encontra-se em fase eliminatória, entre as melhores 16 equipes.

- Amanhã será um jogo muito importante para a nossa sequência no campeonato, contra uma equipe muito boa, que jogará em casa. Vamos ter que entrar concentradas, respeitando as orientações táticas, e jogar toda a partida com atenção e intensidade. Acreditamos que assim poderemos conquistar um bom resultado - comentou Clarissa dos Santos.

Em sua primeira temporada pela equipe francesa de Chaleville, Clarissa destaca-se com seus números. A brasileira, que teve a melhor média de rebotes das duas últimas edições de Jogos Olímpicos (Rio 2016 e Londres 2012), na EuroCup aparece na oitava colocação, com 53 rebotes, no total, e média de 10,6 por jogo. Em eficiência, Clarissa segue como a 11ª melhor pontuada, com média 20,6 de eficiência, por partida.

Também pela EuroCup, na próxima semana, dia 10/01, será realizada a partida de volta, contra o Artego Bydgoszcz, na França, que irá definir qual equipe seguirá na competição.

Antes disto, no dia 07/01, o Flammes irá enfrentar o Tango Burges, em casa, pela Liga Francesa – LFB.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Pivô paraense Julynne trilha carreira nos Estados Unidos e sonha com a WNBA



O futuro do basquete brasileiro pode ter um DNA paraense como destaque. Isso porque a atleta Julynne Silva, 20 anos, está cumprindo à risca a cartilha para chegar ao basquete profissional feminino dos Estados Unidos, alcançando um patamar elevado para os padrões da modalidade no Brasil.

"Saí com 15 anos de Belém, foi tudo muito rápido. Joguei alguns meses pelo Remo, mas quase não disputei competições. Joguei mais pela seleção paraense, quando tive a chance de disputar o Campeonato Brasileiro", disse a jovem.

Foi através da seleção paraense que a precoce carreira de Julynne ganhou um importante salto.

Com 1,90m de altura aos 15 anos, ela chamou a atenção do então técnico da Seleção Brasileira Sub-15, que acompanhou o desempenho da moça representando o Pará.

Mesmo com a parte técnica precisando ser desenvolvida inicialmente, a aposta do treinador levou a paraense para São Paulo.

"Vieram olheiros assistir ao Campeonato Brasileiro de Seleções sub-15 e o então técnico da Seleção Brasileira (Cristiano Cedra) me viu jogar e me convidou para treinar com o grupo. Eu só tinha altura, tinha acabado de começar a jogar basquete. Fiquei treinando na seleção e depois ele me indicou para o Osasco-SP. Joguei lá até meus 19 anos", contou.

Chegada aos Estados Unidos 


Julynne estava prestes a encarar uma dura realidade do esporte no Brasil, principalmente na categoria feminina. Sem um calendário satisfatório e sem clubes estruturados, a paraense não queria deixar de jogar e, ao mesmo tempo, queria estudar.

Então, Cristiano Cedra, o mesmo técnico da Seleção Sub-15, gravou um vídeo com os melhores lances da jogadora e mandou para uma agência de talentos nos Estados Unidos.

O vídeo fez sucesso e a "basqueteira" nascida em Belém e criada em Barcarena foi convidada a ser recrutada pelo Jr College, categoria entre a escola e o universitário norte-americano, que ajuda jovens a praticarem esporte no período de adaptação.

"Nos Estados Unidos eu posso estudar um curso que ainda nem tem no Brasil, que engloba Educação Física e Fisioterapia, duas coisas que eu queria. No começo tive algumas dificuldades principalmente com a cultura, eu nem falava inglês. É tudo muito diferente", revelou.


No Jr College, Julynne joga ao lado da armadora brasileira Domenica Gomes (21 anos) pela equipe do Northwest College. Ela ainda precisa completar mais um ano de basquete e estudos. Depois disso, o caminho será o basquete universitário, o último nível antes de chegar na WNBA - liga profissional.

As universidades de Maine e de Arkansas, por exemplo, já manifestaram interesse em recrutar a belenense no próximo ano.

Na universidade, Julynne deve jogar mais dois anos antes do Draft, quando as equipes profissionais escolhem as melhores jogadoras.

Seleção Brasileira

Enquanto não retoma os treinos em solo norte-americano, a atleta mata a saudade da família no Pará. Com família dividida entre Barcarena e Belém, a moça aproveita o período para se manter em forma, treinando com o time masculino do Paysandu.

As pivôs Julynne Silva, de 1,92m, e Ana Flávia Garcia de Souza, de 1,93m, convocadas pelo técnico Júlio César Patrício
O objetivo de Julynne é chegar ao nível profissional e, consequentemente, chegar à seleção brasileira quando for adulta, sonho que não parece ser tão distante.

"Admiro muitas atletas, como a Érika, que é pivô e joga na mesma posição que eu, Clarissa e muitas outras. Eu estava em uma lista de convocação para a Seleção Brasileira Sub-17, mas nem cheguei a treinar, pois a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) estava com contenção de gastos na época", lamentou.

O final do Jr College e recrutamento universitário nos Estados Unidos inicia no final do ano letivo, no mês de maio de 2018.

Quando, então, poderemos saber o destino da jovem talento do Pará, que em até três anos pode chegar ao lugar mais desejado pelas meninas que amam basquete ao redor do mundo: a WNBA.


(Felipe Saraiva/DOL)

sábado, 16 de dezembro de 2017

Sampaio Basquete anuncia as primeiras contratações para a LBF

Após a participação na apresentação da LBF 2018 - onde foi divulgada a contratação da ala Tatiane Pacheco que estava no Estudiantes de Madrid, o Sampaio Basquete divulgou na sua página do Facebook a contratação da armadora americana Briahanna Jackson, que vem do basquete universitário americano.

Além de Briahanna, a equipe maranhense contratou a armadora Ana Beatriz (ex-São José), a ala Leila Zabani (ex-Blumenau) e a pivô Êga (ex-Americana).

O Sampaio também anunciou a volta da pivô Karina Jacob e da ala/pivô Vitória Marcelino, que participaram da equipe no ano passado.

Catanduva anuncia a contratação de mais quatro jogadoras para a LBF

Matéria aqui.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Barbosa e Alessandra lamentam fracasso da seleção brasileira

Copa América de 2017 foi traumática para o basquete feminino brasileiro. Pela primeira vez desde 1959 o time verde e amarelo não participará de um Mundial, que em 2018 será realizado na Espanha. Perdendo a decisão de terceiro lugar do torneio continental para Porto Rico, por 75 a 68, a Seleção agora tem de lidar com uma série de questionamentos. Alessandra Oliveira, campeã do mundo com o Brasil em 1994 e detentora de duas medalhas olímpicas, em Atlanta 1996 e Sydney 2000, respectivamente, não escondeu a tristeza por conta do resultado frustrante e lamentou o fato de as jovens com biotipo adequado estarem migrando para o vôlei.

"É uma tristeza, porque defendi por mais de 17 anos a Seleção Brasileira com unhas e dentes. Muitas vezes deixei minha família, meus interesses pessoais, para defender o país. Foi o reflexo de má gestões, alguns problemas internos. Não vi totalmente essa última Copa América, não estou aqui para falar quem é o culpado, isso aí é uma página virada. Agora temos que juntar a família basquete, esquecer vaidade, tentar massificar, principalmente no feminino, porque estamos perdendo meninas altas para o vôlei. Nada contra o vôlei, porque pelo menos elas estão praticando algum esporte e não estão na rua. Precisamos formar uma nova Seleção. Não vai ser em 2024 que vamos ter resultados. Começaremos a ter resultados, se começarmos a trabalhar agora, em 2028, porque quando eu fui campeã mundial, em 1994, eram quatro gerações juntas", afirmou Alessandra à Gazeta Esportiva .

Embora o resultado tenha surpreendido grande parte dos fãs de basquete, para o técnico Antônio Carlos Barbosa, multicampeão à frente da Seleção Brasileira, a tragédia era anunciada há tempo. No entanto, ele crê que o país só não se classificou ao Mundial do ano que vem porque não teve à disposição suas principais atletas, atualmente jogando no exterior.

"Com toda a honestidade, não foi surpreendente. Não foi surpreendente porque em toda a minha vida houve situações como essa. A Copa América bate com a WNBA. Chegamos a ter oito jogadoras na WNBA. Era uma outra época, em que tínhamos quantidade de jogadoras maior. Infelizmente, a falta de jogadores que são referência fez a diferença, porque se vai a Damiris, a Clarissa, a Érika, a Nádia, pelo menos duas dessas quatro jogadoras que são referência, certamente o Brasil teria se classificado para o Mundial", disse Barbosa, lamentando os importantes desfalques do técnico interino Carlos Lima.

O experiente treinador também relembrou a falta de planejamento desde a época em que foi chamado para assumir pela terceira vez na carreira o comando da Seleção Brasileira feminina de Basquete. Depois do bronze em Sydney 2000 e o quarto lugar em Atenas 2004, ele teve a missão de guiar a equipe nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no ano passado, mesmo sem uma preparação adequada - o Brasil acabou eliminado na primeira fase após perder todas as suas partidas.

"Já teve essa Olimpíada em que eu fui chamado de última hora. Eu não decepcionei, eu me frustrei, porque fizemos grandes jogos, perdendo sempre na hora de ganhar o jogo. Fruto do que? De uma falta total de planejamento, de uma falta total de um ciclo olímpico para o basquete brasileiro. Você compete com equipes que fazem o ciclo olímpico. Mesmo assim poderíamos ter ganhado da Bielorrússia, da Turquia tranquilamente. A França é uma equipe superior à nossa, mas também fizemos um jogo igual. Contra o Japão jogamos muito mal, merecemos perder. Contra a Austrália também fizemos um jogo igual. Então, se houvesse uma preparação, com excursão para a Europa, com certeza, teríamos chegado às quartas de final [das Olimpíadas", concluiu Barbosa

LBF apresenta nova temporada com compromisso de “resgate moral”

Link: aqui!

LBF na TV Gazeta

Ontem, durante a apresentação oficial da LBF 2018, foi anunciado que a TV Gazeta passa a transmitir ao vivo os jogos da Liga de Basquete Feminino na Tv Aberta, todos os Domingos às 15 horas. Os jogos também serão transmitidos pelo Sportv na Tv Fechada, pelo site globoesporte.com e pela própria liga via web. A promessa é que 100% dos jogos serão transmitidos pela internet.