sexta-feira, 3 de julho de 2015

terça-feira, 30 de junho de 2015

Zanon corta Leila e define time para o Pan-Americano


Campinas, SP – O técnico Luiz Augusto Zanon definiu a lista das 12 jogadoras que vão defender a Seleção Brasileira Adulta Feminina nos 17º Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, entre os dias 16 e 20 de julho. Carina Martins, Débora da Costa, Tainá da Paixão e Tássia Carcavalli (armadoras); Isabela Ramona, Izabella Sangalli, Jaqueline Silvestre e Patrícia Ribeiro (alas); Fabiana Caetano, Gilmara Justino, Karina Jacob e Kelly Santos (pivôs).

"Definimos a equipe buscando manter uma variação maior no elenco tático, dentro da filosofia de amadurecimento desse grupo. Deixamos claro o nosso objetivo para elas e esperamos o máximo desse grupo. Permanecemos com a grande responsabilidade no processo de amadurecimento, dentro da importância de disputarem os jogos e assim somar experiência a um grupo jovem. Optamos por formar a equipe com uma variação maior entre as jogadoras. São meninas jovens mescladas com algumas experientes, no caso as pivôs. Estamos esperançosos na busca do melhor desempenho dessa seleção nos Jogos Pan-Americanos em Toronto", declarou o treinador.

O Brasil está no Grupo "A" do Pan e faz sua estreia contra os Estados Unidos no dia 16 de julho. Na sequência, as brasileiras enfrentam Porto Rico (17) e República Dominicana (18). A chave "B" é formada por Canadá, Cuba, Argentina e Venezuela. A fase semifinal será disputada no dia 19 e as disputas por medalhas no dia 20. 

Concentrada desde o início de junho na cidade de Campinas (SP), a equipe se prepara até a próxima sexta-feira (dia 3), no Tênis Clube de Campinas. O embarque está marcado para a próxima segunda-feira (6), no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. De 7 a 15 de julho a equipe realizará treinos e amistosos em Toronto.

O basquete é o esporte coletivo com o maior número de medalhas de ouro (8) na história do Pan-Americano e no total (24). A seleção adulta feminina esteve presente em quatorze edições da competição feminina e soma onze medalhas conquistadas. A equipe feminina foi campeã em Winnipeg, no Canadá (1967); em Cáli, na Colômbia (1971); e em Havana, Cuba (1991). As meninas foram quatro vezes medalha de prata e quatro de bronze. No Pan do Rio (2007), O Brasil ficou com a medalha de Prata. 

Forma de disputa do Pan

De acordo com o regulamento da competição, na primeira fase as equipes jogam entre si, em turno único, nos seus respectivos grupos. Os dois primeiros colocados de cada grupo se classificam para a semifinal, no sistema de cruzamento olímpico: A1 x B2 e B1 x A2. Os vencedores decidem o título, enquanto os perdedores disputam a medalha de bronze.

Seleção Brasileira Adulta Feminina
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – UF 
Carina dos Santos Martins – Armadora – 23 anos – 1,72m – ADC São Bernardo (SP) – SP
Débora Fernandes da Costa – Armadora – 23 anos – 1,64m – Uninassau/América Basquete Recife (PE) – SP
Fabiana Caetano de Souza – Pivô – 24 anos – 1,92m – Uninassau/América Basquete Recife (PE) – SP
Gilmara Justino – Pivô – 34 anos – 1,83m – ADCF Unimed Americana (SP) – SP
Isabela Ramona Lyra Macedo – Ala – 21 anos – 1,80m – São José Desportivo (SP) – BA
Izabella Frederico Sangalli – Ala – 20 anos – 1,78m – ADCF Unimed Americana (SP) – SP
Jaqueline de Paula Silvestre – Ala – 29 anos – 1,78m – Basketball Santo André (SP) – SP
Karina da Silva Jacob – Pivô – 29 anos – 1,85m – São José Desportivo (SP) – RJ
Kelly Santos Muller – Pivô – 35 anos – 1,93m – Sport Club do Recife (PE) – SP
Patrícia Teixeira Ribeiro – Ala – 24 anos – 1,75m – São José Desportivo (SP) – SP
Tainá Mayara da Paixão – Armadora – 23 anos – 1,72m – Uninassau/América Basquete Recife (PE) – SP
Tássia Pereira de Souza Carcavalli – Armadora – 22 anos – 1,80m – Basketball Santo André (SP) – SP

Média de idade: 25,6 anos
Média de idade: 1,79m 

Comissão Técnica
Diretor: Vanderlei Mazzuchini Junior
Administrador: Bruno Gomes de Valentin
Administrador (Assistente): Paulo Henrique Mardegan
Técnico: Luiz Augusto Zanon
Assistentes Técnicos: Cristiano Cedra e Júlio Cesar Patrício
Preparador Físico: Clóvis Roberto Rossi Haddad
Fisiologista/Auxiliar de Preparação Física: Rafael Júlio Fachina
Médico: Dr. Jorge Luiz Fernandes Oliva Júnior 
Fisioterapeutas: Milena Gomes Perroni Challa e Tatiana Abruceze Cardoso
Nutricionista: Mirtes Strancanelli
Massagista: Joyce Aparecida Tozetto 

Programação de Treinos
Período: 4 de junho a 3 de julho
Horário: 8h30 às 10h30 e 16h às 18h (horários de Brasília)
Local: Tênis Clube de Campinas
Endereço: Rua Coronel Quirino, 1346 - Cambuí - Campinas/SP

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Lais Elena: “Falta estrutura de trabalho na seleção”

Matéria do site Torcedores.com: aqui!

Brasil é prata na Copa América Sub-16


A Seleção Brasileira Sub-16 Feminina conquistou a medalha de prata na Copa América – Pré-Mundial da categoria, disputada em Puebla, no México. Com a vaga garantida no Campeonato Mundial Sub-17 de 2016, a equipe da técnica Anne Amália Sabatini honrou as cores nacionais e em uma final acirrada foi superada pelo Canadá por 72 a 71 na prorrogação (65 a 65 no tempo normal e 29 a 23 no primeiro tempo). Na fase semifinal, o Brasil entrou para a história do basquete feminino ao ganhar dos Estados Unidos por 72 a 63.

"Fizemos uma excelente Copa América, principalmente dentro dos problemas que tivemos de perda de jogadoras importantes. É difícil perder uma partida da forma como aconteceu hoje, mas estou muito orgulhosa das meninas e de tudo que fizeram. Sabíamos que podíamos sair campeãs e faltou muito pouco. A experiência foi válida e com certeza poderemos tirar muito proveito das situações positivas e negativas para a próxima competição dessa geração que é o Campeonato Mundial no próximo ano", analisou a treinadora.

"Jogamos o primeiro tempo fora do que havia sido proposto para o ataque. A partir da etapa final começamos a voltar para o jogo, mas infelizmente não deu. Tenho certeza de que poderemos seguir colhendo bons frutos com essa equipe mais para frente. Em resumo, foi um resultado excelente", completou.

A cestinha da partida foi Izabela Nicoletti com 32 pontos, sete rebotes, cinco assistências e quatro recuperações de bola. A ala-armadora foi ainda a mais eficiente da partida com 23 pontos de valorização. Outros destaques nacionais foram Clarissa Carneiro (13 pontos, dois rebotes, seis assistências e uma recuperação de bola), Emanuely de Oliveira (dez pontos, seis rebotes, duas assistências e duas recuperações de bola) e Obalunanma Ugwu (dez pontos, nove rebotes, uma assistência e uma recuperação de bola). Alyssa Jerome foi escolhida a MVP (melhor jogadora) da competição e a maior pontuadora do time canadense na final, com 17 pontos.

"Fizemos um campeonato muito bom e viemos nos superando desde a primeira partida. Fazia alguns anos que uma Seleção Brasileira não vencia a equipe dos Estados Unidos e nós conquistamos essa vitória na semifinal. Mesmo com uma medalha de prata conseguimos nos superar na Copa América. Treinamos bastante e estávamos preparadas para isso. Fomos bastante além, mas faltou um pouquinho a mais nos cinco minutos finais. Só consegui a marca de 32 pontos porque a minha equipe me ajudou. Agradeço também a todo mundo do Brasil que estava na torcida pela gente", destacou a ala-armadora Izabela Nicoletti.

Destaque nas Estatísticas

As brasileiras também se destacaram nas estatísticas da Copa América. No ranking de cestinhas, o Brasil teve três jogadoras entre as dez primeiras: Izabela Nicoletti foi segunda (107 no total e 21.4 pontos de média), Obalunanma Ugwu em oitavo (62 e 12.4pts) e Clarissa Carneiro (60 e 12.0pts). Nos rebotes, Obalunanma Ugwu foi a terceira (58 e 11.6 de média) e Geovana Lopes em quarto (51 e 10.2). Nas assistências, Clarissa Carneiro ficou em quarto (20 e 4.0 de média) e Izabela Nicoletti em quinto (18 e 3.6). Nas recuperações de bolas, Izabela Nicoletti foi a terceira (17 e 3.4 de média), enquanto nos bloqueios, Emanuely de Oliveira ficou em quarto (7 e 1.4 de média) e Germano Geassamyne em décimo (5 e 1.0).

Além do Brasil, a Copa América classificou as seleções do Canadá, Estados Unidos (bronze) e do México (4º lugar) para o Campeonato Mundial Sub-17 de 2016. A equipe brasileira desembarca, nesta terça-feira (30), às 11h30 de Brasília, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

BRASIL (11 + 12 + 14 + 28 + 06 = 71)

Izabela Nicoletti (32 pontos, 7 rebotes, 5 assistências e 4 recuperações de bola), Clarissa Carneiro (13pts, 2reb, 6assist e 1rec bola), Emanuely de Oliveira (10pts, 6reb, 2assist e 2rec bola), Obalunanma Ugwu (10pts, 9reb, 1assist e 1rec bola) e Geovana Lopes (6pts, 16reb, 1assist e 2rec bola). Entraram: Anna Beatriz (0), Julia Schmauch (1rec bola), Isadora Souza (1reb e 1rec bola) e Geassamyne Germano (4reb e 2assist). Não entraram: Sara Rodrigues, Gabriela Alves e Isabel Varejão. Técnica: Anne Freitas Sabatini.

CANADÁ (11 + 18 + 15 + 21 + 07 = 72)

Confira a estatística completa: Brasil x Canadá.

Forma de Disputa

De acordo com o regulamento, na primeira fase da Copa América, as equipes se enfrentaram dentro de cada chave. As duas melhores de cada grupo se classificaram para a semifinal em cruzamento olímpico (1º A x 2º B e 2º A x 1º B). Os vencedores disputaram a final, enquanto os perdedores jogaram pelo terceiro lugar.

Seleção Brasileira Sub-16 Feminina
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – UF


4. Anna Beatriz Marques Hammerschmidt – Armadora – 15 anos – 1,70m – Presidente Venceslau (SP) – (SP)
5. Clarissa Fernandes Carneiro – Ala-/armadora – 15 anos – 1,80m – Presidente Venceslau (SP) – (SP)
6. Izabela Nicoletti Leite – Ala-Armadora – 15 anos – 1,80m – Score Academy / Carolina Waves (EUA) – SP
7. Julia Zandonai Schmauch – Ala – 15 anos – 1,80m – ADC Bradesco (SP) – SC
8. Sara Lucia Carvalho de Souza Rodrigues – Ala-pivô – 15 anos – 1,90m – APAGE BASK FIG-Guarulhos (SP) – SP
9. Isadora Alves Cardoso Souza – Ala-armadora – 14 anos – 1,70m – APAGE BASK FIG-Guarulhos (SP) – SP
10. Izabel França Varejão de Angelo – Pivô – 15 anos – 1,90m – ADC Bradesco (SP) – ES
11. Emanuely de Oliveira – Ala – 15 anos – 1,80m – Criciúma Basquete Clube (SC) – SC
12. Geovana Fonseca Lopes – Pivô – 16 anos – 1,89m – Presidente Venceslau (SP) – (SP)
13. Geassamyne Germano – Ala-pivô – 16 anos – 1,81m – Score Academy / Carolina Waves (EUA) – SP
14. Obalunanma Beatriz de Angelo Chukwumaeze Ugwu – Pivô – 16 anos – 1,81m – Score Academy / Carolina Waves (EUA) – SP
15. Gabriela Sales Fernandes Alves – Ala – 15 anos – 1,80m – SESI-SP Guarulhos (SP) – SP

Média de idade: 15,2 anos
Média de altura: 1,81m

Comissão Técnica

Administrador: Paulo Henrique Mardegan
Técnica: Anne Amália de Freitas Sabatini
Assistente Técnica: Christi Ane Garcia Marques Hammerschimidt e Wilson Sanaiotti Junior
Preparador Físico: Priscila Moreira de Souza
Médica: Lenita Machado Glass
Fisioterapeuta: Thayse Cristine de Melo Lins
Nutricionista: Emy Takahashi

Tabela e Resultados da Copa América

Grupo "A": Argentina, Estados Unidos Honduras e México
Grupo "B": Brasil, Canadá, Cuba e Venezuela

Quarta-feira (dia 24 de junho)
Cuba 43 x 85 Canadá; Venezuela 40 x 84 Brasil; Argentina 46 x 80 Estados Unidos e México 74 x 45 Honduras.

Quinta-feira (dia 25 de junho)
Estados Unidos 86 x 41 Honduras; Brasil 82 x 50 Cuba; Canadá 76 x 45 Venezuela; México 68 x 57 Argentina.

Sexta-feira (dia 26 de junho)
Honduras 52 x 62 Argentina; Venezuela 71 x 73 Cuba; Canadá 64 x 50 Brasil; México 44 x 85 Estados Unidos.

Sábado (dia 27 de junho)
Disputa de 5º ao 8º lugares
Argentina 64 x 51 Venezuela e Cuba 59 x 53 Honduras
Fase Semifinal
Estados Unidos 63 x 72 Brasil e Canadá 70 x 42 México

Rodada Final – Domingo (dia 28 de junho)
Disputa de 7º e 8º lugares: Venezuela 66 x 64 Honduras
Disputa de 5º e 6º lugares: Argentina 54 x 68 Cuba
Disputa de 3º e 4º lugares: Estados Unidos 81 x 24 México
Disputa de 1º e 2º lugares: Brasil 71 x 72 Canadá

Classificação Final
1º- Canadá; 2º- Brasil; 3º- Estados Unidos; 4º- México; 5º- Cuba; 6º- Argentina; 7º- Venezuela; 8º- Honduras

Brazil v Canada - Gold Medal Game - FIBA Americas U16 Women’s Championship

USA v Brazil - Semifinal - FIBA Americas U16 Women’s Championship

Canadá vence Brasil na prorrogação e sagra-se campeão da Copa América sub 16

A seleção brasileira de basquete feminino sub16 acaba de conquistar a medalha de prata na Copa América, perdendo por um ponto, na prorrogação, para o Canadá.
Parabenizar essas meninas é muito pouco! Esse grupo treinou apenas 10 dias e a comissão técnica realizou um verdadeiro milagre, principalmente ao derrotar nas semifinais, os Estados Unidos, que nunca tinham perdido nesta categoria.
O mínimo que se espera da Confederação é um pouco mais de respeito e atenção a essas gerações (sub15, 16, 17, 18...), que mostram a cada torneio seu talento, e que acabam sendo desperdiçados com o passar dos anos.
Valeu Brasil... vocês nos encheram de alegria e orgulho. Até logo!

sábado, 27 de junho de 2015

Brasil bate Estados Unidos na semifinal da Copa América

O basquete feminino nacional conseguiu a proeza de cometer mais um milagre.

Em cenário de penúria da modalidade no país, a seleção sub-16 (que mal treinou para a competição) acaba de bater a seleção norte-americana na semifinal da Copa América por 72 a 63.

Izabela, com 24 pontos, e Obalunanma, com 20 pontos, foram as cestinhas do Brasil.

BRASIL VENCE ESTADOS UNIDOS E ESTA NA FINAL DA COPA AMERICA SUB 16

Espetacular!




A selecao sub 16 do Brasil acaba de vencer as americanas por 72 x 63 e e finalista da Copa America, realizada em Puebla, no Mexico.


Parabens a todas as atletas e a comissao tecnica!




Vídeo: Seleção treina em Campinas

Após dois meses, Venceslau volta a treinar

Sub-16 é derrotada pelo Candá e faz semifinal da Copa América contra as americanas

Com a vaga garantida no Campeonato Mundial Sub-17 de 2016, a Seleção Brasileira Sub-16 Feminina disputa, neste sábado (dia 27), às 20h de Brasília, a primeira partida da fase semifinal da Copa América Sub-16 que está sendo disputada em Puebla, no México. O adversário será os Estados Unidos que terminaram em primeiro lugar no grupo “A”, com seis pontos. A outra semifinal, às 22h, será entre Canadá e México. Os vencedores disputam o título no domingo (28), enquanto os perdedores decidem o terceiro lugar.

Nesta sexta-feira (26), na última rodada da fase de classificação, a equipe comandada pela técnica Anne Amália Sabatini foi superada pela seleção canadense por 64 a 50 (28 a 30 no primeiro tempo). As cestinhas da partida foram a canadense Kyla Shand e a brasileira Izabela Nicoletti, com 17 e 16 pontos respectivamente. Outro destaque nacional foi a pivô afro-brasileira Obalunanma Ugwu, que anotou um Duplo-Duplo de dez pontos e 13 rebotes.

"Fizemos um bom primeiro tempo (30 a 28), mas não tivemos a mesma consistência no ataque e na defesa na etapa final. Já havíamos conquistado na rodada anterior a classificação para a semifinal, então precisamos levantar a cabeça e pensar na próxima partida. Agora vamos buscar a possibilidade de uma medalha na competição", declarou a treinadora brasileira. 

Além das brasileiras, as seleções dos Estados Unidos, Canadá e México também estão classificados para o Campeonato Mundial Sub-17 de 2016.

BRASIL (21+9+9+11 = 50) 

Clarissa Carneiro (9 pontos, 1 rebote e 2 assistências), Izabela Nicoletti (16pts, 3reb, 1assist. e 2 rec. bola), Emanuely de Oliveira (8pts, 11reb, 6assist e 2 rec bola), Geovana Lopes (2pts, 6reb e 1 assist) e Obalunanma Ugwu (10pts, 13reb e 1assist). Entraram: Anna Beatriz (1 rec. bola), Julia Schmauch (3pts, 2reb e 2rec bola), Isadora Souza (0), Isabel Varejão (2reb) e Geassamyne Germano (2pts, 7reb, 1assist e 2 rec bola). Não entraram: Sara Rodrigues e Gabriela Alves. Técnica: Anne Freitas Sabatini.

Chicago Sky vence terceira partida seguida na WNBA

A quinta vitória do Chicago Sky na temporada 2015 da WNBA, terceira consecutiva, veio na noite desta sexta-feira, dia 26/06, contra o Indiana Fever, em Indiana. O time da brasileira, Clarissa dos Santos, em mais um jogo de recuperação e alternâncias no placar, venceu a partida por 83 a 77, após estar perdendo de 43 a 52, no intervalo. Sem tempo para descanso a equipe de Chicago volta à quadra neste domingo, dia 28/06, contra o Washington Mystics, no Verizon Center, em Washington. No jogo de hoje, Clarissa marcou seis pontos, recuperou dois rebotes e atuou por 15 minutos. Este foi o terceiro confronto entre os dois times e nas três partidas o time da pivô brasileira conquistou a vitória.

- Esse jogo foi bem diferente dos outros dois. No primeiro tempo nossa defesa não encaixou bem e elas fizeram boas jogadas. Depois do intervalo voltamos mais concentradas, defendendo melhor e conseguimos segurar o ímpeto do time de Indiana. Com isso conseguimos equilibrar o jogo e sair com a vitória – comentou Clarissa.

Placar por Quarto         1º        2º          3º         4º        Final
Chicago                           22       21         21        19          83
Indiana                             27       15        16          9           77


O próximo adversário da equipe de Chicago, Washington Mystics, ocupa a segunda posição da conferencia leste, com a mesma campanha do Chicago, cinco vitórias e três derrotas. A partida será realizada às 17h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo no site da WNBA, via assinatura.

- Domingo temos mais um jogo importante e esta maratona de jogos não nos dá tempo para pensar nos erros. É importante entender onde estão às falhas e os acertos para assim conseguirmos conquistar boas vitórias – finalizou Clarissa.

Cara e coragem de Issy (Jornal A Cidade)

Poucos atletas de esporte coletivo conseguem construir uma prolongada história em Ribeirão Preto quanto à da cearense Issy. A pivô do time de basquete feminino da Recreativa/ABEC/SME completou em abril cinco anos consecutivos defendendo o clube ribeirão-pretano, marca que a transformou em uma referência dentro e fora de quadra. Associar o nome do time ao da jogadora passou a ser algo imediato.
Natural de Fortaleza, a pivô de 1,85m de altura trata Ribeirão Preto como se fosse a sua cidade natal. “Já tive chances de sair, mas preferi dar continuar por conta dessa identificação com o time e com a cidade de Ribeirão. A relação com o Marolo [Márcio, técnico da Recra] é ótima. Existe confiança dos dois lados, ele é um cara que exige bastante”, comentou Issy ao A Cidade.
Para seguir na Recreativa e a representar Ribeirão Preto, entretanto, a cearense precisou se acostumar com a distância de casa e do colo da mãe. Issy é de origem humilde e batalha a cada dia para auxiliar no sustento da família, que continua morando em Fortaleza. “Sempre procuro ajudar a minha mãe [Francisca Margarete]”, disse a atleta.
A distância da família passou a ser uma tônica desde quando foi contratada pelo Classista, de Osasco, em 2006. Mas, segundo ela, este é um fator minimizado devido ao desejo de construir uma carreira de sucesso no basquete. “Estou acostumada. Em Osasco eu ia bastante para casa, mas aqui é difícil. Não compensa comprar passagem para ficar poucos dias. Então procuro entrar em contato com meus familiares todos os dias”, comentou Issy.
Galeria de troféus
Há cinco anos defendendo a Recra, Issy coleciona troféus. A parceria com o técnico Márcio Marolo fez com que a atleta de 24 anos conquistasse três Jogos Regionais do Interior (2012, 2013 e 2014) e duas Séries A2 do Campeonato Paulista (2012 e 2014). Nesta segunda-feira, às 19h, ela estará em quadra diante do Jundiaí, no Ginásio da Recra, pela A2.

Pivô recebeu ‘ultimato’ da mãe
Issy viveu uma história de persistência no esporte até chegar ao basquete. Tentou o futebol, mas enfrentou a resistência da mãe. “Ela mandou eu escolher entre o vôlei e o basquete, senão eu não ia fazer mais nada relacionado ao esporte”, recordou a pivô da Recreativa.
Antes de ser contratada pela equipe de Ribeirão, Issy atuou pelo Pindamonhangaba na Série A2 do Paulista de 2010. Um ano antes, viveu o momento mais difícil da carreira: uma lesão no joelho quase a fez abandonar o esporte.
“Fiquei um ano parada, foi um momento complicado”, contou a jogadora. Apesar dos cinco títulos conquistados, a pivô afirma que ainda não está satisfeita e revela o desejo de levar a Recra à Liga Nacional e à Série A1 do Paulista. “Gostaria muito de retribuir tudo que a Recra me proporcionou representando o time nessas competições”, finalizou.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Magic Paula, Maria Helena Cardoso e Heleninha visitam a seleção brasileira





Campinas, SP – A Seleção Brasileira Adulta Feminina recebeu três visitas especiais após o treino desta quarta-feira (dia 24), que está sendo realizado na cidade de Campinas, no interior de São Paulo. A equipe comandada pelo treinador Luiz Augusto Zanon está se preparando no Tênis Clube Campinas para os 17º Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, entre os dias 16 e 20 de julho. As ex-jogadoras da seleção brasileira Maria Paula Gonçalves da Silva, a Magic Paula, Maria Helena Campos, a Heleninha, e Maria Helena Cardoso, que também comandou o Brasil, conversaram com as atletas sobre a oportunidade e desafios de defender uma equipe nacional.

"Procurei falar da minha experiência, mas também a importância da união da equipe na busca do objetivo. Não adianta planejar, treinar, ter estratégia e tática de jogo se a equipe não estiver unida. Mesmo quando não temos afinidades com uma companheira é preciso ter respeito. Eu e Hortência Marcari, por exemplo, éramos bastante diferentes. Cada uma tem o seu jeito e aqui vocês precisam entender que não é uma questão de afinidade, e sim respeito pelo grupo e do trabalho conjunto. Quando eu e Hortência passamos a perceber e entender que o respeito era o principal e que estava acima da nossa individualidade, é que começamos a mudar as coisas. Todas vocês estão aqui remando no mesmo barco", disse Magic Paula. 

Ao lado de grandes nomes do basquete feminino como Heleninha, Maria Helena Cardoso fez parte de uma geração vencedora do esporte nas décadas de 60 e 70. Como jogadora da Seleção Brasileira foi fundamental na conquista do bicampeonato nos Jogos Pan-Americanos de Cali, em 1971, na Colômbia. Depois, como técnica, viria a comandar a equipe campeã dos Jogos Pan-Americanos de Havana, em 1991, com nomes que perduram até hoje, como Paula e Hortência.

"Eu tenho duas passagens pela seleção, mas tem uma que quero destacar nesse momento. Para ilustrar a questão do relacionamento de grupo vou falar sobre quando eu comandei pela primeira vez. Quando cheguei na seleção me perguntavam como íamos fazer, já que Paula e Hortência não se falavam. Elas eram as duas principais jogadoras na época. Minha solução foi simples. Dividi os quartos e coloquei as duas juntas. É claro que não gostaram e reclamaram. Deixei claro que tudo bem se não fossem amigas, mas que precisariam se entender para que pudessem trabalhar juntas. E deu resultado, pois elas se entenderam tanto que até hoje se dão bem, mas até aquele momento a coisa ia devagar. A rivalidade entre as duas era grande e ajudou muito a enriquecer o basquete, mas internamente atrapalhava o grupo. Então são situações que é preciso entender e resolver caso aconteça situações similares com vocês", explicou a ex-técnica Maria Helena Cardoso, campeã como jogadora e como técnica.

Zanon destacou a importância da visita dessas ex-jogadoras que levaram a Seleção Feminina ao topo do mundo para a preparação da equipe que se prepara para os Jogos Pan-Americanos de Toronto.

"Eu só tenho a agradecer as três que vieram conversar com as meninas. Foi uma hora e meia de aula de mestres de alta referência mundial, de pessoas que perseveraram e alcançaram seus objetivos. Eu procuro sempre trazer referências mundiais para perto e essas foram minhas desde quando jogava no juvenil em Piracicaba (SP). A oportunidade de estarem passando isso para as meninas é algo enriquecedor. Elas tiveram a oportunidade de terem exemplos práticos de perto perguntando e conversando, além de tirar dúvidas de como acontecia na época delas. As três deram abertura para uma troca enriquecedora com as jogadoras. Além disso todas são campeãs Pan-Americanas, que é a competição para qual estamos nos preparando e é importante para o processo de amadurecimento desse grupo", destacou Zanon.

As brasileiras receberão, na próxima sexta-feira (26), a ex-jogadora Helen Luz, que defendeu as cores verde-amarela nas conquistas do Campeonato Mundial da Austrália (1994) e da medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Sydney (Austrália/2000).

"Na verdade é um bate-papo contando um pouco da minha experiência na Seleção Brasileira. Meu objetivo é passar um pouco do que vivi com o Brasil e tirar dúvidas também. É importante que todas entendam a importância de servir a Seleção Brasileira", pontuou Helen. 

A Seleção Brasileira Adulta Feminina segue treinando em dois períodos (8h30 às 10h30 e 16h às 18h), no Tênis Clube de Campinas (Rua Coronel Quirino, 1346 – Cambuí), em Campinas (SP). O embarque para Toronto está marcado para 6 de julho no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. De 7 a 15 de julho a equipe realizará treinos e amistosos no Canadá.

O Brasil está no Grupo "A" do Pan e faz sua estreia contra os Estados Unidos no dia 16 de julho. Na sequência, as brasileiras enfrentam Porto Rico (17) e República Dominicana (18). A chave "B" é formada por Canadá, Cuba, Argentina e Venezuela. A fase semifinal será disputada no dia 19 e as disputas por medalhas no dia 20. 

O basquete é o esporte coletivo com o maior número de medalhas de ouro (8) na história do Pan-Americano e no total (24). A seleção adulta feminina esteve presente em quatorze edições da competição feminina e soma onze medalhas conquistadas. A equipe feminina foi campeã em Winnipeg, no Canadá (1967); em Cáli, na Colômbia (1971); e em Havana, Cuba (1991). As meninas foram quatro vezes medalha de prata e quatro de bronze. No Pan do Rio (2007), O Brasil ficou com a medalha de Prata. 

Sub 16 do Brasil vence a segunda na Copa America

A seleção brasileira sub 16 venceu seu segundo compromisso na Copa America da categoria, que esta sendo realizada em Puebla, México.

Depois de estrear vencendo a Venezuela por 84 x 40, nossas garotas passaram bem por Cuba, com o placar de 82 x 50. Esse resultado praticamente trouxe a classificação para as semifinais.




Ainda no grupo B, Canadá (que também começou com vitoria) e Venezuela completam a rodada.

No grupo A (que também conta com Argentina, Honduras e México), as americanas - que contam com Sedona Prince, 15 anos e 2 metros de altura - lideram e devem confirmar o primeiro lugar.

Nesta sexta, Brasil e Canadá jogam pelo 1o lugar da chave, e pelo direito de não cruzar com os Estados Unidos já nas semifinais.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

São José Basquete: Equipe feminina esbarra em patrocínio para ir à LBF 6

Matéria do GloboEsporte.com: aqui!

Kelly assina com o América por dois anos

O Uninassau/América ainda não parou de contratar. Após o anúncio da armadora Débora da Costa, da lateral Ariadna Felipe e da pivô Fabi Caetano, chegou a vez do time comandado pelo técnico Roberto Dornelas ser novamente reforçado no garrafão. O nome em questão é o da pivô de 1m92, Kelly Santos.
A atleta de 35 anos tem experiência para dar e para vender. Além das suas passagens pelo Brasil, já jogou nos Estados Unidos, na França, Itália, Espanha, Equador e Turquia. Sua última passagem foi pelo Sport Recife, onde ajudou a equipe a se classificar para a fase final da primeira edição da Liga Sul-americana Feminina de Clubes. “Por uma questão de ética, só anunciamos a contratação de Kelly agora, pois ela estava focada em defender o Sport nesse campeonato”, disse o técnico Roberto Dornelas.
Pela Seleção Brasileira, entre muitas apresentações e conquistas, Kelly foi medalha de bronze nas Olimpíadas de Sydney, quarto lugar em Atenas e tricampeã da Copa América (1997/2001/2009). Pelos Jogos Pan-americanos, ela foi quarto lugar em 1999, no Canadá, medalha de bronze em 2003, em Santo Domingo e medalha de prata no Rio de Janeiro, em 2007.

Kelly se apresenta em Recife após a disputa do Torneio Pré-Olímpico, que acontecerá no Canadá, em agosto, assim como a armadora Débora da Costa e da pivô Fabi Caetano. Agora o Uninassau/América conta com quatro pivôs: Kelly Santos, Fabi Caetano, Fran Nascimento e Nicolle Chirinda.
“A contratação de Kelly foi feita pela busca de fechar o garrafão. Kelly era a opção mais viável em nível de Seleção Brasileira e agora veste a camisa do Uninassau/América. Ela é muito experiente e acredito que vá nos ajudar muito durante esses dois anos que assinou contrato”, disse.

Sport termina invicto na fase de grupos da Liga Sul-Americana



A equipe do Sport Recife (PE) terminou invicta e em primeiro lugar no Grupo “C” da 1ª Liga Sul-Americana Adulta Feminina de Clubes. A equipe pernambucana venceu seus três adversários na competição disputada na cidade venezuelana de La Cruz e está classificada para a próxima fase da competição. A ADCF Unimed/Americana (SP), segunda colocada na Chave “B”, também garantiu sua vaga.

Nesta segunda-feira (dia 22), pela última rodada da fase de classificação, o Sport Recife superou o Deportivo Anzoátegui, da Venezuela, por 81 a 69 na prorrogação (65 a 65 no tempo normal e 23 a 28 no primeiro tempo). O destaque do clube brasileiro foi a pivô Kelly Santos com um Duplo-Duplo de 15 pontos e 21 rebotes, além de duas assistências.

A cestinha da partida foi a venezuelana Roselis Serrano, com 28 pontos. As principais pontuadoras do clube brasileiro foram Izabela de Andrade (17 pontos e seis rebotes) e a americana Brandie Baker (16 pontos, três rebotes e três assistências).

Nas duas primeiras rodadas, o Sport Recife venceu o La Estancia de Popayan, da Colômbia, por 67 a 48, e o Deportivo Santa Maria, do Equador, por 79 a 74.

Grupo “C” – Tabela e Resultados

1ª Rodada – Dia 20 de junho (Sábado) 
Sport Recife (BRA) 67 x 48 La Estancia de Popayan (COL)
Deportivo Anzoátegui (VEN) 49 x 59 Deportivo Santa Maria (EQU)

2ª Rodada – Dia 21 de junho (Domingo) 
Deportivo Santa Maria (EQU) 74 x 79 Sport Recife (BRA)
La Estancia de Popayan (COL) 52 x 62 Deportivo Anzoátegui (VEN) 

3ª Rodada – Dia 22 de junho (Segunda) 
Deportivo Santa Maria (EQU) 63 x 70 La Estancia de Popayan (COL)
Deportivo Anzoátegui 69 x 81 Sport Recife (BRA) 

Classificação Final

1º- Sport Recife (BRA) – 6pts (três vitórias)
2º- Deportivo Santa Maria (EQU) – 4pts (uma vitória e duas derrotas)
3º- Deportivo Anzoátegui (VEN) – 4pts (uma vitória e duas derrotas)
4º- La Estancia de Popayan (COL) – 4pts (uma vitória e duas derrotas)

Brasileiras se reencontram na WNBA


Com três vitórias e três derrotas o Chicago Sky, equipe da pivô brasileira, Clarissa dos Santos, volta a jogar na cidade de Chicago após cinco partidas fora, em busca da segunda vitória consecutiva. O jogo será na quarta-feira, às 13h30, no horário de Brasília, com transmissão ao vivo do site da WNBA, via assinatura. Será a segunda partida entre Chicago Sky e Atlanta Dream, envolvendo três jogadoras brasileiras, Erika e Nádia, pelo Atlanta e Clarissa dos Santos, do Sky.

Em sua primeira temporada na maior liga de basquete feminino no mundo, Clarissa vem ganhando espaço no time de Chicago, que ocupa a quarta posição da conferência leste.

- É muito bom voltar a jogar em Chicago, com o apoio da torcida. Acredito que será mais um ótimo jogo. Cada partida tem uma história diferente e amanhã esperamos acertar os detalhes que erramos no último confronto e, desta vez, sair com a vitória, que será muito importante para nós – comentou Clarissa dos Santos.

No primeiro confronto entre os dois times, realizado na última sexta-feira, dia 19/06, a vitória foi do Atlanta por 74 a 73.  Clarissa anotou quatro pontos e dez rebotes, em 28 minutos de atuação.

Na noite seguinte o adversário foi o San Antonio Stars e o jogo decidido na prorrogação. A equipe da pivô brasileira conquistou sua terceira vitória, com o placar de 95 a 87. Clarissa jogou por 12 minutos, marcou seis pontos e recuperou quatro rebotes.

- Conquistamos uma boa vitória, fora de casa e na prorrogação, mas a equipe ainda comentou alguns erros e estamos treinando para que isto não volte a acontecer – finalizou Clarissa.

Sub-16 encara Venezuela hoje na abertura da Copa América



A Seleção Brasileira Sub-16 Feminina estreia, nesta quarta-feira (dia 24), contra a Venezuela, às 18h de Brasília, na Copa América / Pré-Mundial da categoria, em Puebla, no México. O Brasil está no Grupo “B” e enfrenta na sequência as seleções de Cuba (quinta) e Canadá (sexta). O Grupo “A” é formado por Argentina, Estados Unidos, Honduras e México. A Copa América termina no próximo domingo (28) e classifica os quatro primeiros colocados para o Campeonato Mundial Sub-17 de 2016. A técnica Anne Amália Sabatini analisou a equipe antes da estreia. 

"Estamos já no ritmo da competição, ansiosos e feliz por estar aqui. Embora sejam meninas jovens, tudo que fizemos com elas na preparação é uma tentativa de amadurecimento para mostrar que podemos ter um bom campeonato. Elas até o momento estão se mostrando bem atentas e prontas para enfrentar essa Copa América. Confio nas nossas meninas e sei que podemos garantir a vaga no Mundial Sub-17", avaliou a treinadora brasileira. 

As brasileiras realizaram na segunda-feira (22) um jogo-treino contra as seleções dos Estados Unidos e do Canadá, com dois tempos para cada adversário. A equipe nacional venceu as canadenses por 34 a 32 e foi superada pelas americanas por 39 a 26.

"Os amistosos contra Canadá e Estados Unidos foram muito bons para fechar a nossa preparação. Foi com um tempo reduzido, mas em nível de conhecimento dos adversários e manutenção do trabalho técnico, tático e principalmente físico foi bem importante", destacou Anne. "Estamos indo confiantes em busca da vaga e vamos conseguir", completou Anne.

Forma de Disputa

De acordo com o regulamento, na primeira fase da Copa América, as equipes se enfrentam dentro de cada chave. As duas melhores de cada grupo se classificam para a semifinal em cruzamento olímpico (1º A x 2º B e 2º A x 1º B). Os vencedores disputam a final, enquanto os perdedores jogam pelo terceiro lugar. As Seleções que chegarem às semifinais garantem a classificação para o Campeonato Mundial Sub-17, em 2016.

Seleção Brasileira Sub-16 Feminina 
Nome – Posição – Idade – Altura – Clube – UF

Anna Beatriz Marques Hammerschmidt - Armadora - 15 anos - 1,70m - Assoc. de Basquete de Presidente Venceslau (SP) - (SP)
Clarissa Fernandes Carneiro - Alal/armadora - 15 anos - 1,80m - Assoc. de Basquete de Presidente Venceslau (SP) - (SP)
Emanuely de Oliveira - Ala - 15 anos - 1,80m - Criciúma Basquete Clube (SC) - SC
Gabriela Sales Fernandes Alves - Ala - 15 anos - 1,80m - SESI-SP Guarulhos (SP) - SP
Geassamyne Germano - Ala/pivô - 16 anos -1,81m - Score Academy / Carolina Waves (EUA) - SP
Geovana Fonseca Lopes - Pivô - 16 anos - 1,89m - Assoc. de Basquete de Presidente Venceslau (SP) - (SP)
Isadora Alves Cardoso Souza - Ala/armadora - 14 anos - 1,70m - APAGE BASK FIG-Guarulhos (SP) - SP 
Izabel França Varejão de Angelo - Pivô - 15 anos - 1,90m - ADC Bradesco (SP) - ES
Izabela Nicoletti Leite - Ala/Armadora - 15 anos - 1,80m - Score Academy / Carolina Waves (EUA) - SP
Obalunanma Beatriz de Angelo Chukwumaeze Ugwu - Pivô - 16 anos - 1,81m - Score Academy / Carolina Waves (EUA) - SP
Julia Zandonai Schmauch - Ala - 15 anos - 1,80m - ADC Bradesco (SP) - SC
Sara Lucia Carvalho de Souza Rodrigues - Ala/pivô - 15 anos - 1,90m - APAGE BASK FIG-Guarulhos (SP) - SP

Média de idade: 15,2 anos
Média de altura: 1,81m

Comissão Técnica

Administrador: Paulo Henrique Mardegan
Técnica: Anne Amália de Freitas Sabatini
Assistente Técnica: Christi Ane Garcia Marques Hammerschimidt e Wilson Sanaiotti Junior
Preparador Físico: Priscila Moreira de Souza
Médica: Lenita Machado Glass
Fisioterapeuta: Thayse Cristine de Melo Lins
Nutricionista: Emy Takahashi

Tabela Copa América Sub-16 Feminina

Grupo "A": Argentina, Estados Unidos Honduras e México
Grupo "B": Brasil, Canadá, Cuba e Venezuela

Quarta-feira (dia 24 de junho)

Cuba x Canadá (16h); Venezuela x Brasil (18h); Argentina x Estados Unidos (20h) e México x Honduras (22h).

Quinta-feira (dia 25 de junho)

Estados Unidos x Honduras (16h); Brasil x Cuba (18h); Canadá x Venezuela (20h); México x Argentina (22h).

Sexta-feira (dia 26 de junho)

Honduras x Argentina (16h); Venezuela x Cuba (18h); Canadá x Brasil (20h); México x Estados Unidos (22h).

Sábado (dia 27 de junho)

Disputa de 5º ao 8º lugares
3º A x 4º B (16h) e 3º B x 4º A (18h)
Fase Semifinal
1º A x 2º B (20h) e 1º B x 2º A (22h)

Domingo (Dia 28 de junho) 
Rodada Final

16h00 – Disputa de 7º e 8º lugares
18h00 – Disputa de 5º e 6º lugares
20h00 – Disputa de 3º e 4º lugares
22h00 – Disputa de 1º e 2º lugares
OBS: Horário de Brasília.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Eurobasket define suas 8 classificadas para 4as de final

Com o complemento da ultima rodada da 2a fase do Eurobasket, foram definidas as partidas de 4as de final do torneio.


Os vencedores destes confrontos ja garantem, no minimo, presença no pre-olimpico mundial a ser realizado em junho de 2016. Já os perdedores, lutarão pelo 5o lugar, que também dará essa classificação.

O campeão da Eurobasket garante vaga direta para as Olimpiadas do Rio.

CBB deve pagar R$ 4 mi à Fiba até agosto para vaga olímpica

A federação Internacional de basquete (Fiba) finalmente definiu um posicionamento quanto à concessão de uma vaga direta para o Brasil na Olímpiada do Rio de Janeiro. Depois de protelar a decisão, a entidade anunciou que o País não dependerá do Pré-Olímpico para garantir um lugar na disputa por sua "história no esporte" e por sediar o evento. Porém, para receber o convite, a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) terá que quitar uma dívida de US$ 1,4 milhões (cerca de R$ 4 milhões) com a Fiba, referente ao convite para o Mundial da Espanha em 2014, até o dia 31 de julho.
A decisão foi tomada após reunião do Comitê Executivo da Fiba na última semana. Sem saber se dependeria da Copa América para se classificar para o Rio 2016 , o técnico Ruben Magnano precisou atrasar o planejamento da seleção masculina, que terá pela frente o Pan-Americano de Toronto antes da disputa do Fiba Américas - o Pré-Olímpico da modalidade - em Monterrey, no México, entre os dias 25 de agosto e 6 de setembro
Depois de uma campanha vexatória no Pré-Mundial, disputado na Venezuela,  a Seleção masculina só participou do torneio na Espanha por ter sido convidada. Para concorrer ao convite, todas as seleções tiveram que pagar uma taxa à Fiba, referente ao débito atual. Eliminado pela Sérvia nas quartas de final, o time de Magnano terminou o Mundial em sexto lugar.
Na equipe feminina, o técnico Luiz Augusto Zanon também foi prejudicado com a falta de uma resposta da entidade máxima do esporte da bola laranja, já que a indefinição atrapalha o planejamento das jogadoras que irão para o Pan de Toronto e para a Fiba Américas. O Pré-Olímpico das mulheres será disputado em Edmonton, no Canadá, entre os dias 9 e 16 de agosto.
Diferentemente dos homens, a equipe feminina não precisou de convite da Fiba para garantir vaga no Mundial 2014, realizado na Turquia, se classificando pelo bom desempenho no Pré-Mundial.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/

sábado, 20 de junho de 2015

Universo Mujer

Assistindo aos jogos do Eurobasket. percebemos um anuncio no uniforme espanhol: www.universomujer2018.com.



Por curiosidade visitei o website e me surpreendi com o projeto.

O Universo Mujer é um programa de promoção da mulher através do esporte. O programa abraça todos os âmbitos do basquete.

Sede do Mundial de 2018, não é a toa que a Espanha cresce em passos largos no basquete feminino, desde Barcelona 92.

Visite e confiram.

Vídeo: Treino da seleção brasileira

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Noite de duelo entre brasileiras na WNBA


Um dos confrontos mais esperados pelos brasileiros neste inicio de temporada da WNBA aconteceu hoje, quando tivemos 3 brasileiras em quadra na partida entre o Atlanta e o Chicago.

Jogando em casa, o Dream venceu por 74 x 73 com um double-double de Erika (13 pontos e 11 rebotes). Em 5 minutos de quadra, Nadia deu 2 tocos e converteu 2 pontos (1/1).

Ja pelo Sky, Clarissa ganhou mais tempo de jogo (28 minutos) alcançando 10 rebotes e 4 pontos (2/3), alem de 2 roubadas.

A outra brasileira em ação na noite de hoje foi Damiris. Seu time passou pelo San Antonio (74 x 59). Ela contribuiu com 7 pontos, 3 rebotes e 3 assistências, em 19 minutos de quadra. Neste jogo, Dantas começou no banco.

Na classificação do leste, Atlanta está em 5o. e o Chicago em 6o. Pelo lado do oeste, o Minnesota lidera.

Dia de surpresas no Europeu Feminino

Dia de surpresas no Europeu feminino, que está sendo disputado na Romênia e na Hungria.

A Turquia venceu a favorita França...
 

 ... Montenegro venceu a Bielorrússia...

 ... E a Grécia venceu a República Tcheca.

Nos Estados Unidos, ex-jogadora de basquete Janeth Arcain é introduzida no Hall da Fama


Divulgação

Campeã mundial em 1994 e medalhista olímpica, Janeth Arcain foi introduzida no Hall da Fama feminino do basquete em uma cerimônia realizada no último sábado, em Knoxville, no estado norte-americano do Tennessee.

Além da ex-jogador da Seleção Brasileira, a classe de 2015 conta com Lisa Leslie, Janet Harris, Kurt Budke, Brad Smith e Gail Goestenkors. Janeth é a terceira brasileira a entrar neste grupo de jogadoras. Hortência (2002) e Paula (2006) já haviam recebido a honraria.

Com uma trajetória consagrada no Brasil, Janeth fez sucesso nos Estados Unidos, onde atuou pelo Houston Comets. Pela franquia do Texas, a atleta foi campeã em quatro oportunidades da WNBA, ganhando os prêmios de Jogadora Que Mais Evoluiu e do Primeiro Time do campeonato, ambos em 2001.

Pela Seleção Brasileira, Janeth foi campeã mundial em 1994 e faturou a prata e o bronze nos Jogos Olímpicos, em Atlanta 96 e Sydney 2000, respectivamente. A jogadora também esteve no elenco que triunfou nos Pan-Americanos de 1991, em Havana, Cuba.

Fonte: Super Esportes


Técnica Ruth de Souza inicia treinamento com as atletas convocadas para seleção estadual de basquete



Na tarde desta quarta-feira (17) a ex-jogadora de basquete e atual técnica da seleção de basquete feminino de Mato Grosso do Sul, Ruth Roberta de Souza, realizou no Ginásio Municipal “Cacilda Acre Rocha” o primeiro treino com as seis atletas três-lagoenses que foram convocadas para compor o time que representará o Estado no Campeonato Brasileiro de Basquete, em Curitiba (PR) no mês de agosto.

A técnica informou que o treino, com todas as 17 atletas selecionadas, será realizado entre os dias 26 e 28 de junho. “Após os treinamentos selecionarei as 10 jogadoras que irão compor a equipe que vai disputar a competição. Pelo que pude acompanhar as atletas três-lagoenses possuem um grande potencial de integrar o time”.

A técnica ressaltou que para facilitar os treinos está buscando parcerias para trazer as demais atletas para residirem em Três Lagoas. “Com isso aperfeiçoaremos o nosso trabalho e o entrosamento das jogadoras”.

ATLETAS

As seis atletas três-lagoenses que foram convocadas para compor a seleção de Mato Grosso do Sul foram: Ana Laura da Silva, Giovana Danatiele Pio, Isabela Cristina Santos, Kemily Aparecida Silva, Luana Kelly do Nascimento e Thaila Bianca Marques. As demais jogadoras são dos municípios de Maracaju, Ponta Porã e Nova Andradina.

As atletas fazem parte de um projeto que é desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC) na Escola Municipal Parque São Carlos há três anos. Segundo o coordenador do programa, Ronaldo da Costa, as jogadoras já se destacaram em diversas competições, entre elas, campeãs dos Jogos Escolares Municipais, duas vezes terceiras colocadas nos Jogos Escolares de Mato Grosso do Sul e campeãs estaduais na categoria sub-15.

“Estamos nos preparando para participar dos Jogos Escolares do Estado que serão realizados no mês de julho em Chapadão do Sul, onde temos todas as chances de sermos campeões. A convocação das nossas atletas para compor a equipe de Mato Grosso do Sul é mais um fruto do trabalho que temos realizado com as crianças e adolescentes da Escola Parque São Carlos e que conta com total apoio da prefeita Marcia Moura”, ressaltou Ronaldo da Costa.

CONVITE

A técnica Ruth de Souza informou que o convite para comandar a seleção do Estado foi feito em Ponta Porã, no início do mês, pelo presidente da Federação Sul Mato-Grossense de Basquete (FBMS), Eduardo Marques de Souza Costa. “Estava nos Jogos da Federação como chefe de delegação e fiquei muito surpresa e feliz com o convite, por isso não pensei duas vezes em aceita-lo, mesmo sabendo da responsabilidade do cargo”.


Ruth destacou que o seu principal objetivo a frente da seleção de Mato Grosso do Sul é manter o Estado na divisão especial do basquete. “Só no decorrer do nosso trabalho que podemos avaliar o desempenho da equipe. Mas todos podem ter certeza que faremos tudo com muita dedicação, respeito e daremos sempre o nosso melhor para que o Estado continue se destacando nas competições”.

Fonte: JP News