domingo, 21 de setembro de 2014

Jaraguá do Sul anuncia as primeiras contratações para a disputa da LBF


Monica_Nascimento
O Jaraguá do Sul/FME anunciou as primeiras contratações visando a sua primeira temporada na Liga de Basquete feminino (LBF) – 2014/15. O time catarinense, comandado pelo técnico Júlio Patrício, acertou com as seguintes atletas: as pivôs Daphner Porto e Ana Beatriz de Oliveira, a ala Kawani Firmino e a armadora Letícia Marcelino, todas que estavam defendendo o Bradesco/Osasco, e a pivô Mônica Nascimento (foto), ex-Ourinhos Basquete.

O time de Jaraguá do Sul está perto de anunciar também seu primeiro reforço internacional: a ala/armadora argentina (nascida em Temuco, no Chile, mas naturalizada argentina) Sthefany Thomas de 25 anos (04 de maio de 1989). As tratativas estão avançadas e o acerto pode ocorrer em breve.


“Estamos formando o elenco e seguimos atrás de reforços e, em 15 dias, queremos estar com todas as jogadoras confirmadas, com tudo assinado. Por enquanto, acertamos com as atletas que vinham atuando no Bradesco/Osasco e com a Mônica, que defendeu o Ourinhos Basquete”, explica Patrício, que vem disputando o Campeonato Catarinense Adulto Feminino com uma base bem jovem, utilizando apenas as atletas formadas na base da própria equipe.
A meta do representante catarinense é trazer mais duas jogadoras norte-americanas e outras três atletas que estão disputando o Campeonato Paulista Feminino para complementar o elenco.
Fonte: LBF

Unimed/Americana supera o Rio Claro Basquete e se reabilita no Campeonato Paulista Feminino

A Unimed/Americana conseguiu a recuperação no Campeonato Paulista Feminino – 2014 ao derrotar o Rio Claro Basquete, na noite deste sábado (20 de setembro), no ginásio Municipal Milton Fenley Azenha (Centro Cívico), na cidade de Americana (SP), no segundo jogo da rodada dupla, por 54 a 45 (22 a 24 no primeiro tempo).
O jogo foi marcado pelo equilíbrio e pelo número excessivo de erros. Com esse panorama, o time rio-clarense teve um rendimento melhor no primeiro tempo, fechando os dois quartos iniciais na frente. A equipe da casa, no entanto, voltou do intervalo com outra postura, conseguindo um melhor aproveitamento ofensivo e passando a comandar o marcador no terceiro quarto.
No quarto final, o Rio Claro Basquete ainda tentou se aproximar, mas o time de Americana controlou bem a diferença e venceu.
As cestinhas da partida foram Gil Justino, com 15 pontos, pelo time da casa; Tássia Carcavalli, com 12 pontos, em favor do visitante.
“A equipe está sem referência no garrafão, mas estamos nos superando, com as atletas conseguindo se desdobrar em quadra. Coletivamente, o jogo deixou a desejar, mas já mostramos evolução em relação à estreia e a tendência é que siga neste panorama daqui para frente, quando o ritmo de jogo vai crescer”, comenta o técnico Antônio Carlos Vendramini, da Unimed/Americana.
Com a vitória, o time comandado pelo técnico Antônio Carlos Vendramini ocupa a segunda colocação, ao lado do Basketball Santo André, ambos com três pontos conquistados, em dois jogos realizados (01 vitória e 01 derrota). O Top Therm/Grupo Leonardi/Sicredi/UNIESP/Presidente Venceslau lidera com quatro pontos, decorrentes de suas vitórias, enquanto o Rio Claro Basquete aparece no quarto lugar, com dois pontos, ainda sem vencer no campeonato.
O próximo compromisso da Unimed/Americana será contra o Basketball Santo André, no dia 04 de outubro (sábado), ás 18h00 (de Brasília), em Rio Claro (SP). Já o Rio Claro Basquete tentará a recuperação contra o Top Therm/Grupo Leonardi/Sicredi/UNIESP/Presidente Venceslau, na mesma data e local, só que às 20h00 (de Brasília).
Fonte: LBF

Recra assume liderança da Série A2


Tiago de Brino / Especial

A Série A2 do Campeonato Paulista tem um novo líder, ao menos, provisoriamente. O time de basquete feminino ribeirão-pretano da Recreativa/ABEC/SME fez o dever de casa e derrotou o Internacional de Santos por 56 a 46, na noite de ontem, no Ginásio Ignácio Luiz Pinto, na Recra.

A cestinha da partida foi a lateral Camila com 15 pontos, seguida pela pivô Milena, com 10, ambas da Recra. No primeiro turno, a Recra já havia vencido o rival por 83 a 36, na Arena Santos, no dia 26 de abril.

Briga acirrada 


Com o mesmo número de jogos do Jundiaí, a equipe comandada pelo técnico Márcio Marolo chegou aos 14 pontos, um a mais do que as jundiaenses. O time ribeirão-pretano, porém, poderá ser ultrapassado nas próximas rodadas pelo Barretos. Na terceira colocação, com 10 pontos, a equipe barretense possui três jogos a menos do que Recra e Jundiaí.


O último compromisso da equipe-ribeirão-pretana na primeira fase será justamente contra o Barretos, no próximo dia 10 de outubro, no Ginásio Ignácio Luiz Pinto. O confronto poderá definir o primeiro colocado do Grupo U ao final da primeira fase.

“Agora é decidir a liderança com o Barretos, em casa. Eles são superiores em todos os aspectos, mas vamos ver se conseguimos fazer um jogo de igual para igual”, disse Marolo. O treinador da equipe de Ribeirão elogiou o desempenho da defesa na partida de ontem. “Isso nos possibilitou abrir uma vantagem de 20 pontos”, analisou. 

Fonte: Jornal A Cidade

sábado, 20 de setembro de 2014

Paulista 2014: Presidente Venceslau 74 x 69 Santo André

O Top Therm/Grupo Leonardi/Sicredi/UNIESP/Presidente Venceslau se isolou na liderança do Campeonato Paulista Feminino – 2014 ao derrotar o Basketball Santo André, neste sábado (20 de setembro), por 74 a 69 (32 a 30 no primeiro tempo), em duelo realizado no ginásio Municipal Milton Fenley Azenha (Centro Cívico), na cidade de Americana (SP), na abertura da segunda rodada dupla da primeira fase. Com este resultado, o time comandado pelo técnico Flavio do Prado chegou aos quatro pontos, decorrentes de dois resultados positivos.
E a partida foi bastante movimentada, com os dois times lutando pela vitória e tornando a partida dinâmica. Na volta do intervalo, o time de Presidente Venceslau conseguiu um melhor rendimento e abriu vantagem de nove pontos (52 a 43).
No quarto final, Santo André buscou a recuperação, mas a equipe do técnico Flávio Prado soube manter o controle do marcador para vencer a segunda no estadual.
As atletas mais efetivas foram Jeanne, com 20 pontos, pelo Top Therm/Grupo Leonardi/Sicredi/UNIESP/Presidente Venceslau; e Thaissa Frediani, com 21 pontos, em favor do Basketball Santo André.
“Nós continuamos com o pé bem no chão, mas fizemos mais outra boa partida, com as nossas jogadoras fazendo muito bem o trabalho em quadra, executando o que trambalhamos nos treinamentos”, analisa o técnico Flavio Prado, do time de Presidente Venceslau.
“O campeonato está muito igual e vamos seguir trabalhando para buscar os nossos objetivos. A equipe de Presidente Venceslau conseguiu um grande rendimento, marcando forte e saindo no contra ataque”, comenta a armadora Thaissa Frediani, do Basketball Santo André.
O próximo compromisso do Top Therm/Grupo Leonardi/Sicredi/UNIESP/Presidente Venceslau será contra o Rio Claro Basquete, no dia 04 de outubro (sábado), às 20h00 (de Brasília), em Rio Claro (SP). Já o Basketball Santo André buscará a recuperação contra a Unimed/Americana, na mesma data, só que ás 18h00 (de Brasília).
Fonte: LBF

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Seleção feminina embarca neste sábado para a Turquia



São José dos Campos, SP – Depois de quase três meses de preparação, a Seleção Brasileira Adulta Feminina embarca, neste sábado (dia 20), às 16h45 de Brasília, no voo da Lufthansa (LH 505), no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), para a capital turca de Ancara, onde disputará a primeira fase do 17º Campeonato Mundial da Turquia, de 27 de setembro a 5 de outubro. O Brasil está no grupo “A” do Mundial e terá como adversários na primeira fase a República Tcheca (27), Espanha (28) e Japão (30). 

A preparação do jovem grupo contou com três amistosos contra a Seleção do Canadá (26 a 28 de junho), cinco partidas e o título invicto do 34º Campeonato Sul-Americano do Equador (14 a 18 de agosto), três jogos contra Turquia, Austrália e Canadá na Zafer Cup (22 a 24 de agosto) e dois jogos contra França e um contra Angola no Torneio Internacional de Limoges (26 a 30 de agosto). 

"Fizemos uma boa preparação. Tivemos a importante vinda das jogadoras que atuam na WNBA e que irão nos ajudar bastante nesse Mundial. Acredito que fizemos a melhor preparação possível dentro do que tínhamos e alcançamos os limites desejados. Agora vamos ver dentro da competição a resposta que teremos do trabalho realizado. Preciso tirar o máximo desse grupo jovem para que possamos surpreender no Mundial", avaliou o técnico Luiz Augusto Zanon.

A experiente pivô Érika de Souza, que há 12 anos atua na WNBA, afirmou que as brasileiras podem surpreender no Mundial da Turquia. 

"Quem acompanhou sabe que as meninas treinaram bastante. Estou acompanhando o trabalho que vem sendo feito desde o início da preparação e nada mais justo do que uma medalha para coroar um trabalho bem feito. Elas merecem, estão longe da família esse tempo todo, jogando e querendo colocar em prática tudo que aprenderam. Independente do adversário vamos dar o máximo para mostrar que o Brasil está voltando e que não vive de passado. Essas meninas darão ainda muitas alegrias ao povo brasileiro", destacou a pivô, que irá disputar o sexto Mundial de sua carreira e o quarto adulto.

Campeonato Mundial da Turquia

Nas oitavas de final, o Brasil poderá enfrentar um dos três primeiros colocados na chave “B”: Canadá, França, Moçambique ou Turquia. O grupo “C” é formado por Austrália, Cuba, Bielorrússia e Coréia. E no “D” estão Angola, China, Estados Unidos (atual campeão olímpico e mundial) e Sérvia.

Seleção Brasileira Adulta Feminina
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – Naturalidade
4. Adriana Moisés Pinto – Armadora – 35 anos – 1,65m – América Basquete Recife (PE) – SP
5. Débora Fernandes da Costa – Armadora – 23 anos – 1,64m – São José Desportivo (SP) – SP
6. Joice dos Santos Coelho – Ala – 21 anos – 1,80m – São José Desportivo (SP) – RJ
7. Patrícia Teixeira Ribeiro – Ala – 23 anos – 1,78m – São José Desportivo (SP) – SP
8. Tainá Mayara da Paixão – Armadora – 22 anos – 1,73m – América Basquete Recife (PE) – SP
9. Jaqueline de Paula Silvestre – Ala – 28 anos – 1,79m – Basketball Santo André (SP) – SP
10. Tatiane Pacheco Nascimento – Ala – 23 anos – 1,81m – América Basquete Recife (PE) – SP
11. Clarissa Cristina dos Santos – Pivô – 26 anos – 1,82m – ADCF Unimed Americana (SP) – RJ
12. Damiris Dantas do Amaral – Ala/Pivô – 21 anos – 1,93m – Minnesota Lynx (EUA) – SP
13. Nádia Gomes Colhado – Pivô – 25 anos – 1,93m – Atlanta Dream (EUA) – PR
14. Érika Cristina de Souza – Pivô – 32 anos – 1,96m – Atlanta Dream (EUA) – RJ
15. Isabela Ramona Lyra Macedo – Ala – 20 anos – 1,79m – São José Desportivo (SP) – BA

Média de Idade: 25 anos / Média de Altura: 1,80m

Comissão Técnica

Administrador: Bruno Gomes de Valentin
Técnico: Luiz Augusto Zanon
Assistente Técnico: Cristiano Cedra
Preparador Físico: Clóvis Roberto Rossi Haddad
Auxiliar de Preparação Física: Rafael Julio Fachina
Médico: Dr. Jorge Luiz Fernandes Oliva Junior
Fisioterapeutas: Milena Perroni e Paula Hensel
Massagista: Jailma Rocha Neves
Nutricionista: Mirtes Stancanelli

Os grupos

“A” – Sede: Ancara 
Brasil, Espanha, Japão e República Tcheca

“B” – Sede: Ancara 
Canadá, França, Moçambique e Turquia 

“C” – Sede: Istambul
Austrália, Bielorrússia, Coréia e Cuba 

“D” – Sede: Istambul 
Angola, China, Estados Unidos e Sérvia

Tabela da 1ª Fase

1ª rodada – Dia 27 de setembro

“A”: Japão x Espanha (10h15) e Brasil x República Tcheca (15h15)
“B”: Moçambique x Canadá (8h) e Turquia x França (13h)
“C”: Cuba x Austrália (8h15) e Coréia x Bielorrússia (10h30) 
“D”: Sérvia x Angola (13h15) e China x Estados Unidos (15h30)

2ª rodada – Dia 28 de setembro

“A”: República Tcheca x Japão (10h15) e Espanha x Brasil (15h15) 
“B”: França x Moçambique (8h) e Canadá x Turquia (13h)
“C”: Austrália x Coréia (8h15) e Bielorrússia x Cuba (13h15) 
“D”: Angola x China (10h30) e Estados Unidos x Sérvia (15h30) 

3ª rodada – Dia 30 de setembro

“A”: Brasil x Japão (8h) e Espanha x República Tcheca (10h15)
“B”: Moçambique x Turquia (13h) e França x Canadá (15h15)
“C”: Austrália x Bielorrússia (10h30) e Coréia x Cuba (13h15) 
“D”: Sérvia x China (8h15) e Estados Unidos x Angola (15h30)

Fonte: CBB

A reta final da preparação da República Tcheca, primeiro adversário do Brasil no Mundial

Eva Viteckova - principal destaque da República Tcheca

Adversário do Brasil na estreia do Mundial da Turquia, no dia 27 de setembro, a seleção da República Tcheca realizou dois jogos amistosos contra a seleção da Sérvia.

As partidas foram disputadas na última quarta e quinta-feira (17 e 18/09) em Belgrado, capital da Sérvia.

No primeiro jogo, vitória das tchecas, com destaque para ala/pivô Eva Viteckova com 19 pontos.


Sérvia: Radocaj 24, Rad 16, Milovanovic 15, A. Dabovic 12, M. Dabovic 8, Cado 5

República Tcheca: Viteckova 19, Elhotova 13, Hanusova 12, Bartonova 9, Kulichova 9, Sedlakova 9, Peckova 7, Vesela 5

Na segunda partida, as sérvias devolveram a derrota do dia anterior, impondo uma diferença de 16 pontos. A cestinha da partida foi a pivô Alena Hanusova com 16 pontos, outro destaque tcheco foi  a ala Michaela Stejskalova com 12 pontos.


Sérvia: A. Dabovic 13, Radocaj 11, Markovic 8, Cado 7, M. Dabovic 7, Krnjic 6, Butulija 6, Jovanovic 5, Ajdukovic 5

República Tcheca: Hanusova 16, Stejskalova 12, Peckova 8, Elhotova 6, Kulichova 6





O próximo compromisso da República Tcheca é uma partida amistosa contra a seleção dos Estados Unidos, no dia 23 de setembro, na capital Praga, que marcará a despedida das tchecas de sua torcida, antes do embarque para a Turquia.

A seguir, vídeos de alguns jogos amistosos que a República Tcheca realizou recentemente:

República Tcheca 55 x 52 Canadá (28 de agosto)





República Tcheca 91 x 42 Moçambique (21 de agosto)




República Tcheca 82 x 45 Moçambique (19 de agosto)


Seleção feminina de basquete viaja para Turquia amanhã (20/09)

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Vídeo: Adversários do Brasil no Mundial de Basquete Feminino - Espanha x Japão

Essa partida entre Espanha e Japão aconteceu no último dia 05 de setembro, válida pela segunda rodada do Torneio
Internacional de Múrcia/ES.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Espanha é campeã do Torneio Internacional de Minsk



A Espanha, adversária do Brasil no grupo A do Mundial de Basquete, foi a campeã do Torneio Internacional de Minsk na Bielorrússia, que contou também com a participação de China e Turquia.

Primeira rodada (14/09):

Belarus - China 70-64
Belarus: Leuchanka 15 (9 reb, 5 a), Likhtarovich 13, Snytsina 8, Troina 7, Anufryienka 6, Ziuzkova 5 China : Yanyan 18, Wen 12, Ting 10, Xiaojia 9

Espanha - Turquia 55-51
Espanha: Xargay 13, Cruz 11 (5 reb), Nicholls 10 (9 reb), Torrens 9, Dominguez 6
Turquia: Canitez 12, Vardarli 7, Hollingsworth 6 (13 reb), Sanders 5 (6 reb ), Palazoglu 5, 5 Koksal

Vídeo: Espanha x Turquia

Segunda rodada (15/09):

China – Turquia 61-62
China: Wen 12 (9 reb), Song 12 (5 reb), Yangyan 10, Xiaojia 8, Ting 6
Turquia: Yilmaz 14, Sanders 10 (7 reb), Ivegin 8, Palazoglu 8, Vardarli 8, Alben 5 (8 as), Koksal 5

Belarus – Espanha 81-82
Belarus: Leuchanka 22 (15 reb), Snytsina 15, Troina 14, Ziuzkova 10, Papova 8, Anufrienka 5, Trafimava 5
Espanha: Torrens 26 (5 reb), Cruz 21, Dominguez 8, Nicholls 7 (7 reb), Palau 6, Xargay 6

Vídeo: Belarus x Espanha

Terceira rodada (16/09):

Belarus – Turquia 65-63
Belarus: Leuchanka 14 (8 reb), Snytsina 12, Troina 10, Drozd 8, Anufrienka 7, Likhtarovich 5, Papova 5
Turquia: Sanders 15, Yilmaz 13, Alben 7, Koksal 6, Caglar 6, Ivegin 5

Espanha – China 58-55
Espanha: Ndour 20 (15 reb), Torrens 14, Palau 6, Martinez 6, Xargay 5
China: Song 9 (8 reb), Feng 8, Mengran 8 (6 reb), Hongpin 8 (8 reb), Yanyan 6, Wen 6 (7 reb)

Vídeo: Espanha x China

Com último corte, Zanon define as doze atletas que defenderão o Brasil no Mundial da Turquia



São José dos Campos, SP - Adrianinha Moisés, Débora Costa e Tainá Paixão (armadoras); Tatiane Pacheco, Joice Coelho, Isabela Ramona, Jaqueline e Patrícia Teixeira (alas); Damiris Dantas, Érika de Souza, Clarissa Santos, Nádia Colhado (pivôs). Essas são as 12 jogadoras escolhidas pelo treinador Luiz Augusto Zanon para defender o Brasil no 17º Campeonato Mundial da Turquia, de 27 de setembro a 5 de outubro. 

A definição ocorreu logo após o jogo-treino da tarde desta terça-feira (dia 16) no ginásio do ADC General Motors (Avenida General Motors, 1959 – Jardim Motorama), em São José dos Campos (SP). Das 13 jogadoras que ainda estavam treinando com a equipe nacional, Zanon decidiu pela liberação da pivô Fabiana Caetano.

"Foi uma decisão muito difícil, primeiro porque a Fabiana cresceu muito desde que iniciou o trabalho com a gente. Tem um potencial de futuro muito grande, mas tivemos um fortalecimento no setor das pivôs que obrigou que tomássemos a decisão de viajar com cinco pivôs ou cinco alas. Vamos a partir desse momento tentar montar a melhor situação possível para esse time para que essas pivôs recém-chegadas se encaixem e definir as opções táticas", contou Zanon.

"Com o setor de pivôs fortalecido, vamos manter o jogo rápido de transição e defesa forte e junto com isso vamos analisar o comportamento dessas pivôs que chegaram agora. Estamos trabalhando para tirar o máximo desse jovem grupo", completou o técnico.

Na tarde desta terça-feira, a equipe nacional enfrentou o time Sub-18 masculino de São José dos Campos no ginásio da GM. O jogo-treino finalizou com o placar empatado em 81 a 81 (38 a 38 no primeiro tempo). A partida serviu como avaliação para o treinador realizar os últimos acertos antes do embarque para a Turquia no próximo sábado (20).

"Foi uma ótima partida. Acho que a intensidade poderia ter sido um pouco mais forte, mas ainda faz parte do processo de treinamento. Tivemos a oportunidade de ver as meninas executando arremessos e saindo bem das jogadas com definição, além de uma defesa bem postada contra os meninos que fisicamente são mais fortes. Ainda tivemos alguns erros de finalização e execução de jogada na hora certa", avaliou o treinador.

Zanon garante que viaja confiante com o trabalho realizado até o momento com a equipe verde-amarela. "Queremos o máximo que pode ser surpreender ou sentirem o nervosismo e o peso da competição e não ir longe no Mundial. Nosso objetivo é disputar o maior número de jogos, que pode ser seis ou sete e que poderão resultar de primeiro ao quinto lugares", comentou Zanon. 

Já a pivô Érika de Souza, campeã da WNBA com os Los Angeles Sparks, em 2002, falou sobre a expectativa para a disputa de seu sexto Campeonato Mundial, o quarto adulto. A brasileira que defende o Atlanta Dream desde 2008, destacou ainda que dará o máximo para ajudar o Brasil a conquistar uma boa classificação.

"A expectativa é a mais positiva possível. Eu e as meninas vamos lutar com unhas e dentes e muita garra pelos resultados positivos. Queremos voltar com uma medalha no peito e mostrar que o basquete brasileiro não vive apenas de lembranças. Estamos fazendo um trabalho de renovação e renascimento. Quero contribuir dando o meu máximo dentro de quadra para mostrarmos porque estamos no Mundial", afirmou a pivô, que há 12 anos atua na WNBA. 

O Brasil está no grupo “A” do Mundial, com sede em Ancara, e terá como adversários na primeira fase: a República Tcheca (27), Espanha (28) e Japão (30). Nas oitavas de final, o Brasil poderá enfrentar um dos quatro primeiros colocados na chave “B”: Canadá, França, Moçambique ou Turquia. O grupo “C” é formado por Austrália, Cuba, Bielorrússia e Coréia. E no “D” estão Angola, China, Estados Unidos (atual campeão olímpico e mundial) e Sérvia.

BRASIL (15 + 23 + 28 + 15 = 81)
SÃO JOSÉ (23 + 15 + 18 + 15 = 81)

Confira fotos do treino realizado na última semana em São José dos Campos SELEÇÃO ADULTA FEMININA. Crédito: Wagner Carmo/InovaFoto

Seleção Brasileira Adulta Feminina
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – Naturalidade

Adriana Moisés Pinto – Armadora – 35 anos – 1,65m – América Basquete Recife (PE) – SP
Clarissa Cristina dos Santos – Pivô – 26 anos – 1,82m – ADCF Unimed Americana (SP) – RJ
Damiris Dantas do Amaral – Ala/Pivô – 21 anos – 1,93m – Minnesota Lynx (EUA) – SP
Débora Fernandes da Costa – Armadora – 23 anos – 1,64m – São José Desportivo (SP) – SP
Érika Cristina de Souza – Pivô – 32 anos – 1,96m – Atlanta Dream (EUA) – RJ
Isabela Ramona Lyra Macedo – Ala – 20 anos – 1,79m – São José Desportivo (SP) – BA
Jaqueline de Paula Silvestre – Ala – 28 anos – 1,78m – Basketball Santo André (SP) – SP
Joice dos Santos Coelho – Ala – 21 anos – 1,81m – São José Desportivo (SP) – RJ
Nádia Gomes Colhado – Pivô – 25 anos – 1,94m – Atlanta Dream (EUA) – PR
Patrícia Teixeira Ribeiro – Ala – 23 anos – 1,75m – São José Desportivo (SP) – SP
Tainá Mayara da Paixão – Armadora – 22 anos – 1,71m – América Basquete Recife (PE) – SP
Tatiane Pacheco Nascimento – Ala – 23 anos – 1,80m – América Basquete Recife (PE) – SP
Média de Idade: 25 anos / Média de Altura: 1,80m

Comissão Técnica

Administrador: Bruno Gomes de Valentin
Técnico: Luiz Augusto Zanon
Assistente Técnico: Cristiano Cedra
Preparador Físico: Clóvis Roberto Rossi Haddad
Auxiliar de Preparação Física: Rafael Julio Fachina
Médico: Dr. Jorge Luiz Fernandes Oliva Junior
Fisioterapeutas: Milena Perroni e Paula Hensel
Massagista: Jailma Rocha Neves
Nutricionista: Mirtes Stancanelli

Programação dos Treinos
Local: Ginásio do ADC General Motors
Endereço: Avenida General Motors, 1959 – Jardim Motorama - São José dos Campos (SP)

Quarta-feira (dia 17 de setembro)
09h00 - Academia
10h00/12h00 - Treino
17h30/19h30 - Treino

Quinta-feira (dia 18 de setembro)
08h30 - Treino Físico
09h00/11h00 - Treino

Sexta-feira (dia 19 de setembro)
Folga

Sábado (dia 20 de setembro)
O embarque para a Turquia está marcado para às 16h45 de Brasília, no voo da Lufthansa (LH 505), no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

Fonte: CBB

terça-feira, 16 de setembro de 2014

‘Cestinhas do Futuro’ abre as portas para comunidade de Santo Amaro

Descoberta numa escolinha de basquete, atleta e técnica Vanessa Gattei busca, a partir desta quarta (17), garimpar novos talentos na segunda etapa do projeto

Roberto Dornelas e Vanessa Gattei conversam com garotada do Sesc, em foto de Cléber Faustino/UNINASSAU
Na pequena Itapira, cidade hoje com cerca de 70 mil habitantes e a 173 km de São Paulo, Vanessa ficou sabendo que a prefeitura local havia aberto inscrições para uma escolinha de basquete. A curiosidade a fez trocar os treinos de atletismo pelo novo esporte. Tinha início ali a trajetória da jogadora em atividade no país com o maior número de títulos nacionais (seis no total).

Prestes a disputar sua última temporada como atleta, Vanessa Gattei começará nesta quarta-feira (17) a garimpar novos talentos para o basquete, usando não só o que aprendeu nos 14 anos de quadra, mas na sua própria experiência de vida.

Será a segunda etapa do projeto Cestinhas do Futuro, da Uninassau/América, em parceria com o Sesc, que abrirá as portas da unidade de Santo Amaro para que meninas de 7 a 11 anos possam aprender a fazer as suas primeiras cestas no basquete.

A primeira etapa do Cestinhas do Futuro, com a escolinha mista, funciona há duas semanas e atende aos filhos dos associados do Sesc, no próprio ginásio da unidade de Santo Amaro.

SERVIÇO

O QUE É: Lançamento do projeto Cestinhas do Futuro, escolinha aberta para o feminino
QUANDO: Quarta-feira (17/09), das 15h às 17h
ONDE: Sesc, de Santo Amaro
PARA QUEM: Meninas de 7 a 11 anos
OBS: As inscrições poderão ser feitas no local e horário das aulas

França, Sérvia e Japão participaram de triangular preparatório para o Mundial da Turquia

2014 Worlds: Serbia bounces back against Japan

As seleções participantes do Mundial da Turquia seguem em ritmo intenso de preparação, diputando torneios e amistosos internacionais.

Na França, a seleção da casa recebeu nos dias 10, 11 e 12 de setembro o Japão e a Sérvia, na disputa do triangular  de Boulazac, já contando com os reforços de suas duas atletas que disputaram a temporada da WNBA, Sandrine Gruda e Celine Dumerc.

Na estreia da competição, a Sérvia venceu o Japão, em seguida as francesas venceram as japonesas e na final do torneio, as servias surpreenderam e venceram a seleção da casa, na primeira derrota da França na preparação para o Mundial.

França – Japão 78-48
França: E. Miyem 16 (5 reb), S. Gruda 12 (7 reb), M. Amant 12 (7 reb), A. Cata-Chitiga 10 (6 reb), P. Salagnac 8, C. Dumerc 7 (9 as), H. Ciak 6
Japão: R. Tokashiki 17, M. Takada 8 (5 to)

Sérvia – Japão 72-58
Sérvia: N. Jonanovic 22 (5 reb), A. Dabovic 15 (5 as), J. Milovanovic 11, S. Cado 7, T. Ajdukovic 6 (5 reb), T. Radocaj 5
Japão: M. Kurihara 18, R. Tokashiki 16 (5 reb), M. Takada 8 (7 reb), Y. Mamiya 8 (6 reb)

França – Sérvia 69-71
França: S. Gruda 16 (10 reb), M. Amant 10 (6 reb), C. Dumerc 9 (7 as), P. Salagnac 7, E. Miyem 6, H. Ciak 6, G. Skrela 5
Sérvia: A. Dabovic 16, T. Radocaj 14 (5 as), D. Butulija 12, M. Dabovic 11, J. Rad 7 (5 reb)

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Kelly Santos deixa o Americana e se transfere para time da Turquia


A pivô Kelly Santos anunciou esta semana a saída da Unimed/Americana. A experiente jogadora havia fechado contrato com a equipe do interior paulista, porém uma proposta muito boa do Osmaniye Gençlik Spor, da Turquia, a fez mudar os planos para a temporada 2014/2015.

- Passei três meses em Americana e tive muitas aulas de profissionalismo e lealdade dentro de quadra durante este período. Só que recebi uma proposta irrecusável da equipe turca e aceitei o desafio - explicou Kelly, de 34 anos e 1,92m. - O Osmaniye Gençlik Spor é um time que subiu para primeira divisão agora e decidiu fazer investimentos com objetivo de se classificar para a Eurocopa no próximo ano.

Ao longo de sua carreira, a pivô atuou por diversos clubes no Brasil, Estados Unidos, atuando na WNBA, e na Europa, como Espanha, França e Turquia. A jogadora ainda tem passagem pelo basquete do Equador e da Colômbia.

A viagem para a cidade turca de Osmaniye vai acontecer nos próximos dias, assim que resolver as questões burocráticas do visto.

- Recebi propostas de outras equipes do Brasil e exterior, mas optei pelo basquete turco pela força e qualidade de seu campeonato, que está entre os melhores, junto com a WNBA – justificou.

Fonte: Ahe!


Sassá volta a se contundir e Zanon faz último corte amanhã

20140915_652382_Armadoras_Taina_DRICA_DEB_GDE

Sob o comando do treinador Luiz Augusto Zanon e do assistente técnico Cristiano Cedra, a Seleção Brasileira Adulta Feminina iniciou, nesta segunda-feira (dia 15), a última semana de treinamentos no ginásio do ADC General Motors (Avenida General Motors, 1959 – Jardim Motorama), em São José dos Campos (SP). A equipe nacional embarca no próximo sábado (20) para a disputa do 17º Campeonato Mundial da Turquia, de 27 de setembro a 5 de outubro.
No comando da armação da Seleção Brasileira estão Adrianinha Moisés, Tainá Paixão e Débora Costa. As três atletas são as responsáveis pela organização da equipe e uma espécie de técnicos dentro da quadra. Titular do trio, Adrianinha, de 35 anos e 1,65m, é a mais velha e experiente do grupo e falou sobre o legado que deixa na posição.
"É uma honra passar a minha posição para meninas com tanto potencial. Eu também aprendo muito com a juventude delas. Procuro passar a seriedade dos treinamentos, a valorização que devemos ter em usar a camisa da seleção e a importância de estar representando uma nação. O principal que converso com elas é essa oportunidade que estão tendo e que eu também tive quando comecei na seleção. É o primeiro passo de uma nova geração, pois são elas que vão ocupar esse lugar nos próximos anos", analisou Adrianinha.
Débora, 23 anos e 1,64m, e Tainá, de 22 anos e 1,71m, são as substitutas de Adrianinha que ocupa a vaga de titular absoluta na posição.
"É muito bom ser armadora e ter a responsabilidade de comandar a Seleção Brasileira. Estou adorando jogar com elas e a Adrianinha me ajuda muito. Estou tendo um crescimento e aprendizado individual que levarei comigo para o resto da minha carreira", afirmou Débora.
"A Adrianinha é uma grande companheira e sempre tenta nos ajudar. Para mim ela é a melhor do Brasil, então é com ela que temos que treinar e aprender. Ela é sempre muito atenciosa e companheira. Nos treinos procuro marcá-la para ter essa preparação também. Ela nos ajuda muito conversando e mostrando as movimentações em quadra", destacou Tainá, que atua no América Basquete Recife (PE).
As armadoras estão sendo as responsáveis em passar para as pivôs Érika de Souza, Damiris Dantas e Nádia Colhado, que se juntaram ao grupo apenas nesta última fase, as jogadas táticas que foram ensinadas pelo treinador Zanon.
"É muito bom poder fazer esse papel para meninas que possuem a experiência delas. É gratificante. Eu tento passar tudo o que sei, auxiliar nas jogadas, corrigir alguma coisa quando precisa e principalmente aprender com todas elas. As meninas estão bastante abertas e isso me ajuda na comunicação. Esse processo facilitou a adaptação das que chegaram e também no entrosamento que estamos ganhando a cada dia", pontuou Débora, que defende a equipe do São José Desportivo (SP).
Seleção treina com 13 jogadoras
A comissão técnica liberou dos treinos em São José dos Campos (SP) a atleta Vanessa Gonçalves, a Sassá, do Basketball Santo André (SP). A ala-pivô sofreu uma entorse no joelho esquerdo e seguirá com o tratamento na cidade do ABC Paulista. A definição das 12 jogadoras que irão defender o Brasil no Mundial da Turquia acontece nesta terça-feira (16), na parte da tarde.

domingo, 14 de setembro de 2014

Janeth espera revelar novos talentos para o basquete em João Pessoa

janeth, janeth arcain, instituito janeth arcain (Foto: Lucas Barros / GloboEsporte.com/pb)

Em busca de "plantar a semente e colher bons frutos" para o basquete do país, a ex-ala da seleção brasileira Janeth Arcain fez o lançamento neste sábado do Instituto, que carrega o nome dela, em João Pessoa. A Paraíba é o primeiro estado após São Paulo a receber o centro de formação para novos atletas. Durante o evento, na Ansef (Associação dos Servidores Federais na Paraíba), Janeth falou sobre a carreira vitoriosa, interagiu bastante com a turma nas arquibancadas e ainda comandou um desafio de enterradas. 

O desafio de enterradas foi o destaque do evento. Quatro jogadores da equipe da Ansef foram convidados por Janeth para participar da brincadeira, entre eles, Andersson. O lateral ficou emocionando com a oportunidade de estar ao lado de uma estrela e garantiu ter a ex-ala como espelho para brilhar um dia com a camisa do Brasil. 
- É uma experiência única. Ela é uma das melhores jogadoras de basquete no mundo do feminino. Esses lances aqui terminou se tornando uma responsabilidade muito grande. É algo bem interessante de acontecer - comentou Andersson.
A responsável por comandar o Instituto Janeth Arcain na Paraíba será a técnica Janaína Chianca. Amiga da ex-jogadora, ela espera ter um trabalho de base forte agregando a esse projeto crianças carentes. 
- Vai ser uma coisa bem legal. Jogava basquete antigamente e e tinha Janeth como ídolo. Acho que vai ser demais agregar o esporte que eu amo a pessoa que eu admiro. É uma responsabilidade grande, mas que estou pronta para assumir - comentou Janaína Chianca. 
Janeth quer estimular outras crianças a praticar a modalidade, assim como ela, desde cedo. A primeira chance foi aos 13 anos, em Catanduva, no interior de São Paulo. Naquela época, já sonhava representar o país. Aos 16 anos, ela conseguiu ingressar na seleção brasileira adulta e depois chegou ao ápice da carreira com a conquista da medalha olímpica por duas vezes: prata em Atlanta (1996) e bronze em Sydney (2000).
- O Brasil é um grande celeiro. Acredito que em João Pessoa possa ter mais atletas que futuramente defendam a seleção do Estado e, quem sabe, a seleção brasileira. É uma semente que estamos plantando - afirmou Janeth. 
Para colaborar com essas conquistas na carreira, a dedicação de Janeth era intensa após os treinamentos com atividades extras de fundamentos. Ficava em quadra tentando fazer várias cestas, tanto que teve bursite (repetição de movimentos em determinadas articulações. No caso dela, o ombro). 
- Quando terminava os treinos, eu ficava fazendo 200, 300, 400 cestas. E quando você vai se dedicando, tudo vira uma consequência do que você vai conquistando, do trabalho que vai fazendo no decorrer da carreira. Sempre treinei muito e sempre amei o que faço. Isso me ajudou. Não acabou nem sendo um trabalho, acabou sendo um amor - disse a ex-ala. 
O ala/armador paraibano Felipe Araújo participou por dois anos do Instituto Janeth Arcain, quando morou em São Paulo. Depois, ele teve a chance de atuar no Santo André, Palmeiras e Sport. Mas após ser aprovado no curso de Economia na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), acabou deixando o basquete um pouco de lado. 
- Aprendi no projeto captar alguns valores que levo hoje para vida. O respeito, confiar em você mesmo, dignidade... Acho que o principal foi não ser mais um. Nunca seja mais um. Foi um princípio muito forte. Ter essa experiência ao lado de Janeth foi incrível. A proximidade com ela era muito grande. Inclusive, ela foi minha técnica durante um ano. Você ver que uma pessoa que ganhou tanta coisa tem uma humildade sem tamanho e consegue dar atenção as pessoas de uma maneira diferente. É uma pessoa diferenciada - revelou o paraibano. 
As atividades do Instituto Janeth Arcain, em João Pessoa, para 100 crianças de 7 a 16 anos, são gratuitas. Os treinamentos devem funcionar duas vezes na semana. 
Fonte: Globoesporte.com

sábado, 13 de setembro de 2014

Mariana Camargo exalta conjunto na estreia e define triunfo como perfeito

Mariana Camargo e Natália Burian - basquete feminino de Venceslau na estreia do Paulista (Foto: João Paulo Tilio / GloboEsporte.com)



Vencer o melhor basquete feminino da atualidade é uma tarefa difícil. Para isso ocorrer, mais que um destaque individual, é preciso que o conjunto funcione. Foi com essa característica quePresidente Venceslau conseguiu a vitória de 77 a 62 na estreia do Campeonato Paulista da Divisão Especial A-1, na noite desta sexta-feira (12), sobre Americana, a atual campeã brasileira e estadual (veja no vídeo). Cestinha da partida com 23 pontos, Mariana Camargo exalta o desempenho das companheiras no jogo em casa.

- A gente estava treinando muito, desde maio. Mesmo com poucas atletas mantemos o ritmo, nos comprometemos a começar bem o campeonato e sabíamos que íamos pegar um time muito forte já no início. Então a gente se comprometeu mesmo desde o início do jogo e conseguiu a vitória justamente pelo trabalho em equipe - fala a ala venceslauense.
Em quadra, o conjunto venceslauense deu dinâmica ao jogo. Além de Mariana Camargo, toda a equipe se portou bem. Fabi Guedes foi importante nas bolas de três pontos. A americana Amanda Nicole tomou conta dos rebotes e infiltrações. Natália Burian colocou velocidade nos ataques. Silvia Cristina apareceu bem no fim da partida. Jeanne Morais deu conta do recado quando saiu do banco de reservas. Atuações que deixaram a equipe à frente no placar do início ao fim da partida. 
- Foi um bom começo, a gente sempre quer melhorar, sou muito crítica, sempre tem umas bolas que a gente acha que pode ser melhor, mas eu estou muito feliz. Só de ter ganho e sair com essa vitória já é perfeito - comenta Mariana Camargo.
Com uma semana cheia para trabalhar, Venceslau volta a quadra no próximo sábado (20), contra Santo André, em Americana.
Fonte: Globoesporte.com


Seleção feminina espanhola presente as semifinais do mundial masculino em Madri

Ja estava tudo programado. A visita da selecao feminina no jogo das semifinais do mundial masculino era uma jogada de marketing lancada pela federacao espanhola, pois todos contavam que naquela sexta as 22h em Madri, o time de Pau Gasol estaria "passeando" rumo a uma vaga na final.



Como a ÑBA (como é conhecida aqui) naufragou ainda nas quartas, as companheiras de Alba Torrens (foto ao lado de Valdemoro) contentaram-se em assistir ao confronto entre Servia e França.


Ao conversar com a ala espanhola, a mesma se mostrou bastante confiante com a preparação de sua equipe, que embarca hoje a Misnk, onde enfrentara Turquia, Bielorrusia e China (nesta ordem). Na quarta dia 17, esta programado o retorno para mais dois jogos; Canada e Cuba.




Dentre as atletas, não pude ver Sancho Little, mas sim a jovem Astou N' Dour (foto acima). Vale lembrar que, pelas novas regras da FIBA, uma seleção so podera contar com uma unica atleta naturalizada. Neste caso, ha possibilidades da companheira de Erka e Nadia no Dream perder sua vaga nesta equipe para a senegalesa de nascimento, com seus 1.96m e 20 anos.


Segue abaixo as atletas que participaram destes amistosos acima citados;

Laia Palau, Silvia Domínguez,Leticia Romero, como armadoras, Nuria Martínez, Alba Torrens, Anna Cruz, Marta XargayLeonor Rodríguez, como alas, e Luci Pascua, Cindy Lima, Laura Nicholls, Laura Gil e Astou N'Dour (que seguira como convidada) como pivos.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Campeonato Paulista: Presidente Venceslau 77 x 62 Americana

Em sua estreia no Campeonato Paulista de Basquete Feminino da Série A1, a ADCF Unimed perdeu para Venceslau por 77 a 62, na noite desta sexta-feira (12), no Colégio Ideal, em Presidente Venceslau. A equipe do técnico Antônio Carlos Vendramini não se encontrou em quadra, principalmente no terceiro quarto do jogo, quando permitiu que o time da casa abrisse vantagem de 17 pontos, determinante para o resultado.

Nos dois primeiros quartos, houve relativo equilíbrio. Venceslau venceu o primeiro por 22 a 16 e a ADCF Unimed ganhou o segundo por 21 a 20. O time da casa construiu a vitória no terceiro período ao registrar a parcial de 19 a 7. A equipe de Americana tentou reagir no último quarto e fez 18 a 16, que não foi suficiente para reverter o resultado negativo.

"Venceslau fez ótima partida e mereceu a vitória. Temos que trabalhar ainda mais forte para reverter a situação. Não dá mais para ser campeão invicto, mas dá para ser campeão", disse Vendramini.

A segunda rodada do Campeonato Paulista será disputada no próximo dia 20 (sábado), no Ginásio Mário Antonucci, no Complexo Poliesportivo do Centro Cívico, em Americana. No primeiro jogo, às 18 horas, se enfrentam Santo André e Presidente Venceslau. No segundo, às 20 horas, a ADCF Unimed busca a reabilitação contra Rio Claro.

Cestinhas – Mariana Camargo (23 pontos) e Karla (17 pontos)

Entrevista–Tainá (CBB)

Treino - Treino da Seleção Brasileira Feminina de Basquete. - Brasil - sp - São Jose dos Campos - ADC General Motors -  - www.inovafoto.com.br - id:76053Tainá Mayara da Paixão, de 22 anos e 1,71m, está cheia de motivos para comemorar. A armadora da Seleção Brasileira Adulta já possui os títulos de bicampeã sul-americana (Argentina/2013 e Equador/2014) e bronze na Copa América (México/2013). Mas Tainá destacou que a torcida nacional poderá ter grandes surpresas com esse grupo que se prepara para o 17º Campeonato Mundial da Turquia, de 27 de setembro a 5 de outubro. A paulista de Jundiaí (SP), que joga no América de Recife (PE), foi um dos destaques do Brasil no Campeonato Sul-Americano do Equador e nos amistosos internacionais contra Turquia, Austrália, Canadá, França e Angola. Tainá garante que está pronta para assumir o papel de armadora titular da equipe principal.

O que significa defender pela primeira vez o Brasil em um Mundial?

Ainda não tenho o significado disso definido. Só sei dizer que é tudo para a gente que treina e batalha todo dia por esse objetivo. É uma sensação inexplicável. Quero muito defender o meu país e trazer um bom resultado.

 

O que você tem achado da temporada de preparação?

Achei que toda preparação foi bastante proveitosa. O que podia ser feito foi feito. Soubemos fazer e impor o nosso jogo contra os nossos adversários. Conquistamos o 25º título Sul-Americano e mesmo não estando tão acostumadas com o nível técnico das equipes da Europa, fizemos bons jogos.

O Brasil está no Grupo “A” do Mundial e terá como adversários na primeira fase as seleções da República Tcheca, Espanha e Japão. Que analise você faz desse grupo?

Eu achei um grupo bastante forte. São grandes equipes com muito potencial, mas tenho certeza que elas pensam o mesmo da Seleção Brasileira. Vamos forte para tentar colocar em prática tudo que temos treinado. Tenho certeza que serão jogos duros, mas disputados de igual para igual. Temos estudado muito sobre as atletas individualmente e tentando chegar prontas para cada adversário.

Qual sua expectativa para o Mundial da Turquia?

A melhor possível. Já estão treinando com a gente os reforços que faltavam que são a Érika[de Souza], a Damiris [Dantas] e a Nádia [Colhado]. Elas ainda estão se encaixando na equipe e faltam poucos movimentos para passar para elas. Pelo que treinamos temos capacidade de conquistar bons resultados e quem sabe até surpreender nesse Mundial.

 

Como tem sido esse processo de integração das pivôs que chegaram. Nádia e Damiris são bastante novas, mas como é ensinar as jogadas para uma pivô experiente como a Érika?

Eu na posição de armadora tenho mais facilidade de passar esse tipo de informação para uma jogadora nova, pela facilidade na leitura do jogo. Nunca havia treinado com a Érika e confesso que no início me senti mal, pois não sabia se poderia falar as coisas como deveriam ser ditas para ela. Mas ela é ótima. Dá muita abertura para falar e é uma forma de passar um pouco do que ela sabe. A Érika tem um currículo fantástico em participações com a Seleção Brasileira e está entre as melhores do mundo, enquanto estou indo para o meu primeiro Mundial. Agora já me sinto a vontade até de cobrar [disse entre risos]

Na sua opinião, quais os pontos fortes da seleção brasileira para esse Mundial?

O Brasil é um time muito aguerrido, com as atletas jogando com muita garra independente do adversário. Temos um jogo de transição muito rápido que deixa outros times para trás nisso. Em cada posição temos jogadoras com características bem diferentes. Isso pode fazer a diferença, pois se o banco é forte como as titulares o nível da equipe sobe mais ainda.

E o que falta melhorar para a competição?

São detalhes, como acabar de integrar as novas jogadoras e encaixar um pouco mais as jogadas. São pequenas coisas que podem fazer a diferença.

O que esperar da atleta Tainá neste Mundial?

Espero dar o meu melhor. Sei que preciso melhorar em alguns aspectos, mas tento me superar todo os dias. Pretendo mostrar garra e determinação.

 

Você começou com o pé direito na Seleção Adulta. Bicampeã sul-americana e bronze na Copa América. Que lições você tirou desses campeonatos?

Defender uma categoria adulta é bem diferente de uma de base, que já havia jogado pelo Brasil. É um nível muito maior. Mudei muito desde que recebi minha primeira convocação para a Seleção Adulta, que eu nem esperava que viria. Estou hoje bem mais ousada, me sinto a vontade e solta com o grupo. Em um ano com a equipe me sinto uma jogadora muito diferente e bem mais confiante. Perdi todo receio e medo de errar. Consigo jogar de igual para igual contra qualquer adversário. E o mesmo aconteceu com o resto do grupo. A comissão técnica acredita muito na gente e não há como não procurar honrar isso.

Como explicar o seu excelente desempenho no Sul-Americano e nos amistosos na Europa?

É resultado de muito treino e dedicação. O trabalho de renovação iniciado no ano passado ajudou bastante nos dando tempo de quadra e possibilidade de amadurecer e desempenhar o meu jogo. Mas como todo esporte coletivo, se não fosse as meninas nada disso seria capaz. O grupo todo procura fazer o seu papel bem feito e isso reflete em uma ou outra que acabam se destacando em uma partida.

 

Depois do treino você sempre fica atrás do técnico para pedir novos exercícios específicos de fundamento. De onde vem essa vontade de se tornar uma jogadora de ponta?

Me cobro bastante e sempre acho que posso melhorar. Se no meio do jogo a bola escapa da sua mão, então significa que você tem algo a melhorar. É em busca da perfeição que sempre peço ajuda com exercícios de aprimoramento. O Cristiano [Cedra, assistente técnico] me ajuda muito com essa parte. Treinei com ele em Ourinhos (SP) e evoluí bastante em vários pontos.

Você também se mostrou uma pessoa de liderança dentro de quadra. Como você se vê nesse papel?

Na verdade, desenvolvi isso com a seleção. Quando fui convocada pela primeira vez, eu ficava muito no meu canto e quase não falava, mas o Zanon [Luiz Augusto, técnico] e o Cristiano viviam me falando para que eu falasse com meninas e exercesse o trabalho de liderança, comum no papel de uma armadora. Eu não tinha isso muito aflorado, mas as meninas também foram me dando abertura e eu consegui me soltar.

Você também se mostrou uma pessoa de liderança dentro de quadra. Como você se vê nesse papel?

Na verdade, desenvolvi isso com a seleção. Quando fui convocada pela primeira vez, eu ficava muito no meu canto e quase não falava, mas o Zanon [Luiz Augusto, técnico] e o Cristiano viviam me falando para que eu falasse com meninas e exercesse o trabalho de liderança, comum no papel de uma armadora. Eu não tinha isso muito aflorado, mas as meninas também foram me dando abertura e eu consegui me soltar.

 

Há muitos anos o papel de armadora da Seleção Adulta é da Adrianinha Moisés, que em breve deve se aposentar. Você se sente pronta para assumir essa vaga?

Sim. Estou trabalhando muito duro em busca disso. Treino e tento fazer o meu melhor todos os dias. A Adrianinha é uma grande companheira e sempre tenta me ajudar com isso. Eu escolhi ir jogar em Recife para estar mais próxima dela. Para mim ela é a melhor do Brasil, então é com ela que sempre quis treinar. Presto muita atenção nas movimentações dela e peço para me ensinar algumas bandejas que ela faz e ninguém consegue marcar ou fazer um bloqueio. Nos treinos procuro marcar ela para ter essa preparação também. Ela me ajuda muito.

Os treinadores dizem que fisicamente você tem potencial para jogar fora do Brasil. Esse é um sonho seu?

Meu sonho é que o nível do basquete do Brasil fosse bem maior para que eu não precisasse sair daqui. É verdade que já melhorou muito, mas ainda estamos procurando essa evolução. A WNBA é a maior Liga do mundo e ainda falta muito para qualquer país alcançar esse nível. Então, hoje eu quero sim ir jogar lá ao lado das melhores, mas não é uma coisa que penso sempre. Se acontecer será fruto do meu trabalho. Tento pensar mais no agora.

 

Na LBF você defenderá o América. Já está adaptada com a cidade de Recife?

Já estou super adaptada. As meninas e a comissão técnica me receberam muito bem e me sinto totalmente parte da equipe. Se não fosse o calor que faz lá estaria tudo perfeito. Esse é o mais difícil de se acostumar.

Depois dessa temporada na seleção, você acha que retornou ao clube jogando melhor?

Com certeza. Quando volto dos treinos ou de uma competição com a seleção, a confiança fica inabalada para defender o clube. Além disso, quando vamos bem e conquistamos algum título o astral é alto. Então, voltei bem melhor para o clube do que quando sai.

 

Qual a importância da família em sua carreira?

A minha família é tudo para mim. Eles são o meu suporte e os meus guias. Peço a opinião deles para tudo. Comecei a jogar aos seis anos de idade levada por eles, então sempre estiveram ao meu lado em qualquer momento. Sou a mais nova de quatro irmãs, então elas [Jéssica, Eldra e Kelly] cuidam bastante de mim. Nos falamos todos os dias pelo telefone ou internet.

O que gosta de fazer fora das quadras?

Quando vou para casa, em Jundiaí (SP), e a família se reúne o assunto é sempre o mesmo: basquete. As minhas três irmãs jogaram basquete, então não tem como ser diferente. Gosto de ficar em casa, comer a comidinha que a minha mãe [Esmeralda] faz e ficar perto do meu pai [Antônio]. Gosto muito de ir ao cinema com meu namorado [Sidão], que namoro há mais de três anos. Sempre fui mais caseira.

 

Qual o seu ídolo no esporte?

Sempre gostei de ver a Magic Paula e a Hortência, mas da minha geração é a Adrianinha que mais vi jogar. As minhas irmãs também jogavam como armadoras, então acabava me espelhando nelas.

E o que o basquete trouxe para a sua vida?

Não sei o que seria de mim se tivesse escolhido outra carreira. Agradeço sempre as minhas irmãs que me levavam desde muito pequena aos treinos de basquete. O basquete é tudo para mim e o que eu quero fazer por muito tempo. Comecei a faculdade de serviço social e quando não puder mais jogar quero trabalhar com basquete social e ajudar a trazer mais praticantes para a nossa modalidade.

Campeonato Paulista: Santo André 68 x 65 Rio Claro

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

ADCF Unimed estreia no Paulista em busca do hexa

Karlça Costa em lance do jogo contra Rio Claro - Foto Zaramelo Jr Zara O Campeonato Paulista de Basquete Feminino da Série A1 tem abertura sexta-feira (12), com rodada dupla em Presidente Venceslau, e a ADCF Unimed inicia a caminhada em busca do hexa. Campeão em 2001, 03, 10, 12 e 13, o time de Americana estreia jogando contra a equipe da casa, às 20 horas, no Colégio Ideal. Na preliminar, às 18 horas, se enfrentam Rio Claro e Santo André.

O técnico da ADCF Unimed, Antônio Carlos Vendramini, vê com otimismo o início do Paulista. "O mais importante de tudo, independentemente do número de equipes participantes, é que o campeonato traz motivação às jogadoras, porque não é fácil só ficar treinando sem perspectivas de uma disputa. A partir de agora muda toda a atmosfera", disse o treinador.

O último jogo em alto nível disputado pela ADCF Unimed foi na decisão da LBF (Liga Nacional de Basquete), no dia 19 de abril, quando o time derrotou o Sport, em Recife, e sagrou-se bicampeão brasileiro. Depois disso, a equipe voltou à quadra nos Jogos Regionais, no início de julho, mas diante de adversários pouco tradicionais. Foram quatro vitórias em quatro jogos e a menor diferença no placar foi de 31 pontos na final contra Rio Claro.

"Acredito que vamos começar o Paulista com 50% do nosso potencial. Treinamos bastante a parte física, mas somente jogando é que a equipe se ajusta em termos técnicos e táticos", avaliou Vendramini.

A viagem de Americana até Presidente Venceslau tem duração de oito horas. A delegação da ADCF Unimed viaja na manhã de sexta-feira e retorna logo após o jogo de estreia no Campeonato Paulista.

Fonte: ADCF Unimed

Rádio Esporte Web transmitirá o Campeonato Paulista Feminino – 2014

A Rádio Esporte Web, comandada pelo experiente locutor José Alberto Fuminho (foto), será mais uma vez a voz do basquetebol feminino, agora na cobertura do Campeonato Paulista Adulto Feminino – 2014. A equipe da emissora online (http://www.radioesporteweb.com.br) estará em Presidente Venceslau (SP), na sexta-feira (12 de setembro), a partir das 18h00 (de Brasília), para acompanhar a rodada dupla que abre a competição.

No primeiro jogo, o Rio Claro Basquete encara o Basketball Santo André e, na sequencia, às 20h00 (de Brasília), o anfitrião Top Therm/Grupo Leonardi/Sicredi/Uniesp/Presidente Venceslau encara a atual campeã, Unimed/Americana. Os dois confrontos serão realizados no ginásio Colégio Ideal (rua Piracicaba, 47), na cidade de Presidente Venceslau (SP).

De acordo com o regulamento, o Campeonato Paulista Feminino – 2014 será disputado sempre com rodadas duplas e a final será na casa daquela agremiação que obtiver a melhor campanha.  Na primeira fase, as outras rodadas duplas acontecem no dia 20 de setembro (sábado), em Americana (SP), e no dia 04 de outubro (sábado), em Rio Claro (SP).

Além do locutor José Alberto Fuminho, a equipe da Rádio Esporte Web (http://www.radioesporteweb.com.br) conta com o repórter Gustavo Belofardi. Vale ressaltar que o estadual paulista não terá cobertura de televisão.

Fonte: LBF

Érika e Damiris treinam com a seleção em São José

15023121340_8d3370917e_z

 15023075710_4e2586d7de_z

As pivôs Érika de Souza, do Atlanta Dream, e Damiris Dantas, do Minnesota Lynx, iniciaram, nesta quarta-feira (dia 10), os treinos com a Seleção Brasileira Adulta, que se prepara para o 17º Campeonato Mundial da Turquia, de 27 de setembro a 5 de outubro. As duas pivôs que disputavam uma vaga nos playoffs da WNBA são os reforços do grupo comandado pelo treinador Luiz Augusto Zanon, que se prepara no ginásio do ADC General Motors (Avenida General Motors, 1959 – Jardim Motorama), em São José dos Campos (SP), até o dia 18 de setembro.
A experiente pivô Érika de Souza, de 32 anos e 1,96m, destacou a expectativa para os treinamentos em São José dos Campos e para a disputa do Mundial da Turquia.
"A minha expectativa é sempre a mais positiva. Estou aqui para ajudar as meninas no que for possível e trazer um pouco da minha experiência para o grupo. Os treinos estão bastante fortes e vejo que é uma equipe cheia de gás e renovada. Sabemos que aqui ainda há muita coisa para crescer, muito trabalho a ser feito, mas as meninas evoluíram bastante. Elas tiveram a oportunidade de enfrentar grandes potências como França e Austrália e jogaram de igual para igual. É um grupo que pode trazer bons resultados para o Brasil", destacou Érika.
Para Damiris, que fez sua estreia na temporada 2013/14 da WNBA, a equipe nacional precisará mostrar muita raça para buscar bons resultados na competição. A pivô de 21 anos acredita ainda que pode passar muitos ensinamentos da experiência que já conquistou defendendo o Minnesota Lynx.
"É um grupo novo, mas bem experiente. A gente já viajou bastante e disputamos muitos campeonatos juntas. É um grupo que está com muita vontade e isso é o mais importante. Aprendi muita coisa nessa temporada. Agora tenho que por em prática e passar para as meninas, desde a intensidade dos movimentos como a de jogos. Teremos que ter raça para buscar as vitórias na competição e estou muito confiante, pois temos potencial para isso", comentou Damiris.
O treinado Luiz Zanon destacou o reforço na posição das pivôs com as chegada de Érika e Damiris.
"Está muito bom ver o setor das pivôs reforçado com as meninas firmes. Espero que comecem a entender e desenvolver um pouco do sistema. Elas estão em um estágio diferente, mais de ritmo e pouco condicionamento, precisamos equalizar isso. Mas temos mais uns dias para trabalhar e isso está me deixando muito contente para o fortalecimento da força máxima que temos pela frente", comentou o treinador brasileiro.
Nesta quarta-feira, as jogadoras realizaram um treino físico com circuito e na sequência iniciaram a parte técnico-tática. O preparador físico da Seleção Brasileira, Vita Haddad, avaliou os resultados obtidos com o grupo até o momento.
"A gente vem de uma preparação onde temos intensificado bastante as partes de desenvolvimento da resistência e da força. Chegando mais próximos da competição estamos fazendo trabalhos de velocidade, atividade e reatividade, mas principalmente na transferência da resistência e força para os elementos de quadra. Já estamos encaixando movimentos bastante diferentes, muito mais específicos do jogo na parte de preparação física. Com a Chegada da Érika, Damiris e Nádia [Colhado] temos que dar um novo ajuste e tornar o grupo mais homogêneo para essas condições de velocidade e atividade", explicou o preparador físico.
O embarque para a Turquia está marcado para 20 de setembro, às 16h45 de Brasília, no voo da Lufthansa (LH 505), no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

ADCF Unimed divulga nota sobre a saída de Kelly Santos

A ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DOS COOPERADOS E FUNCIONÁRIOS DA UNIMED DE SANTA BÁRBARA D’OESTE E AMERICANA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO comunica que na data de hoje (11/9) a atleta Kelly Santos Muller abandonou nossa equipe sem nenhum acordo para seu desligamento.
A referida atleta tem contrato válido até a última partida da próxima edição da LBF (Liga de Basquete Feminino) e sua carta de liberação não será dada até que ela pague a quantia estipulada e acordada por ambas as partes para o caso de possível quebra contratual.
A Associação informa que todos os compromissos firmados em contrato com a jogadora estavam sendo rigorosamente cumpridos, inclusive o pagamento do mês de agosto, o qual a jogadora recebeu na data de ontem (10/9), e abandonou a equipe na data de hoje, um dia antes do início do Campeonato Paulista 2014.
Desta forma, a diretoria da ADCF comunica que serão tomadas as devidas providências para que sejam preservados todos os direitos da Associação e lamenta a atitude da jogadora, que desde seu primeiro dia em nossa Associação sempre foi profissionalmente e pessoalmente muito respeitada por toda equipe de trabalho e demais jogadoras.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Rainha Hortência & Magic Paula - ESPN Filmes

Rainha Hortência & Magic Paula ESPN Filmes (2014) - Promo from Pedro Jorge - "Cabron" on Vimeo.

Brasília busca patrocínio para participar pela segunda vez da Liga Feminina de basquete

Vídeo do GloboEsporte DF: aqui!

Isabela Ramona é uma das pré-selecionadas do Brasil para o Mundial da Turquia (Correio da Bahia)

RTEmagicC_isaleba_basquete_inovafoto.jpg Cecílio Angelico

O Mundial feminino de basquete será disputado a partir do dia 27, na Turquia. E pode ter uma baiana na seleção brasileira. A ala Isabela Ramona, de 20 anos, está entre as 15 convocadas pelo técnico Luiz Zanon para o período de treinos que antecede a competição. Só 12 viajarão no dia 20.
A jogadora baiana tem confiança que estará na lista final. “A gente acabou de chegar do Sul-Americano. Estou em um momento muito bom, disputando vaga. Tenho condições. Estou treinando para isso”, destaca Isabela, por telefone.
No Sul-Americano, conquistado pelo Brasil no Equador, a baiana teve a sua primeira experiência com a seleção principal. Ano passado, Isabela foi campeã mundial sub-19 e cestinha da competição. “Foi muito bom pra pegar experiência. Não tive muito tempo de quadra, mas foi muito proveitoso o convívio com as jogadoras mais experientes”, analisa.
Isabela começou a se interessar pelo basquete no clube da Asbac, na Pituba. Aos 10 anos, entrou na turma comandada pelo técnico Gildásio Campos, que mantém sua academia no clube há 22 anos. “Ramona começou aqui ainda criança. Segundo ela, a paixão pelo basquete escolar começou conosco. Eu consegui mostrar que ela tinha habilidade e que poderia seguir em frente”, conta Gildásio, orgulhoso da antiga aluna.
Foram dois anos sendo lapidada nas mãos do treinador. Tempo suficiente para perceber que aquela era uma criança diferenciada. “O olhar dela já dizia isso. Quando ela se preparava pra fazer alguma coisa, a postura de gana, determinação e foco. Sem falar no vigor físico que ela tinha e a forma explosiva que ela realizava as jogadas. Sempre buscava algo a mais”, lembra o professor.
A própria jogadora confirma o que Gildásio viu há 10 anos. “Ele foi o primeiro a ter contato comigo. É verdade,  uma coisa minha, o meu jeito de jogar. Todos os técnicos com quem eu trabalhei falam isso. Jogo muito com o coração, com garra mesmo”, confirma Isabela.
Por questões familiares, Isabela deixou Salvador aos 12 anos para morar no Rio de Janeiro. Em terras cariocas, começou a treinar no Fluminense e não parou mais. Inúmeras convocações para  seleções de base e até convites para jogar no basquete universitário americano. Atualmente no São José, do interior paulista, a ala sabe que sua hora de jogar na terra do Tio Sam chegará. “Quero viver minha vida inteira do basquete. Treinar na Europa, jogar na WNBA, que é a maior liga do mundo”.
Itapuã
Isabela gosta de frisar que não tem residência nem sotaque definidos. Durante a semana, mora com mais duas jogadores em São José. Final de semana é na casa da mãe, no Rio. E, quando dá, mata a saudade da Bahia. “Vou sempre que posso. Meu pai e meus irmãos moram aí. E fico bastante em Itapuã, na casa da minha vó”, conta. Na próxima visita, quem sabe ela não traz na bagagem uma  medalha de Mundial? O primeiro passo já foi dado.

Fonte: Correio da Bahia